Um ano é prazo razoável para duração de processo judicial?

Jorge Folena

O Presidente da Comissão de Reforma do Código de Processo Civil, que tramita no Senado Federal, manifestou que o prazo razoável para conclusão do processo judicial seria de um ano (Consultor Jurídico, 11/08/2010). Será isto possível, sem violar as cláusulas pétreas do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa?

Não há dúvida de que um dos grandes impasses do Judiciário brasileiro reside na longa duração dos processos judiciais, o que, na verdade, se constitui num “assassinato à Justiça”.

É comum ao cidadão o conhecimento de processos judiciais que duram 10, 20 e até  mais de 30 anos. Diante desta situação, prejudicial para todos, as pessoas deixam de postular seus direitos, considerando a morosidade da justiça. Os advogados são prejudicados, uma vez que possíveis clientes desistem de contratá-los, tendo em vista a demora da prestação jurisdicional, com a parte aceitando muitas vezes um acordo por valor inferior, haja vista o tempo de resposta para a satisfação do seu direito.

Descumprimento da Constituição

Não resta dúvida de que a lentidão do Judiciário conduz à ausência de justiça. Essa apatia não deveria mais existir diante da Emenda Constitucional nº 45/2004, que estabeleceu que os processos devem ter “razoável duração” e “celeridade em sua tramitação” (art. 5º., LXXVIII, da Constituição).  Determinou também que “não será promovido o juiz que, injustificadamente, retiver autos em seu poder além do prazo legal” (art. 93, II, “e”).

O atual Código de Processo Civil prevê que o juiz proferirá despachos de expediente em 2 dias e decisões e sentenças em 10 dias (artigos 189, 281 e 456). Na prática, isto não é observado. Os juízes dizem que há acúmulo de trabalho e, assim, justificam o não cumprimento da lei e da Constituição. Entretanto, há muitos magistrados que são professores. Será que estes cumprem os prazos determinados na lei?

O advogado que não observa os prazos processuais e causa prejuízos aos seus clientes é passível de punição disciplinar e reparatória de dano. E os magistrados que não cumprem a lei, em qualquer instância, também deveriam ser punidos, não apenas respondendo por perdas e danos, conforme prevê o artigo 133 do Código de Processo Civil, mas com o afastamento do cargo, na medida em que é dever da instituição exigir eficiência, princípio constitucional que também deve ser observado pelo Judiciário (art. 37, caput).

Com a decantada “Reforma do Judiciário”, esperava-se que a Justiça fosse funcionar de forma ininterrupta (art. 93, XII da Constituição), sem recessos natalinos que duram mais de duas semanas. Acreditava-se ainda que os juízes passariam a ter 30 dias de férias como os demais trabalhadores, ao invés de 60 dias, e que, pelo acúmulo de trabalho existente e a necessidade de se promover a celeridade para a conclusão dos processos, como determina a Constituição, os magistrados passariam a se dedicar exclusivamente às suas atividades, deixando de lado a possibilidade de acumularem a carreira de magistério, que estão autorizados a exercer (art. 95, § único, I, da Constituição).

O magistério é carreira nobre, que exige dedicação exclusiva do profissional, pois além das atividades de sala de aula, é necessário preparar planos de trabalho, participar de projetos de pesquisa e extensão, orientar os alunos, ler os seus trabalhos, corrigir as provas etc.

Quem não conhece um magistrado que seja professor? Por exemplo, o anterior presidente do STF, conforme curriculum exibido na página do Tribunal, é professor adjunto de Direito Constitucional da Universidade de Brasília desde junho de 1995.

Será  que dá para desempenhar as duas carreiras com prontidão e dedicação, mesmo a Constituição autorizando a acumulação desses cargos? Confesso que tenho dúvidas, mas talvez seja possível para alguns muito bem preparados. Mas para isto, o magistrado deverá observar fielmente os prazos que a lei impõe para o exercício de suas funções. Esta é uma das condições para que o sonho do Presidente da Comissão de Reforma do Código de Processo Civil se torne realidade.

O respeito ao devido processo legal

Assim, não se pode atribuir a responsabilidade pela morosidade da prestação jurisdicional exclusivamente aos advogados, que fazem uso dos recursos inerentes à defesa de seus clientes, conforme assegurado pela Constituição para a efetivação do devido processo legal.

Vale lembrar que a atividade jurisdicional é um serviço prestado pelo Poder Público, que cobra altíssimas taxas da população e, portanto, deve cumprir o preceito constitucional da razoável duração do processo, sem desrespeitar os princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa, sob pena de violência ao estado democrático de direito, princípio fundamental da República (art. 1.º da Constituição).

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *