Um desesperado poema de Olavo Bilac, que marca o fim de um grande amor

"Há quem me julgue perdido,porque ando a ouvir estrelas.Só quem ama tem ouvido para ouvi-las e entende-las.."... Frase de Olavo Bilac.Paulo Peres
Poemas & Canções
O jornalista e poeta carioca Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (1865-1918), no soneto “No Meio do Caminho”, sofre com a partida de sua amada.

NO MEIO DO CAMINHO
Olavo Bilac

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E a alma de sonhos povoada eu tinha…

E paramos de súbito na estrada
Da vida: longos anos presa à minha
A tua mão, a vista deslumbrada
Tive da luz que teu olhar continha.

Hoje segues de novo…Na partida
Nem o pranto os teus olhos umedece,
Nem te comove a dor da despedida.

E eu, solitário, volto a face, e tremo,
Vendo o teu vulto que desaparece
Na extrema curva do caminho extremo.

3 thoughts on “Um desesperado poema de Olavo Bilac, que marca o fim de um grande amor

  1. Grande Olavo Bilac.

    Um poema de rara sensibilidade.

    Olavo Bilac, foi o primeiro poeta que tive contato em meus estudos de colégio.

    Minha professora – por sinal excelente mestra – gostava muito dos poemas do Olavo Bilac.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *