Temer usa redes sociais para dizer que está sendo vítima de “fatos mentirosos”

Resultado de imagem para temer grava video

Temer não se arrisca na TV por causa do panelaço

Leticia Fernandes
O Globo

O presidente Michel Temer gravou um vídeo nesta quinta-feira, em Brasília, para se defender das acusações de que teria negociado 40 milhões de dólares de propina para o PMDB, na eleição de 2010, com um executivo da Odebrecht. Em pouco mais de um minuto, Temer confirma que se reuniu naquele ano com um representante de “uma das maiores empresas do país”, mas diz ser mentira que negociou qualquer tipo de valor ou tratativa escusa para a campanha. Ele afirma ter “repulsa” aos fatos “mentirosos” divulgados nas delações da Odebrecht, tornadas públicas na última terça-feira pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), e diz que “jamais” comprometeria a sua biografia por conta disso.

“É fato que participei de uma reunião em 2010 com o representante de uma das maiores empresas do país. A mentira é que nessa reunião eu teria ouvido referência a valores financeiros ou a negócios escusos da empresa com políticos. Isso jamais aconteceu, nem nessa reunião, nem em qualquer outra reunião que eu tenha feito ao longo de minha vida pública com qualquer pessoa física ou jurídica. Jamais colocaria a minha biografia em risco”, diz Temer.

O peemedebista afirma ainda que tem como sua “maior aliada” a verdade, o que também é “matéria prima do Poder Judiciário”, Poder que “revelará toda a verdade dos fatos”, afirma. “O verdadeiro homem público tem que estar à altura dos seus desafios, que envolve bons momentos e momentos de profundo desconforto”, admite o presidente.

5% DO CONTRATO – Segundo o delator Márcio Faria da Silva, o encontro com Temer em 2010, quando era candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff, aconteceu no escritório de Temer em São Paulo, e o valor seria referente a 5% de um contrato da Odebrecht com a Petrobras. Além de Temer, também participaram da reunião, segundo delatores da Odebrecht, os ex-deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de acordo com o depoimento do delator.

“Totalmente vantagem indevida, porque era um percentual em cima de um contrato”, disse Faria no depoimento, quando perguntado se havia ficado claro na reunião que o repasse era relativo a pagamento de propina.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGTemer não se arrisca em aparecer na cadeia da TV, porque sabe que o panelaço será monumental. Por isso, fica soltando vídeos nas redes sociais e ninguém da a menor importância, até porque não têm importância, mesmo. (C.N.)

16 thoughts on “Temer usa redes sociais para dizer que está sendo vítima de “fatos mentirosos”

  1. Foi claro, Licurgo. Se você acompanhasse o blog há mais tempo, saberia que jamais teríamos saudades da Era Lula/Dilma. Só temos saudades do Itamar Franco. Terei sido claro?

    Abs.

    CN

  2. Somente quem cai de pára-quedas aqui nesta Tribuna (e não conhece a história de tudo o que tem sido escrito e comentado por aqui) pode pensar que há saudades da era Lula/Dilma neste blog.

  3. A insistência de Michel Temer é muito estranha, mesmo sabendo que não tem moral para colocar este país nos eixos, não será ele, mas como todos os outros continua desmentindo os delatores, será que alguém seria tão maquiavélico para inventar tantas histórias com tantos detalhes, é de nos causar asco as notas de partidos, de políticos, ex-presidentes, ex-governadores, magistrados, ministros e por aí vai, a fila é enorme.

  4. A biografia de qualquer parlamentar é a mesma:
    Corrupção, desonestidade e incompetência.

    Mudam as datas de nascimento e morte, mas o resto permanece rigorosamente igual, com páginas e páginas tomadas por golpes contra o povo e erário.

    Querem maior do que este, onde o Congresso aliado ao Planalto cometem contra a população e país, corroborado por uma lista infindável de ladrões ainda livres, leves e soltos?!

    E que tal esta demonstração inequívoca e explícita de VAGABUNDAGEM (deixa assim, Newton), de lesarem o erário ao cobrar salários como se tivessem “trabalhado” o mês inteiro, com os plenários da Câmara e do Senado vazios?!

    Foi sair a lista e os vagabundos e ladrões deram no pé, tentando buscar meios de se inocentar das acusações da Lava-Jato.

    E as declarações de inocência, viram?!

    Cinismo e hipocrisia em seus mais altos graus de interpretação!

    Temer, que acomodou nos ministérios um bando de ladrões do PMDB, vem falar da sua “biografia”?!

    Trata-se de outro cínico e hipócrita, corrupto e desonesto, incompetente e cúmplice de ladrões!

    O Brasil faliu ética e moralmente. A solução é a que venho pleiteando há meses:
    Fechar o Legislativo, e intervenção no Planalto, pois quero o bem para este país, e desejo vê-lo livre, sem estar sendo usado e explorado por quadrilhas no poder há três décadas!

    • Só discordo com relação à intervenção. Só existe governo enquanto há quem aceite se governado. Greve geral reivindicando novas eleições com candidatos inteiramente novos que jamais tenham concorrido a nenhum cargo político e com todos os candidatos sendo portadores do título de doutor e com bolsa de produtividade em pesquisa nível 1A do cnpq. Vamos ver o que as melhores mentes deste país podem fazer. Se cagarem tudo, o jeito é desistir.

  5. Há um erro de entendimento aí. Temer é corruptíssimo e mediocríssimo. Relatar os fatos não quer dizer que você é a favor desse ou daquele. Eu sempre fui crítico do governo Dilma e sempre fui contra o impeachment (pelo motivo em si e pela forma como foi conduzido). Também sempre fui crítico do governo FHC e contra o “fora FHC”. Sou crítico ferrenho do “governo” Temer e completamente a favor do “fora temer”, “renúncia Temer”, “Temer, pede para sair”, “se mata Temer” e do “por favor, matem o Temer”. Por diversos motivos, mas principalmente pela forma ilegítima que usurpou a presidência e por vir agindo contra o povo e contra os interesses nacionais. Alguém num comentário sugeriu renúncia coletiva, eu acho que deveria haver um suicídio coletivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *