Todo militar é meio comunista, embora nem perceba essa curiosa peculiaridade

Charge do Iotti, reproduzida da Zero Hora

Carlos Newton

O momento político-institucional vivido pelo Brasil é curioso, contraditório e paradoxal. Na internet pode-se ter a percepção do grande número de brasileiros que hoje defendem a denominada “intervenção militar constitucional”, divididos em dois grupos bem distintos: 1) Como se o país fosse um ônibus superlotado, há os que apoiam um freio de arrumação, para possibilitar a moralização dos costumes políticos, administrativos e econômicos, e numa segunda etapa serem realizadas eleições diretas para escolha de um novo governo com um mínimo de decência; 2) E há também os que simplesmente querem os militares de novo no poder, jogaram a toalha por entender que os civis não têm mesmo condições de comandar o país.

E os militares, o que dizem? Bem, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, só se manifestou a respeito uma vez, no início de dezembro, em entrevista à excelente jornalista Eliane Cantanhêde, do Estado de S. Paulo, em que classificou de “tresloucados” e “malucos” os que defendem a volta dos militares.

CHANCE ZERO – Nessa entrevista, ao revelar que batem à sua porta cobrando intervenção no caos político, o comandante do Exército disse que há “chance zero” de intervenção das Forças Armadas. “Esses tresloucados, esses malucos vêm procurar a gente aqui e perguntam: Até quando as Forças Armadas vão deixar o País afundando? Cadê a responsabilidade das Forças Armadas?”, afirmou, acrescentando: “Eu respondo com o artigo 142 da Constituição. Está tudo ali. Ponto”.

Pelo artigo 142, “as Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.”

LEMBRANDO 1964 – Em tradução simultânea, os militares não querem repetir 1964. “Nós aprendemos a lição. Estamos escaldados”, disse o comandante do Exército à jornalista Eliane Cantanhêde. Mas sempre há controvérsias.

Os militares não estão nada satisfeitos com os problemas políticos, econômicos e sociais. Não se conformam também com o fato de haver Polícias Militares estaduais que pagam remunerações superiores às Forças Armadas. Além disso, estão preocupados com a reforma da Previdência. Pressionado pelos comandantes militares, o presidente Temer cuidou logo de reajustar os soldos e de garantir aposentadoria plena para os militares. Mas quem vai decidir é o Congresso, ninguém sabe o dia de amanhã. Mesmo assim, os militares realmente não pretendem intervir.

ANTICOMUNISTAS – O mais curioso nesta situação é que os defensores da intervenção militar são anticomunistas ferrenhos, que chegam a classificar como simpatizantes do marxismo alguns políticos enganadores tipo Lula e FHC, um absurdo total. Não percebem que, no Brasil de hoje, a categoria mais próxima do socialismo é justamente a classe militar, que defende a meritocracia, a moralidade, as oportunidades iguais, a justiça social, a valorização do trabalho, o amparo aos carentes e os demais princípios que regem justamente… o marxismo proposto por Marx e Engels.

Portanto, ver anticomunistas a defender intervenção das Forças Armadas é uma ironia do destino. Os militares brasileiros, em sua quase totalidade, são pessoas simples, profissionais corretos e defensores dos interesses da pátria e do povo. No dia a dia dos quartéis, sem perceber, eles praticam o verdadeiro comunismo, embora até se julguem defensores do capitalismo, vejam como no Brasil a realidade é muito mais criativa do que a ficção.  Recomenda-se que todos reflitam sobre isso. Afinal, que país realmente é esse?

22 thoughts on “Todo militar é meio comunista, embora nem perceba essa curiosa peculiaridade

  1. O Brasil não pode ser chamado de país faz tempo.

    Há um divórcio nítido entre Estado, Nação, Pátria e País bem definido.

    Apreciei a divisão dos que almejam a intervenção federal “constitucional” neste artigo do mediador.

    A maioria dos que pedem pela ajuda dos militares desejam o retorno à ordem e ao progresso, consequentemente.
    Após a limpeza necessária, o retorno imediato de eleições e também estas reformadas, principalmente sobre a proibição da reeleição em todos os níveis, e para senadores o mandato igual aos seus pares, quatro anos.

    • Alenitnes, correto, para salvar o Brasil, só a intervenção militar, nossa Soberania como Nação, foi jogada no lixo, temos uma Constituição, verdadeira colcha de retalhos, emendas da corja, de auto proteção, portanto com os 3 poderes podres, intervenção curta, chamada, de eleição, nova Constituição, creio ser o caminho, do Brasil voltar a ser decente e justo, como dizia Rui Barbosa: tenho Vergonha de Mim em ser honesto, que Deus nos ajude a sair dessa podridão, pacificamente! Brasília Sede das quadrilhas hediondas.

  2. Concordo com a opinião do leitor Leônidas. O que acontece no Brasil nada tem a ver com posições ideológicas. Trata-se de combater a corrupção desenfreada, praticada pela organização criminosa que se mantém no poder.
    De passagem, retruco o competente jornalista Carlos Newton. Todas as virtudes que ele atribui ao comunismo, na verdade são dogmas do capitalismo. Então, o articulista é, na verdade um capitalista puro, que seria o mais elevado patamar da vida dos humanos na terra. O socialismo, como comprova a história, destrói a liberdade e a felicidade da grande maioria dos cidadãos, enquanto a nomenclatura (elite divina que se concede todos os privilégios, garantidos por uma força descomunal de obedientes soldados armados), segue a vida se regozijando de defecar na cara dos infelizes demais componentes da nação.

  3. Newton, muitos militares da reserva pensam como guarda pretoriana. Não têm um mínimo de conhecimento de nossa História. Muitos acham que intervir para derrubar um governo no momento atual seria fácil. Primeiro, se esbarra na Constituição. Segundo, o povo não vai aceitar (a maioria esmagadora do povo não aceita). Terceiro, isso só beneficiaria os países hegemônicos, liderados pelos Estados Unidos, que querem ver o Brasil um dia dividido em países independentes (dividir para dominar). Sem esquecermos que a Internet pelas redes sociais difundiu a cultura do ódio. O brasileiro hoje tem ódio de tudo. Muitos pensam que Lula é comunista, radical etc. Não é nada disso. É cria dos militares. Sempre foi protegido pelo general Golbery do Coutto e Silva e tinha a simpatia de Ernesto Geisel. Até curso sindical ele fez nos EUA. Você, como profissional, sabe muito bem o que digo. Todas as greves lideradas por Lula no ABC em 1978/79/80 eram combinadas com Golbery. Lula tinha até telefone do comandante do 2° Exército no bolso. Os militares da reserva, que ficam “urrando”, são saudosistas e burros, não conhecem nossa História. Desconhecem que maus militares se acumpliciaram com americanos para golpear o governo legitimamente eleito de João Goulart em 1964. Esquecem também que na reserva continuam sujeitos ao Regulamento Disciplinar das Forças Armadas e podem ser presos.

    • Caro Antônio Santos Aquino,
      Permita-me assinar embaixo. Seu comentário faz uma análise perfeita de quem é o Lula e o golpe de 64.
      Golpe nos países da América Latina, foram efetuados com a autorização e apoio dos EUA. todos aqueles golpes tinham o dedo da CIA… .

  4. Prezado Carlos Newton,
    … tenho que concordar com o que disse Gedeão Barros (5º a comentar) em relação a seu posicionamento em ver grandes virtudes no Socialismo / Comunismo, a ponto de considerar os militares mais para comunistas.
    Sugiro que veja no You Tube a excelente palestra de Sílvio Medeiros, proferida na PUC São Paulo, cujo link vai adiante. Sei que é culto e, a essa altura da vida, já com posições ideológicas bem consolidadas. Respeito. Penso também que é inteligente e aberto ao diálogo e a ouvir e acatar o contraditório em todos os campos do pensamento. Assim, ouso recomendar também que veja no You Tube excelentes palestras sobre Marxismo Cultural. Gostei muito das palestras sobre esse tema, proferidas pelo Pe. Paulo Ricardo de Menezes.
    Obrigado e um abraço.
    Milton
    O COMUNISTA GRAMSCIANO SAUL ALINSKY , MESTRE DE BARACK OBAMA E HILLARY CLINTON

    https://www.youtube.com/watch?v=BHLvqj4wBU8&feature=youtu.be

    O COMUNISTA GRAMSCIANO SAUL ALINSKY , MESTRE DE BARACK …
    http://www.youtube.com
    Palestra realizada na PUC-SP por Silvio Medeiros, promovido pelo grupo de Formação Política sobre Saul Alinsky, fiel discípulo de Gramsci e mentor …

  5. A guerra fria já era! Há muito tempo! Em 1989, o muro foi derrubado, ora. Hoje a discussão tem que ser levada a outros parâmetros. A verdade é que o neo liberalismo só fez aumentar as desigualdades e não se tem uma fórmula para diminuí-las, pois só aumentaram. Por isso, aparecem os pretensos “salvadores” em todos os cantos do planeta. Consenso é a palavra de ordem! A ONU tem que ser reformulada, pra começo das mudanças.

  6. Faz-se mister complementar informações reiteradamente mencionadas na TI, que a Cia foi a maior responsável pela queda de Jango ou que militares traidores a obedeceram neste particular.

    Não, não pode ser assim tão simplória esta explicação para o sucesso da queda de Jango, e sem que houvesse uma guerra fratricida nacional, graças ao estadista João Goulart, que não quis fazer uso dos Exércitos que o apoiavam, dentre eles o III, o maior, que compreende os Estados do Sul.

    O célebre historiador Voltaire Schilling, assim se manifesta sobre esta particularidade, do envolvimento da CIA:

    “Os derrotados, por seu lado, para desqualificar os adversários vitoriosos, nunca deixaram de tratar os eventos de março de 1964 como um golpe militar patrocinado pelos norte-americanos, colocando-o entre os tantos outros que infelicitaram a história da América Latina.

    Típica posição tomada pelo autor do livro O golpe começou em Washington , do jornalista Edmar Morel (Editora Civilização Brasileira, RJ, 1965).”

    Mas afinal “1964” foi uma revolução ou uma contrarrevolução?

    “De certo modo, ambos estão certos e ambos estão equivocados.

    Na concepção clássica, a palavra revolução é entendida como um movimento político radical e violento que remove à força, em geral por meio de uma guerra civil sangrenta, as classes dirigentes tradicionais, arrancando-as do governo e substituindo-as por uma outra força, composta pela nova geração emergente. Isso ocorreu na Revolução Americana de 1776 e durante a Revolução Francesa de 1789, ocasião em que a monarquia absolutista foi derrubada e a velha nobreza europeia viu seus privilégios ruírem.”

    Continua o historiador:

    “Evidentemente que o movimento político-militar de 1964 não promoveu nada disso. Em nenhum momento ele deixou de ser amparado pelas classes dominantes brasileiras (os empresários, os latifundiários e fazendeiros, e as grandes corporações estrangeiras) e mesmo pela Igreja Católica (pelo menos até 1968).

    O que fez de imediato foi afastar o núcleo dirigente que cercava então o presidente João Goulart e, posteriormente, estendeu o seu raio punitivo, com o recurso às cassações e outros instrumentos repressivos, a outros setores da sociedade brasileira (líderes sindicais e partidários, jornalistas, intelectuais, artistas, acadêmicos, estudantes etc).

    Mas, passados os anos, observa-se que praticamente os mesmos grupos econômicos, sociais e midiáticos continuam no comando da sociedade brasileira, não ocorrendo pois uma substituição da camada dirigente.

    Talvez cabe aceitar-se a palavra “revolução” num sentido mais restrito, naquele que comumente é aplicado às eventuais rebeliões militares na América Latina, os conhecidos “pronunciamientos”.

    Tal reducionismo, todavia, é incorreto, porque 1964 não foi somente um outro golpe militar como tantos outros.”

    Eu, agora:

    Houve participação da CIA?

    Houve, claro, mas não a ponto de ser decisiva à deposição de Jango da Presidência da República, haja vista as várias frentes que se formaram à derrubada do gaúcho em 64, e cujo epílogo seria o mesmo com ou sem o apoio dos americanos.

  7. Com todo respeito que tenho ao autor do artigo e administrador deste espaço democrático, penso que os argumentos utilizados para defender a tese indicada no título não se sustentam.
    Defender a meritocracia é ser comunista? Penso que é justamente o contrário. No comunismo, os únicos méritos são: ser amigo do chefe e “lutar pela causa”. Subir na vida por méritos, por resultados obtidos, por desafios alcançados é a base do desenvolvimento e do próprio capitalismo.
    Defender a moralidade é ser comunista? Moralidade não tem nada a ver com o “politicamente correto”, defendido pelos esquerdopatas. Moralidade são valores morais universais, hoje defendidos pelos conservadores, que nada têm de comunistas.
    Defender oportunidades iguais também não significa ser comunista. Nivelar todos por baixo (exceto os dirigentes do Partido) é o que faz o comunismo real. Oportunidades iguais significa que a todos deve ser dada a oportunidade de crescer (ainda que alguns não façam questão). Isso significa liberdade individual, que não é reconhecida no comunismo.
    Quanto à justiça social e o amparo aos carentes, penso fazer parte de uma série de valores defendida por todos os governos democratas (Suécia, Finlândia, Dinamarca…), que nada tem de comunista.
    A valorização do trabalho está diretamente ligada à meritocracia, e penso que só o capitalismo faz isso.
    Se os militares são meio comunistas ou não, eu não sei (acho que não), mas os argumentos utilizados neste artigo, com a máxima vênia, não se sustentam.

  8. Yulo, você prova que é daqueles brasileiros que têm complexo de vira-latas; Faz comparação com Suécia, Dinamarca e Filândia. Uma pergunta ingênua: Qual o tamanho do território desses países?Qual sua população? Quantos anos de existência têm? Compará-los sob qualquer ângulo com o Brasil é ter do mundo uma visão estrábica.

    • Antonio, sugiro reler, com calma, o que escrevi. Se o fizer, verá que não fiz qualquer comparação com o Brasil. O texto refere-se unicamente aos argumentos citados pelo autor, que eu contesto, e vale para qualquer outro País, pois refiro-me a valores.
      Nesta linha, citei países não comunistas, para mostrar que justiça social e amparo aos carentes é defendido até mesmo pelos mais “ricos”.

  9. Este ainda não é um país, mas, isto sim, por ora, ainda, um acampamento luso-tupiniquim estabelecido pelos espoliadores originais e seus sucessores com a intenção única de saquear tudo e todos, e assim permanece improvisado há 517 anos. Mas ainda haveremos de transformá-lo numa nação de verdade, como nos propõe a RPL-PNBC-DD-ME. Errar é humano mas continuar repetindo os mesmos erros durante 127 anos não é nem burrice, mas, isto sim, demência. Chega dos me$mo$. QUE VENHAM FHC, DÓRIA, BOLSOSSAURO, LULA, CIRO, AÉCIO, MARINA, SERRA, ALCKMIN…, ENFIM QUE VENHAM EM TODAS AS SUAS VERSÕE$, 171,TODO$ OS REPRESENTANTE$ DO VELHO CONTINUÍSMO DA MESMICE, do $istema político podre, do partidarismo-eleitoral e do golpismo-dtatorial, velhaco$, o pau de maçaranduba da RPL-PNBC-DD-ME, a Terceira Via de verdade, o contraponto verdadeiro contra todos você$ está pronto, esperando-o$ com ansiedade em 2018, para fezê-lo$ pagar por todos os seus pecado$ e mistificaçõe$ de 127 anos. Está faltando apenas pelo menos um Partido de verdade, com P maiúsculo, bom de serviço, que preste para servir ao povo brasileiro e à Revolução Redentora. O fim do martírio do povo honesto e trabalhador do Brasil está próximo, você$ não perdem por esperar o tamanho da surpresa que o povo vai lhes propiciar, em 2018, à moda chega dos me$mo$, fora todo$, evoluir é preciso. http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/288989/Doria-o-nada-segue-em-campanha-para-ser-o-anti-Lula.htm

  10. Também, com todo o respeito e admiração que tenho por nosso Editor/Moderador Jornalista CARLOS NEWTON, e entendendo nós por COMUNISMO a total propriedade Estatal dos Meios de Produção ( Terra, Fábricas, Bancos e demais Serviços), me parece que a grande maioria de nossas FFAA não são meio Comunistas.

    O que sim me parece, é que nossas FFAA, baseado em seu Programa de Governo Autoritário 1964-1985, são favoráveis a um Estado Forte indutor da economia, de um Planejamento Quinquenal visando evitar as grandes flutuações de um Capitalismo puro, e da prioridade às Empresas Privadas e Estatais com Matriz no Brasil.

    Enquanto o Comunismo é TOTALITÁRIO, as FFAA Brasileiras são AUTORITÁRIOS, o que para um País de 3º Mundo, não é um mau Sistema de Desenvolvimento Industrial.

    • Desculpe, Bortolotto, lutamos pelos mesmos ideais, mas você não estaria chamando o comunismo de totalitário apenas por causa dos falsos regimes comunistas, ou pior, que se diziam comunistas, mas nem sabiam o que isso significa? Já li aqui no blog que Pol Pot era comunista… Será mesmo? Quando me refiro a comunismo/socialismo, estou tratando da utopia de Marx e Engels, que jamais defenderam nem defenderiam censura à imprensa, por exemplo. Há erros na doutrina marxista, mas a essência é muito melhor do que este capitalismo que deixa velhos e crianças ao completo abandono nas ruas. Este tipo de regime nem pode ser considerado civilização. Como dizia Lord Kenneth Clark: “Civilização? Nunca encontrei nenhuma. Mas tenho certeza de que, se encontrar, saberei reconhecê-la”.

  11. Talvez porque sou polêmico desde que me entendi como gente neste planeta, mais do que nunca vejo a necessidade de sermos realistas em aspectos cruciais de nossas vidas como esta, de agora.

    Um deles é de que os outros e o governo têm responsabilidades pelas nossas vidas e daqueles que trazemos para este mundo.

    Ledo engano!

    Compete ao governo diante das arrecadações de impostos, a saúde, educação/ensino e segurança, fundamentalmente, que não cumpre, mas é outra história.

    Depois temos a infraestrutura, tais como esgoto, água encanada, rodovias, ferrovias, pontes, elevadas, viadutos, túneis, metrô …

    E, por último, intrometer-se no mercado interno e externo, através de políticas procedentes e correspondentes a esses quesitos.

    Não há compromisso com os pobres, surpreendentemente, pois não é o Estado que os “faz”, que os gera.

    Este cuidado, de pobres não existirem, deve-se aos pais, que, irresponsavelmente, fazem sexo e o filho é consequência, e não causa.

    Desta forma, atribuindo culpa a estranhos porque meus filhos passam fome e eu não sou chamado às falas para uma vasectomia ou a mãe para a laqueadura, torna-se fácil eu acusar o mundo de intolerante, de insensível, e os ricos como causadores da minha infelicidade e dos meus filhos não terem futuro!

    Então surgiram os pensadores, que criaram mil maneiras de aplainar um pouco as diferenças sociais, todas absolutamente teóricas, e sem contarem com a inconstância do ser humano, exatamente o agente desses movimentos políticos e sociais darem certo.

    O homem não nasceu para obedecer!

    O homem traz consigo antropologicamente a liberdade, de fazer o que quer, de ser o dono da sua vida, menos submeter-se a regimes que prometem igualdade de condições para todos ou equiparação para todos no sofrimento, na dor, na frustração, nas liberdades cerceadas, justamente em nome de uma existência sem criatividade e chance de evolução!

    Marx e Engels, que tanto o Newton os admira, e com razão, não levaram em conta nos seus trabalhos o homem rebelde, insatisfeito mesmo rico ou pobre, irrequieto, em busca permanente de satisfazer seus desejos que, uma vez atendidos, vai em busca de novos desafios porque infeliz!

    Em consequência, desde que os bancos e o dinheiro foram criados, a Humanidade externamente culta as suas divindades, porém internamente o Deus verdadeiro é o vil metal!

    E as religiões e suas riquezas me dão plena razão sobre o que afirmo, pois elas são exatamente quem mais exige e obriga seus fieis a contribuírem pecuniariamente com a “obra de Cristo”!

    Portanto, Marx e Engels, desconsideraram a essência do ser humano, pois levaram em conta apenas a sua vida atrelada a trabalhos mal pagos, em minas de carvão, que encurtavam a vida do mineiro em 20 anos, seus salários aviltantes, sem qualquer assistência médica e dentária, e depois a explosão industrial, forçando o homem à quase escravidão.

    Se os seus manifestos abordam essa injustiça e exploração do homem pelo homem, os filósofos sequer imaginaram os porquês de essas pessoas miseráveis ainda terem filhos, e aumentarem o sofrimento daquele casamento!

    Não, não li em qualquer filósofo Moderno, Iluminista, Realista, Empirista, tanto os mais famosos quanto os desconhecidos, mas não menos importantes pelas obras desenvolvidas, como que o homem deveria agir se não tivesse condições de se manter, quanto mais sustentando mulher e filhos.

    Pelo contrário, as religiões incentivam o nascimento porque serão futuros fieis, e o sofrimento dos pais aplacados nas missas, nos cultos, evidentemente deixando o pobre a sua contribuição monetária à igreja!

    Não tiveram o homem e a mulher qualquer orientação de cunho prático para poderem sobreviver em um mundo onde o dinheiro era e seria sempre o legítimo amo e senhor do ser humano!

    Consequentemente, quando leio que a civilização é isto ou aquilo, que o pobre é explorado, que é menosprezado pelos ricos, e se resgatam movimentos sociais e comunistas como exemplos de que a vida para essas pessoas seria menos sofrida, caso o comunismo ou o socialismo tivessem sido implantados conforme seus idealizadores, penso com os meus botões e fico perplexo porque ainda devo pensar comigo mesmo, e os filhos?

    E esta continuidade do ser humano em se relacionar com as mulheres sexualmente porque sinônimo de vida, de o sangue pulsar nas veias, de se sentir a existência no prazer obtido com a união carnal, e cujas consequência é o filho também pobre, que será igualmente miserável, que não terá maiores chances de progredir, que, lá pelas tantas se apresentará como um pária da sociedade, quem ensinará e educará o macho e a fêmea irresponsáveis?!

    Quem introduzirá na cabeça de ambos amantes, que o filho que terão se foram descuidados na relação será um sofredor, sem casa, estudos, roupas, carro, geladeira, alimentos, TV, tênis, escola de qualidade, e terá de pedir esmolas, quando não abandonado à própria sorte?!

    E a sociedade e o governo serão acusados de negligentes, de maus, de gente sem a menor compaixão.

    O casal de criminosos estará pronto para mais uma aventura sexual ou entre eles mesmos ou com novas parceiras ou outros companheiros, sem qualquer advertência, sem qualquer reprimenda.

    A igreja não os adota, ela que incentiva os nascimentos, muito menos o Estado tem condições e pior, a sociedade, submetida a cargas tributárias impagáveis e escravizada por governos corruptos e desonestos.

    Definitivamente Marx e Engels não pensaram nas crianças, e não levaram em conta, já naquela época, que o homem seria o lobo do próprio homem no que diz respeito à sobrevivência e, o dinheiro, o objetivo final, a glória, a vitória inconteste, e para o raio que parta o comunismo, socialismo, capitalismo, politeísmo, monoteísmo, pois o negócio é grana no bolso, no banco, na Suíça, em Portugal, onde for.

    Pais abandonam mulheres e filhos pelo dinheiro;
    Religiões clamam por contribuições em dinheiro;
    Parlamentares se tornam ladrões pelo dinheiro;
    Governantes são corruptos e incompetentes pelo dinheiro;
    Vivemos correndo atrás de dinheiro para pagar as contas;
    Qualquer locomoção nossa, exige-se dinheiro;
    Atestados, certificados, comprovantes, só quem tem dinheiro/

    Infinitamente mais importante, e eu me renderia a este filósofo ou inventor ou salvador do mundo, talvez até mais importante do que Jesus Cristo, e não estou blasfemando, mas fazendo uma comparação apenas, se tivesse sido criado um sistema onde NÃO HOUVESSE DINHEIRO!

    A Humanidade seria finalmente feliz, e se poderia ter quantos filhos o casal quisesse, mas, por favor, enquanto esses movimentos que equiparam o ser humano ou os nivelam na pobreza não me apresentarem um plano de como as crianças, que nascem na miséria, terão as suas vidas diferentes de seus pais pobres e infelizes, inconsequentes e irresponsáveis, pensadores alemães, franceses, italianos, americanos, poloneses, russos, israelenses, húngaros, brasileiros, argentinos uruguaios … e suas fórmulas brilhantes de amenizarem as discrepâncias sociais tão acentuadas, seus estudos eu os ignoro, repudio, porque a população mundial cresce, na medida que aumenta a pobreza, a falta de comida, água, remédios, e, na mesma dimensão, a violência!

    Marx e Engels não imaginaram e não conseguiram prever esta tragédia humana, e cujo desenlace será fatal e apavorante, enquanto corações e mentes estiverem voltados para o deus dinheiro, e o conforto e poder que oferece ao homem bom e mau!

  12. Interessante Newton, tem gente que pensa que estamos ameaçados pelos comunistas. Que coisa ridícula. Ninguém sabe o que é comunismo. Falam falam e não dizem nada. Ficam só na teoria.Na realidade o comunismo só existiu nas sociedades primitivas. O resto é quimera.

  13. Havia uma corrente esquerdista nas Forças Armadas Brasileiras antes de 64, mas que foi abandonada, expurgada depois do golpe militar. Havia vários oficiais de esquerda, como Agildo Barata, Nelson Werneck Sodré, os Generais do Povo, Pery Bevilaqua etc. Mas toda essa tradição foi abandonada. Prevaleceu a corrente direitista mais moderada de Golbery e Geisel, o anticomunismo da Sorbonne, da ESG, que junto com a linha dura da extrema direita de Costa e Silva, expurgaram a antiga facção esquerdista das Forças Armadas. A linha que prevaleceu foi a do anticomunismo do War College do Panamá, que doutrinou vários oficiais brasileiros, desde os anos 40. Geisel fez curso lá, todos os oficiais torturadores, Bournier da Aeronáutica. Havia a suboficialidade brizolista, as lideranças da esquerda na Marinha com o Almirante Aragão, mas tudo isso foi exterminado e esmigalhado depois do golpe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *