Temer é “candidatíssimo”, mas enfrenta resistências dentro do próprio MDB

Resultado de imagem para temer candidato charges

Charge do Latuff (Sul21.com.br)

Deu em O Tempo
(Agência Estado)

A possível candidatura do presidente Michel Temer a um segundo mandato enfrenta resistências não apenas em partidos da base aliada do governo, mas no próprio MDB. Defendida nos bastidores por ministros que ocupam gabinetes no Palácio do Planalto, a estratégia para lançar Temer ganhou os holofotes depois que o governo anunciou a intervenção na segurança pública do Rio.

Em reunião da Executiva Nacional do MDB nesta quarta-feira, 21, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, fez uma defesa enfática da candidatura de Temer. A portas fechadas, Marun declarou que o presidente tem “todas as chances” de ganhar. E o vice-líder do governo Beto Mansur (PRB-SP) disse que Temer é “candidatíssimo”.

PREPARAÇÃO – “Eu disse que precisamos nos preparar para isso”, afirmou o ministro, acrescentando ter conversado sobre o assunto com Temer, na segunda-feira. “A posição dele, hoje, é a de não disputar. Agora, quando os adversários se preocupam com isso, significa que estamos no caminho certo.”

Reconduzido à presidência do MDB por mais um ano, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), ouviu a defesa feita por Marun, mas não seguiu na mesma toada. Disse que o partido trabalha para ter candidato próprio à Presidência, mas citou outros nomes além de Temer, incluindo o do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Sem espaço no PSD, Meirelles negocia filiação ao MDB.

“Nós estamos discutindo qual é o nome mais viável, mais factível, que possa ganhar as eleições”, afirmou Jucá.

DOIS DÍGITOS – Em conversas reservadas, porém, dirigentes do MDB sustentam que Temer somente será candidato se, em abril, chegar a dois dígitos de aprovação. Dono de altos índices de impopularidade, o presidente aposta em uma agenda mais social para melhorar sua imagem.

Preocupado com interpretações dando conta de que a decisão de pôr as Forças Armadas nas ruas do Rio foi “eleitoreira”, Temer escalou o porta-voz Alexandre Parola para rebater rumores sobre eventual candidatura. Antes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) havia dito que Temer usou a intervenção para se cacifar na disputa. Na mensagem, Parola afirmou que o governo não está atrás de “aplauso fácil”.

MAIS RESTRIÇÕES – Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a possível campanha de Temer é “problema” do MDB e do Planalto. “Isso é problema de lá. Eu não reclamei que eles estão querendo cuidar dos projetos de cá? Deixa eles cuidarem de lá e a gente cuida de cá”, disse Maia, que é pré-candidato à sucessão presidencial.

No diagnóstico do DEM, um cenário assim forçaria Maia e o governador Geraldo Alckmin, postulante do PSDB, a se unirEM em torno de uma candidatura única de centro, na tentativa de impedir um segundo turno entre o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e um nome da esquerda.

Integrante da ala oposicionista do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) disse que a entrada de Temer na disputa seria “inconveniente” para o MDB. “Eu vejo o senador Renan Calheiros com Lula. Vejo o presidente do Senado (Eunício Oliveira) com Lula e o (senador) Jader Barbalho também. Como é que eles vão juntar esses cacos?”, questionou o tucano.

“CANDIDATÍSSIMO” – Vice-líder do governo na Câmara, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) avaliou que, se Temer concorrer, inviabilizará não só Meirelles – que já perdeu a bandeira da reforma da Previdência -, mas também Maia. “Michel é candidatíssimo”, disse Mansur.

Para Meirelles, porém, é “prematuro” afirmar o que a base aliada fará na corrida presidencial. “Vamos ver como tudo isso se desenvolve”, disse o ministro, acrescentando: “É o peu que morre de véspera.”

9 thoughts on “Temer é “candidatíssimo”, mas enfrenta resistências dentro do próprio MDB

  1. Demências por demências, eu prefiro a minha própria utopia. SOU MAIS A RPL-PNBC-DD-ME 2018, posto que me parece mais coerente, mais eficaz e mais alvissareira tendo em vista o sucesso pleno do bem comum do conjunto da sociedade. Além do que, ela diz claramente a que veio, não brinca em serviço e resolve o país para os próximos 100 anos. E a exclusão da RPL da disputa de 2018, outra vez, a exemplo do que já fizeram em 2014, me parece um crime de lesa-humanidade, qualificado, posto que opera contra o possível advento da democracia de verdade, direta, ao mesmo tempo em e opera a favor do continuísmo da mesmice do $istema político podre , mantendo-o livre, leve, solto, operante e opressor. O resto faz parte do jogo dos me$mo$, digo, da guerra tribal, primitiva, permanente e insana por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, à moda tudo de bom para elle$ e o resto que se dane, imposta pelo dito cujo $istema podre, imposto pelo partidarismo eleitoral, o golpismo ditatorial e seus tentáculos, velhaco$, dos quais, no Brasil, somos todos vítimas, reféns, súditos e escravos há 128 anos. E, no caso, vale repetir que crime lesa-pátria qualificado é continuar excluindo da disputa o Projeto Novo e Alternativo de Política e de Nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, que pode dar ao Brasil pelo menos 100 anos de estabilidade, prosperidade e um futuro alvissareiro, porque o resto é tudo apenas mais dos me$mo$, mais perda de tempo versus tempo perdido. Ademais, quem não quer mudar de verdade o $istema político podre não tem o direito de reclamar dos espinhos típicos do dito cujo, tem mais é que suportá-los, posto que são ossos do ofício. https://eleicoes.uol.com.br/2018/noticias/2018/02/22/lula-em-ato-de-aniversario-do-pt-em-sao-paulo.htm

  2. Estou achando ótimo que o Temer saia candidato mesmo. A possibilidade de quebrar a cara é enorme, vai ser o tipico candidato chapa branca sem poder usar infinitamente recursos roubados do erário como foi feito com a candidata chapa branca de 2014, cuja vitória levou o país a esse buraco do qual lentamente nos afastamos. O país está farto de votar em candidato chapa branca, Temer seria esse candidato pela 3ª vez.
    Isso pode ajudar o Alckmin, desde que ele esteja disposto a acordar e se dispor a por o pé no barro. Se ficar só nos gabinetes e em encontros com elites sua candidatura tenderá a ir para o buraco. Bolsonaro e Ciro Gomes já estão fazendo isso, o duro é que falam besteiras demais, aí vale o velho ditado de que quem fala demais acaba dando bom dia para cavalos.

  3. A ‘Cosa Nostra’ de Betim, dona do jornal O TEMPO, já definiu e formalizou seu candidato: Alvaro Dias.

    Portanto,fraca essa matéria, meteram pouca peroba no vampiro…

  4. Indago, porque não sou especialista no assunto, como pode Temer, que já foi candidato duas vezes, ser pela terceira vez candidato?

    Até onde sei, só se pode candidatar à presidência, seguidamente, duas vezes.

    Há um caso antigo de um prefeito de Nova Friburgo que pretendeu – na época não havia reeleição – se candidatar de novo, na qualidade de vice-prefeito.

    A justiça eleitoral vetou a tramóia.

    Por que ninguém fala disso?

    • Amigo Martinelli,

      O prefeito chamava-se Paulo Azevedo, era do MDB, um grande orador, com formação jurídica, já falecido.

      Quanto a Temer, é a primeira candidatura a presidente e há jurisprudência que o beneficia.

      Abs.

      CN

      • Exatamente, caríssimo Carlos Newton. Era Paulo Azevedo mesmo. Era adorado pela população. E parece que era Do Bem. Não existindo a reeleição, ele se valeu do artifício de se candidatar a vice, para a eleição seguinte.

        Impugnada a candidatura pelos oponentes, que não teriam chance de vitória eleitoral, terminou com a Justiça Eleitoral impedindo a candidatura ou mesmo a posse do ilustre advogado.

        Salvo engano, a conferir no Google, ele até venceu as eleições, mas foi impedido de tomar posse.

        A par das qualidades do candidato, achei a decisão correta. Candidatar-se a vice era um verdadeiro artifício. No primeiro dia, o prefeito eleito renunciaria e… tome Paulo Azevedo.

        Pois é, hoje a reeleição é permitida, mas me espanta o fato de, pela terceira vez, vingando a candidatura do Vampiro, a carinha dele aparecer na urna. E como candidato a presidente. A seguir o caso Paulo Azevedo, Temer não poderia se candidatar para essa eleição de 2018.

        Gostaria de tomar conhecimento dessa jurisprudência que o ampara.

        Obrigado pela resposta e me desculpe pelo atraso na réplica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *