Todos fizeram isso! Pois Fux falou a verdade.

Sandra Starling

Atualmente, na vida pública brasileira, conheço três “meninos do Rio”: o atual governador daquele Estado – que, segundo as más línguas, parece apreciar mais Paris que o próprio Rio; o ex-governador mineiro – que também por essas mesmas fontes, gosta mais do Rio que de Minas; e, agora, o seriíssimo Luiz Fux, ministro do Supremo Tribunal Federal.

Fux, o menino do Rio…

Ele nem tem ideia sobre minha pessoa, mas de há muito eu o admirava por suas ousadas interpretações do direito.

Há semanas ele escandalizou a hipócrita elite brasileira ao confessar, com detalhes, a quem pediu por sua indicação para o STF, ali incluindo o ex-ministro José Dirceu, a quem ele, com seu voto, também condenou no julgamento do mensalão do PT.

Já vivi nas altas rodas da política brasileira e sei da verdadeira peregrinação que todos os indicados a cargos no Supremo ou outras instâncias públicas costumam fazer para lograr sua indicação para tais cargos. Já vi muita gente ilustre paparicando Antonio Carlos Magalhães (que Deus o tenha!), Sarney e outros, atrás dos votinhos que os conduzem ao lugar que almejam. São “sepulcros caiados” os que fingem que não lamberam bota de ministros, presidentes, deputados e senadores. Todos que estão nesses postos fizeram isso! Pois Fux falou a verdade. Para horror dos que lá chegaram pelo mesmo caminho e agora fingem ter ido apenas por seus próprios méritos.

Depois, esse “menino do Rio”, deixando de lado a pompa e a circunstância, toca guitarra e, dizem, solta a voz para valer, na festa de comemoração da posse de outra figuraça do Supremo, Joaquim Barbosa.

###
AVACALHAÇÃO

Quando estive na Câmara dos Deputados, sofri horrores com as tratoradas de quem dirigia a Mesa ou das maiorias de toda espécie, que impõem a seu talante a vontade do momento. A começar pela votação de vetos, que existia – e a sério – quando lá cheguei e que, depois, foi sendo avacalhada, primeiramente com a adoção de cédula, que impedia toda e qualquer discussão de conteúdo; depois pela concentração aleatória de votação deles sem qualquer respeito pela ordem cronológica; até, finalmente, passarem a ser definitivamente abolidas quaisquer dessas votações, sobre qualquer matéria, a não ser que o Executivo a julgasse relevante, ou que maiorias eventuais assim o decidissem através dos tais “requerimentos de urgência”. Eu mesma talvez tenha lá, dormitando entre os 3.000 e tantos não votados, dois ou três vetos da maior importância em lei de minha autoria, versando sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental da Constituição Federal.

Escrevo estas linhas depois que ferveu a disputa entre o Congresso e a decisão do ministro Fux, que acolheu liminar exigindo que antes dos vetos aos royalties, fossem votados os precedentes 3.000. A queda de braço entre uns e outros me faz saudar Luiz Fux, que abriu com sua decisão essa trilha por onde – quem sabe? – poderá finalmente começar a fluir a democracia, o respeito às minorias e a independência entre os três Poderes no país.

Salve o “menino do Rio”, cujas doutas decisões são “calor que provoca arrepios”!…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *