Um debate semiárido num país dividido

Vittorio Medioli

O resultado da eleição presidencial em 5 de outubro confirmou, mais uma vez, existir um Brasil dividido. Uma parte mais desenvolvida e populosa no Sul do país e aquela no aguardo de sair da miserabilidade, do Norte e Nordeste.

O Brasil é um país bipolar, um dos extremos pensa majoritariamente diferente do outro. Existe um conflito de tendências, o que vale num polo não vale no outro, e acabam convivendo apenas em virtude de uma vocação pacifista que caracteriza a nação brasileira. As duas realidades contrastantes convivem, sem maiores percalços, debaixo da mesma bandeira, ainda concedendo ao Brasil menos produtivo – no limite do improdutivismo – de ter a supremacia política, até no Congresso Nacional, sobre aquele Brasil que mais produz e paga a conta.

Raramente a história assistiu a fenômenos em que o maior poder econômico e o maior desenvolvimento social ficaram subordinados por muito tempo à decisão do lado mais desprotegido e acentuadamente menos produtivo. Por muito menos a Rússia se rachou numa dezena de Estados. É mais comum o lado mais forte ter supremacia.

O poder econômico, quando associado a um maior desenvolvimento social, se transforma sempre em poder político dominante.

ALINHAMENTO NATURAL

Apesar das propaladas virtudes da democracia, o mando, durante os séculos, com raras exceções, esteve nas mãos mais produtivas. Isso é um alinhamento natural das hierarquias sociais, assim como o pai – ou, na ausência dele, a mãe – é chefe da família, os dependentes se sujeitam ao “arrimo”, em decorrência da experiência e da circunstância que provêm da riqueza da família. A natureza se perfila nesse sentido vertical e hegemônico.

Os Estados do Norte e Nordeste concentram 19% do PIB e 33% da população, os demais Estados, 81% do PIB e 67% da população. Entretanto, o Nordeste hospeda os maiores bolsões de pobreza entre seus 54 milhões de habitantes. Ainda dependente para se sustentar em níveis mínimos das transferências de rendas e arrecadação provenientes do Sul.

Pois é. O resultado da eleição no Brasil “rico” mostrou a vontade de uma mudança, o Brasil “carente”, do Nordeste, fornece a Dilma uma vantagem de 13 milhões de votos que verte para ela uma margem quase irrecuperável para quem quer que a enfrente.

Esse Brasil quer continuar com o governo petista, ou provavelmente tem medo de mudar para outro. O “Brasil do Norte” acredita que apenas o lulopetismo se lembrará de entregar ajudas por meio de bolsas – em si pouca coisa – talvez R$ 50 por pessoa a cada mês, mas que atinge cerca de 50% da população daquela região e 70% nos bolsões de maior carência.

ASSISTENCIALISMO

A presidente Dilma quantificou nos debates televisivos que 56 milhões de indivíduos são atendidos pelo assistencialismo do governo. A metade se concentra no Nordeste semiárido que lhe dispensa uma vantagem espetacular de votos.

Fala mais alto o temor de perder a ajuda, que na hora de votar pesa na escolha. Para muitos não existe alternativa a seu alcance, ademais submetido à ameaça aterrorizante de perder o benefício.

Nesse meio Marina Silva e Aécio Neves não tiveram como disputar o voto ou fazer acreditar que o programa de bolsas não é de um partido, mas do Estado. Portanto, fadado a continuar seja quem for o presidente até essas camadas se emanciparem efetivamente.

Dessa forma, a discussão entre presidenciáveis, mais que se ampliar e discorrer sobre o desenvolvimento, o progresso e questões cruciais, como meio ambiente, segurança, saúde, infraestrutura, educação, acaba vertendo exclusivamente na falsa hipótese da continuidade desses programas. Discute-se um Estado Papai Noel, e não um Estado promotor de soluções sustentáveis.

VOTO DO ESTÔMAGO

A nada adianta lembrar que o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) instituiu esse assistencialismo, que era condenado por Lula em discursos em que definia o “voto do estômago” como desequilibrador da vontade dos mais carentes.

O beneficiado tem a sensação, sutilmente fabricada, de que a cesta ou bolsa é um presente de Dilma e que sem ela, portanto, a perderá.

A lei brasileira proíbe a compra de voto por parte de candidatos, proíbe a distribuição de alimentos e benefícios com fins eleitorais, mas reserva o monopólio ao governo, que abusa sem enrubescer dessa velha arma. O Brasil fica assim desequilibrado e dividido em currais que não mais poderiam existir.

Num universo de 143 milhões de eleitores, mais de um terço tem sua “liberdade” influenciada ou comprada, como o demonstram os 13 milhões de votos de frente apenas no Nordeste de Dilma, contra os 4 milhões de frente que Aécio teve em São Paulo, onde as bolsas não são tão relevantes, apesar de existirem.

Enquanto isso, as décadas se passam, as pessoas envelhecem, e pessoalmente me sinto uma dessas, desesperançadas e frustradas, ao assistir um Brasil pequeno e amedrontado, que deixa assim de enxergar seu futuro com a grandeza de um continente rico e soberano.

Continuamos naquela velha e pequena política de ilusões, de medos, de ignorância explorada que apenas acorrentam e dificultam uma nação “gigante por natureza”.

2 thoughts on “Um debate semiárido num país dividido

  1. Na verdade o PT aproveitou-se da pobreza, falta de informação e falta de
    educação de grande parte da população do Norte e Nordeste e criou ali seu feudo.
    Se prestar bem atenção, o discurso do Lula e da Dilma, é direcionado aos menos
    informados ou sem informação alguma, as poucas informações que chegam a essa população
    são da propaganda oficial tendenciosa. para piorar pouco políticos dessas regiões são
    aproveitáveis. Essas regiões são as que mantém maior número de currais eleitorais.

Deixe uma resposta para Nélio Jacob Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *