Toda eleição é a mesma coisa: o dólar sobe e a Bolsa de Valores despenca

Resultado de imagem para dolar e real chargesAltamiro Silva Junior e Bárbara Nascimento
Estadão

As incertezas eleitorais colocaram os investidores na defensiva nesta quinta-feira, 13. Com isso, o dólar voltou a subir e a Bolsa a cair.  O dólar à vista fechou o dia em R$ 4,1998 – alta de 1,17% –, em meio a preocupações com o cenário eleitoral e a situação na Argentina, de acordo com operadores de câmbio.

A moeda americana, assim, alcançou a maior cotação de fechamento desde a criação do Plano Real. Antes disso, o maior valor nominal havia sido atingido em 21 de janeiro de 2016, quando o dólar terminou o dia vendido a R$ 4,1720. Ainda assim, em termos reais, o dólar está longe do patamar de 2002, quando chegou a ser negociado na casa dos R$ 7, valor corrigido pela inflação brasileira e americana do período.

BRASIL E ARGENTINA – O dólar continua disparando no país vizinho e é negociado perto dos 40 pesos, em alta de 3,67%. O peso e o real estão entre as únicas moedas descoladas do comportamento de emergentes hoje ante a moeda norte-americana, que recua entre vários destes mercados.

No cenário político, os profissionais destacam que o clima é de cautela, com os investidores aguardando a nova pesquisa do Datafolha, que sai nesta sexta-feira, e monitorando os rumos da campanha de Jair Bolsonaro (PSL). O mercado segue monitorando o quadro médico do candidato do PSL à Presidência, Jair Messias Bolsonaro, líder na corrida para o Planalto.

O Ibovespa, que chegou a tocar o cenário positivo no início da tarde, consolidou queda e fechou o dia com queda de 0,63%, a 74.653 pontos. Fibria e Suzano, que chegaram a cair quase 2% hoje, reduziram o ritmo de recuo após notícia de que acionistas da empresa aprovaram em assembleia a operação de incorporação da Fibria pela Suzano.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
É sempre a mesma coisa. O editor está cansado de saber que, em toda eleição, o dólar sempre dispara e a Bolsa cai, sem nenhum motivo, movidos pelos espertinhos de sempre. Mesmo assim, o editor da Tribuna bobeia e esquece de comprar dólares antes do período eleitoral, para ganhar dinheiro dos otários de sempre. Em matéria de finanças, o editor é um tremendo otário. (C.N.)

6 thoughts on “Toda eleição é a mesma coisa: o dólar sobe e a Bolsa de Valores despenca

  1. Caro Jornalista,

    -Coincidiram com as nossas eleições, além da especulação tradicional, a taxação do Trump à Turquia, à Rússia e à China e as suas “guerras comerciais”, o crescimento da economia americana e o aumento dos juros nos Estados Unidos. E ainda por fora, a quebra da economia argentina, nossa irmã importadora.

  2. Quero lembrar ao editor que o todo poderoso ministro da Ditadura, Delfim Neto já falava do lobo das quintas-feiras, isto no tempo em a Bolsa fica no Rio. Dizia então o todo poderoso, o lobo vendia na quinta e derrubava o mercado, aí, na sexta recomprava o que vendeu com pagando menos. Com a diferença passava um ótimo fim de semana. Isto era coisa de 30 anos atrás e continua valendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *