Três treinadores especiais no futebol

12

Tostão
O Tempo

No meio de semana, vimos, novamente, os melhores jogadores do mundo. A presença marcante e numerosa de brasileiros na Liga dos Campeões da Europa confirma que continuamos a produzir um grande número de bons e excelentes atletas. Porém, são pouquíssimos os protagonistas nos grandes times, e menos ainda os que fazem parte das listas anuais dos 20 melhores do mundo. Isso é decisivo em um Mundial. Não podemos perder as referências. No Palmeiras, Valdívia é um craque. Na seleção chilena, é reserva.

Real Madrid e Bayern são os mais fortes. O Bayern tem jogado sem Schweinsteiger, Ribéry e Thiago Alcântara, além da saída de Kroos. Por outro lado, Xabi Alonso não precisou de tempo para se adaptar. O Real perdeu com a troca de Di María por James Rodríguez. O excepcional Kroos tem atuado mais atrás, fora de posição, na função que era de Xabi Alonso.

O Barcelona não tinha sofrido um único gol, em seis jogos pelo Espanhol, e isso era muito valorizado. Contra o Paris Saint-Germain, um adversário mais forte, levou três. Se Ibrahimovic tivesse jogado, levaria mais. A defesa, mesmo nos seis jogos anteriores, já mostrava enormes deficiências. É um exemplo da fragilidade de algumas estatísticas, com pequenas amostragens e sem levar em conta inúmeros outros fatores. Não podemos também criar conceitos, por poucos jogos, que serão rapidamente desmentidos.

O goleiro alemão Stegen e o zagueiro francês Mathieu, contratados pelo Barcelona, titulares, são inferiores a Valdéz e Piqué. O baixinho Mascherano continua na zaga, ao lado de dois laterais baixinhos, Daniel Alves e Alba. Dois gols do PSG foram pelo alto. Daniel Alves está cada dia mais lento, para defender e atacar. Em compensação, a equipe possui Messi, Neymar e, brevemente, terá Suárez. Messi disse que, um dia, Neymar será o melhor do mundo. Também acho.

Dos times ingleses, o Chelsea, reforçado por Diego Costa e Fábregas, é o que tem mais chance de ser campeão. Guardiola é o treinador que mais me fascina, por ser inquieto, criativo, inovador. Às vezes, exagera nas experimentações. Já o excelente Mourinho é obcecado pelo resultado. Guardiola gosta mais de futebol, e Mourinho, de ganhar. Já Ancelotti, por sua carreira e por possuir as melhores virtudes de Guardiola e de Mourinho, sem ter suas deficiências, é ainda melhor que os dois. No ano passado, Ancelotti foi decisivo ao mudar o esquema tático contra o Bayern e explorar as costas dos zagueiros adiantados.

PUNIÇÃO AO RACISMO

Sou contra punir Cruzeiro, Atlético ou qualquer outro clube por causa de violência e atos racistas de torcedores. Já fui a favor. Não tem sentido. É impossível o clube evitar isso, a não ser quando fica provada ajuda material ou de outra forma a esses marginais. O Cruzeiro não reconhece as torcidas organizadas. Todos os clubes deveriam, em conjunto, ter o mesmo comportamento.

O STJD voltou atrás e puniu o América com seis pontos, em vez de 21. Foi uma decisão de bom senso. Como o clube ficou abalado, desanimado, com os 21 pontos iniciais, perdeu o embalo no campeonato. Na prática, os seis pontos representam muito mais. A rica CBF deveria, antes de todos os jogos, avisar os clubes sobre os jogadores sem condições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *