TV Globo empata com a soma da audiência de todas as outras

Pedro do Coutto

Há poucos dias publiquei um artigo neste site, a propósito da luta pelos direitos de transmissão do futebol, dizendo que os clubes não podem prescindir da Rede Globo, da mesma forma que a Vênus Platinada (como era chamada a estrela Jean Harlow no cinema) não pode se afastar das agremiações e do esporte. Trata-se de uma convergência lógica, acentuei.

Houve uma torrente de manifestações de leitores, em sua maioria condenando minha interpretação. Alguns contestaram dizendo que eu possuia interesse ou perspectiva na questão. Nada disso. Não tenho interesse  algum e, na minha opinião, os jornalistas não devem possuir qualquer engajamento, pois neste caso transformam-se em parte e se afastam da isenção indispensável.

Pois bem.  Na ocasião levantei uma realidade indiscutível, a audiência da emissora, aliás da rede enorme de emissoras de propriedade da Organização Roberto Marinho ou a ele coligadas. Ninguém contestou este fato. Nem poderia. Agora mesmo minha afirmação é comprovada pela repórter Keila Jimenez, Folha de São Paulo, edição do dia 2, Caderno Ilustrada. Ela divulga (e comenta) pesquisa dp IBOPE a respeito de audiência de televisão registrada no mês de fevereiro. O Instituto considerou o período das 7 às 24 horas, restringindo-se às tevês abertas, o que, portanto, exclui a transmissão dos canais por assinatura, entre os quais incluem-se a Globo News e a Sportv. Levou em conta a audiência média.

A da Globo alcançou 16 pontos, correspondendo a 9 milhões e 500 mil domicílios. Em segundo lugar a Record com 7,2%; seguida do SBT (5,6), da Band (2,5) e da Rede TV (1,4%). Todas estas, somadas, dão 16,7%. A luta em torno dos direitos de transmissão desenrola-se entre a Globo e a Record. A audiência média da Globo é mais que o dobro da audiência da Record. Sendo que a novela da Globo, Insensato Coração, está atingindo 32 pontos. O Jornal Nacional 31. A novela Ti-Ti-Ti, uma sátira aos estilistas e costureiros, chega a 28. São os piques de agora. Ás vezes são mais altos. Os capítulos finais de Passione chegaram a 48%.

Entre duas novelas, o JN ocupa posição estratégica na grade. A Record tem seus melhores índices entre 12 e 14%, em sua novela, e no Domingo Espetacular comandado pelo meu amigo Paulo Henrique Amorim. Os números falam por si. Não quero dizer que o desempenho da Record, segunda rede do país, não seja bom. É muito bom. Mas o da Globo é muito mais alto.

Dentro desse contexto, eu que leio os três maiores jornais brasileiros todos os dias, encontro em O Estado de São Paulo, também a 2 de março, Caderno de Esportes, matéria de Leandro Colon revelando que, depois da intervenção do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a corrente que estava com a Globo e o que restou do Clube dos Treze decidiram retirar da licitação, marcada para o próximo dia 11, a cláusula que estipulava que a Vênus Platinada só perderia para a rede do bispo Macedo se a sua proposta fosse inferior à da Record em mais de 10%. Agora vai ser tudo igual. O que está certo.

E, aparentemente, é indicativo de que a Globo perderá a exclusividade, dividindo os direitos de transmissão com a Record. O que, acredito, terminará assegurando a liderança à Globo em função da qualidade da imagem, sem falar no peso da presença de Galvão Bueno e dos comentários de Júnior, Falcão, Caio, e de antigos juízes como Arnaldo Cesar Coelho, Roberto Wright e Flávio Marsiglia.

Quem será o principal narrador da Record? E quem serão os comentaristas? Vamos esperar para ver. Hoje, a Globo abre espaço para a Band no futebol. Nem por isso sua liderança foi abalada. Será abalada em caso de empate com a Record na concorrência?   Não creio.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *