Todo escândalo de corrupção sempre é denunciado por alguém que se sentiu prejudicado na negociata

Jair Bolsonaro

Bolsonaro cometeu prevaricação e não tem mais saída

Carlos Alberto Sardenberg
O Globo

Vamos colocar a história na devida ordem: o presidente Bolsonaro confessa implicitamente que prevaricou. Eis a sequência recente: o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, leu nota oficial na CPI da Covid afirmando que Bolsonaro pediu ao então ministro Pazuello que investigasse a denúncia de corrupção na compra da vacina Covaxin. Ora, se pediu para investigar, está claro que o presidente recebeu a denúncia do deputado Luis Miranda.

Seguindo: essa versão, a terceira, furada, só foi apresentada em junho, três meses depois do encontro com o deputado, em 20 de março. E só apareceu porque o deputado revelou o fato, dizendo-se cansado de esperar por providências.

SEM APURAÇÃO – Mais: não tem nenhum documento mostrando que houve de fato a investigação, nem que a Polícia Federal foi acionada no momento do recebimento da denúncia.

Pior, o presidente não desmentiu que, ao receber a informação do deputado, comentou: “isso é ‘rolo’ do Ricardo Barros” (líder do governo na Câmara). Essa frase revela que Bolsonaro sabe que seu líder é “roleiro” e, ainda assim, o mantém no posto.

Detalhe nada desprezível: a empresa que intermediou a compra da Covaxin é notoriamente ligada ao deputado Ricardo Barros, que mantém influência no Ministério da Saúde, comandado por ele no governo Temer. E os documentos: o contrato de compra da Covaxin, o empenho da verba para pagamento e as três notas fiscais para antecipar o pagamento. Tudo isso com pressões diversas sobre a estrutura do ministério para que o negócio saísse logo.

QUE FALTA MAIS? – Ah! Sim, o telefonema de Bolsonaro para o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, pedindo agilidade na liberação da vacina.

Tudo considerado, trata-se de uma confissão implícita do presidente Bolsonaro e de um monte de gente no entorno. A começar daqueles que disseram ter investigado, o general Pazuello e o coronel Elcio Franco, sem ter um mísero pedaço de papel para mostrar.

A isso tudo acrescenta-se a tremenda incapacidade do governo, provada por essa ridícula negociação com um cabo da PM de Alfenas (MG) para a compra de 400 milhões de doses da AstraZeneca.

Vamos reparar, pessoal: isso daria para vacinar toda a população brasileira! E sai do nada, de uma empresinha americana, representada por um desconhecido PM? O cara chegou a ser recebido pelo então secretário executivo da Saúde, o coronel Elcio.

SUBMUNDO DE NEGOCIATAS – Seria engraçado — e é engraçado — não fosse o fato grave de revelar um submundo de negociatas de medicamentos e equipamentos. Um mercado paralelo, informal — onde as pessoas se conhecem só pelos primeiros nomes, não sabem de onde vêm, currículos, nada e, ainda assim, têm acesso a altas autoridades do governo.

Negacionista, o presidente não queria comprar vacinas. Atrasou conversas com executivos formais da Pfizer, recusou a CoronaVac, desconfiou da AstraZeneca. E se tratava de medicamentos testados e aprovados em diversos países, negociados por executivos de farmacêuticas e institutos responsáveis e oficiais.

O então ministro Pazuello seguiu essas orientações negacionistas. E quando foi para comprar vacinas, aparecem esses picaretas e “roleiros”?

E O RESULTADO? – Assim se foi do negacionismo para as negociatas. O preço? Centenas de milhares de vidas que poderiam ter sido salvas se as pessoas tivessem sido vacinadas a tempo.

Não é só má administração, picaretagem, corrupção. É um conjunto de práticas assassinas. A CPI da Covid avançou por terrenos inesperados. Sempre acontece. Sim, tem muitos picaretas também fazendo denúncias — mas o que queriam? Que as denúncias de roubalheira saíssem de quem está por fora?

Todos os grandes escândalos de corrupção têm isto em comum: começam com alguém que se sentiu prejudicado na negociata. Assim como a situação de Bolsonaro se complica à medida que seus aliados de ocasião se sentem prejudicados.

8 thoughts on “Todo escândalo de corrupção sempre é denunciado por alguém que se sentiu prejudicado na negociata

  1. “É um conjunto de práticas assassinas” … Sardenberg deve ter rabiscado essas linhas, depois de uma reunião dos “imortais”, cheio “de goró”.

    Na Índia, uma associação de advogados está processando uma cientista da OMS, que criticou e deaconselhou a adoção da Ivermectina no tratamento inicial da Peste Chinesa. Se essa moda chegar por aqui, e vai chegar, não apenas os “especialistas”, mas todos os jornalistas charlatões da Globo serão processados. O Dr Paulo Zanotto, da USP, estima que, se o tratamento precoce não tivesse sido demonizado pelos mérdias, a serviço das big-pharmas, mais ou menos 30% de vidas teriam sido salvas no Brasil (cerca de 200.000 vidas). Prática assassina é isso aí, jornalista Sardenberg, o resto são os berros dos desmamados como você.

    E, antes que eu me esqueça, qual o valor do prejuízo para os cofres públicos na compra das vacinas?

  2. Deixo apenas duas perguntas para o Turíbio responder, se ele quiser, evidentemente:

    Por que os outros países que também possuem uma alta taxa de mortalidade de seus cidadãos, Índia, México, Rússia, Peru, Reino Unido, Itália, a Argentina, que está chegando em 100 mil mortos, seus setores de saúde pública não adotaram o tal tratamento precoce?!

    Quer dizer que imunizar o povo contra o Covid é prejuízo para o país?

  3. É preciso levar em conta um aspect importa-te mas que independe da vontade cognitiva do presidente: a sua incapacidade intelectual e sua dificuldade flagrante de tratar com o que é complexo. O que eu quero dizer é que ele não é de todo inútil. Tenho certeza de que ele seria um bom guarda-costas, um bom porteiro de condomínio e muitas outras ocupações condizentes com o de seu intelecto.

  4. Um senador suspeito de envolvimento em pedofilia e em corrupção das grossas dando voz de prisão por achar que alguém mentiu.

    É a pá de cal sobre a CPI da cloroquina, que virou CPI do gabinete paralelo, que virou CPI do atraso na compra da vacina, que virou CPI da compra vapt-vupt da vacina e, agora, a cpi que prende abitrariamente os depoentes.
    A lei de abuso de autoridade, feita para enquadrar a equipe da lava-jato, também vale pra prender esses crápulas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *