Tertlia infantil no Supremo


Carlos Chagas

Joozinho e Juquinha eram vizinhos de carteira, na sala de aula, e viviam se implicando. Precisou a professora interferir na disputa, botando um em cada canto da classe e ameaando os dois com castigo.

Com todo o respeito, estamos assistindo no Supremo Tribunal Federal uma tertlia parecida. Coisa pequena, infantil, mas que perturba as lies de alfabetizao ministradas a todos os meninos e meninas.

O presidente da mais alta corte de justia do pas negou o recurso de Joo Paulo Cunha, determinando a priso do deputado. S que esqueceu ou no quis assinar o mandado de priso que imediatamente deveria ter encaminhado Polcia Federal.

Como Barbosa saiu de frias naquele mesmo dia, os ministros Carmem Lcia e Ricardo Leswandowski, que o substituram, deixaram de expedir o mandado de priso. Com base no regimento interno, entenderam que a iniciativa caberia ao relator do processo do mensalo, o prprio Barbosa, ainda que casos de urgncia, como esse, exigissem a ao de quem estivesse ocupando a presidncia da casa.

Claro que o presidente armou uma arapuca para os dois colegas, imaginando que um deles assinasse o mandado de priso e, assim, ficasse comprometido com a deciso. Em especial para demonstrar que o julgamento do mensalo foi uma deciso colegiada, jamais obra de um s julgador, como o acusam. Carmem Lcia e Ricardo Lewandowski, por coincidncia, haviam votado em favor de Joo Paulo Cunha numa das acusaes a que respondeu.

Os dois substitutos no quiseram comprometer-se. Quem gerou Mateus que o embale.

Joaquim Barbosa no gostou de ver desmontada sua armadilha e estrilou, mesmo de frias em Paris. Sem fulanizar a queixa, disse que seus colegas no cumpriram suas obrigaes. Acrescentou que se fosse substituto, como os dois, no teria hesitado em assinar o mandado de priso. Explicou no ter assinado porque j estava voando para o exterior. A assinatura no seria um ato pessoal, e quem estivesse de planto poderia t-lo praticado. Para ele, est havendo uma tremenda personalizao de decises que so coletivas, mas esto procurando transform-las em decises do Joaquim Barbosa.

O resultado que Joo Paulo Cunha goza de mais um ms de liberdade. At deixou Braslia para permanecer em So Paulo. Ser preso quando o presidente do Supremo reassumir suas funes, em fevereiro.

Assistimos mais um captulo da novela encenada por Joozinho e Juquinha, porque Carmem Lcia pode ter entrado na briga como Pilatos no Credo. Na verdade, o choque entre Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski, que durante todo o processo do mensalo andaram s turras, agredindo-se. Como no h uma professora para apart-los, voltam-se as atenes para o ms de novembro, quando expira o mandato de Barbosa e Lawandowski assume o lugar. At l sero julgados os embargos infringentes de alguns mensaleiros ainda soltos, imaginando-se que faro companhia a Joo Paulo Cunha, depois que for assinado seu mandado de priso.

Indaga-se da possibilidade de Joaquim Barbosa requerer aposentadoria, para no ver invertida a relao prevalente at agora. H quem suponha que a partir de novembro os mensaleiros entraro, em peso, com pedidos de reviso de seus processos, j ento sob nova direo na presidncia do Supremo.

2 thoughts on “Tertlia infantil no Supremo

  1. Infelizmente sem Joaquim Barbosa na presidncia do Supremo a “vaca vai para o brejo”, como se dizia antigamente.
    E a Terra da Jabuticaba continuar sendo o osis dos corruptos. Porque roubar milhes, por aqui, no crime.

  2. Sr jornalista e senhores leitores desse blog, me desculpem, mas este pas virou um verdadeiro cabar.

    Me desculpe os mesmos….

    Vejo aqui comentrios tentando explicar politicamente, sociologicamente, “futebolisticamente”, etc., mas infelizmente no tem mais jeito, a vaca no vai, j foi pro brejo h muito tempo.

    As futuras geraes esto literalmente ferradas, para no dizer algo mais pesado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.