Temer precisa fazer reforma ministerial, mas não tem forças para executá-la

A única mudança no Planalto é a tintura que Temer agora usa  

Catarina Alencastro
O Globo

O presidente Michel Temer não quis confirmar se pretende fazer uma reforma ministerial no ano que vem. Após fazer um longo balanço à imprensa sobre as ações de seu governo, ele foi perguntado sobre o assunto, mas mostrou-se evasivo: “Vamos esperar o ano que vem” – despistou.

Desde a saída de Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo, no mês passado, ele ensaia mexer em outros nomes na Esplanada, para reacomodar a base aliada. Para o lugar de Geddel, sexto ministro de Temer a cair, já teria sido convidado o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA).

Seu nome, no entanto, ainda não foi confirmado porque o governo teme ver o movimento interpretado como interferência direta do Planalto na disputa pela presidência da Câmara, já que Imbassahy pretendia concorrer com outros nomes do Centrão e com o atual presidente, Rodrigo Maia, que quer se reeleger e para isso conta com o apoio velado do governo.

SEM CRISES – Na fala de 25 minutos, Temer não mencionou as crises por que passou sua administração, como as menções a ele próprio e a ministros próximos em delações premiadas da Odebrecht. Nesse pronunciamento, o presidente agradeceu o trabalho do Legislativo, repetiu que o apoio da base é “importantíssimo” para levar à frente as reformas desejadas pelo governo e destacou que conseguiu aprovar neste fim de ano a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e todas as emendas individuais, de bancada e ainda quitar os restos a pagar desde 2007.

“Nós temos tido no Congresso 88% de fidelidade da base governista, algo importantíssimo para levar adiante todas as reformas. O fato de termos aprovado a LDO ainda neste exercício para vigorar no ano que vem, há muito tempo não tínhamos essa espécie de aprovação. Outro fato inédito foi o pagamento de todas as emendas individuais e também as emendas de bancada neste ano. Pagamos também os restos a pagar que datam de 2007, foram todos quitados neste ano” – afirmou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Ter maioria no Congresso é fácil, qualquer governo consegue – basta comprar apoio no atacado e no varejo. Quanto à reforma do Ministério, a possibilidade é remotíssima, embora necessária, não somente em nome da competência, mas sobretudo em nome da moral e dos bons costumes. Mas Temer não vai mexer (ou não pode mexer). A única mudança visível no Planalto é o progressivo escurecimento da cabeleira do presidente. Dentro em breve, os cabelos de Temer estarão tão escuros quanto os de Edison Lobão ou de Jáder Barbalho. (C.N.)

11 thoughts on “Temer precisa fazer reforma ministerial, mas não tem forças para executá-la

  1. 2017, Ano Zero

    http://mundovelhomundonovo.blogspot.com.br/2016/12/2017-ano-zero.html

    1917, 100 ANOS

    (MCMXVII – MMXVII)
    (1917 – 2017)

    E 100 ANOS SE PASSARAM

    – Tenho a impressão de que o senhor deixou as pernas debaixo de um automóvel, Seu Ribeiro. Por que não andou mais depressa? É o diabo. Graciliano Ramos, São Bernardo

    “Façamos a revolução antes que o povo a faça”. Antônio Carlos Ribeiro de Andrada

    A Greve Geral de 1917 em São Paulo

    CHRONICA

  2. De passagem, ainda no último dia do ano, desejo com a maior seriedade e sinceridade, votos de um Feliz Ano Novo para a turma do TI, seu Moderador, comentaristas e colaboradores, que muito fazem para valorizar este espaço de puro patriotismo, reflexão, e aprendizado, para muitos como eu.
    Grandes abraços, votos de muita saúde e muitas felicidades para todos.
    Andrade.

  3. Se torces por temer, bandido és; mas se espera que ele cumpra a contento seu mandato, sois
    tremendamente ingênuo, de qualquer forma que pena.
    Esperar que um criminoso, partícipe do maior roubo da história mundial, possa tomar atitudes promissoras para a nação mas extremamente danosas a sua liberdade, é pedir o impossível…

    sanconiaton

Deixe uma resposta para Tribuna da Internet Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *