Um especial artigo para o governador Wilson Witzel e seu braço-forte, José Luís Zamith

Resultado de imagem para witzel

Witzel vai substituir o pavilhão insalubre que existe em Gericinó

Jorge Béja

O Estado parece adesconhecer que, mesmo condenado, o detento continua ser humano. Seus erros não lhe tiram a proteção da sociedade. Pelo contrário, dela exigem todas as atenções, cuidados e empenho no cumprimento do dever, legal e social, da sua recuperação. O Estado não pode lamentar as despesas que tem com o sistema penitenciário. O Estado não investirá em vão se recuperar, como deve, aqueles que concorreram para romper o equilíbrio social. É o múnus que a coletividade lhe impõe. É de sua natureza. É de sua função orgânica.

Das mais de trinta ações que, como advogado, patrocinei contra o Estado do Rio de Janeiro, em defesa de familiares de detentos assassinados no cárcere, colho este pronunciamento (voto) proferido pelo relator, desembargador Basileu Ribeiro Filho, da 6a. Câmara Cível do Tribunal de Justiça do RJ, ao julgar a Apelação nº 22.368:

“Ao Estado cumpre o dever de custodiar o “preso”, velando pela sua saúde física, pela sua integridade corporal. E não é relevante cogitar da causa da prisão. Legítima ou ilegítima esta, uma vez colocado o detido sob a vigilância e controle dos agentes policiais, compete à Administração prover para que, após a medida preventiva ou o cumprimento da pena, retorne ele incólume e ressocializado ao estado de liberdade”.

PRESÍDIOS VERTICAIS – O introito desde artigo, que será enviado ao senhor governador do Rio, Wilson Witzel e a seu braço-forte, o culto e experiente doutor José Luis Cardoso Zamith, ex-aluno beneditino como eu também sou, é para ingressar em tema relevante, qual seja, o projeto do senhor governador de edificar, no ERJ, presídios verticais, através de Parceria Público Privada (PPP). Foi o que declarou Witzel na entrevista concedida ao Jornal do Rio da TV Bandeirantes no último dia 30 de abril. O próprio governador, sempre elegante e fidalgo, se apresentou ao vivo nos estúdios da emissora, e foi entrevistado pela apresentadora Thais Dias.

Não devemos só perguntar o que Witzel e Zamith podem fazer por nós, e sim, também dizer a ambos o que nós, cerca de quase 17 milhões de pessoas, que é a população fluminense, podemos fazer para colaborar no êxito da administração do Rio e que teve início no 1º de Janeiro deste 2019. E aqui vai a minha, fruto de mais de quarenta anos no exercício contínuo e ininterrupto da advocacia sempre em favor de vitimados, em meio a muito estudo.

INDAGAÇÕES – Ainda que o motivo deste artigo não verse sobre a conveniência da edificação de presídios verticais, apenas uma de muitas e muitas indagações a respeito: em caso de incêndio, como se dará o salvamento da população carcerária, trancafiada em 20, 30, 40… cubículos por andar em prédio de 10, 15, 20….andares? .

Mas este artigo-colaboração é sobre a Parceria Pública Privada (PPP) que o doutor Witzel disse na entrevista na televisão. Não, senhor governador. Nem para a construção do prédio se pode recorrer às PPPs. A obra é para ser licitada. O vencedor a executa, recebe o pagamento pela construção e a entrega 100% pronta para ser usada pelo Estado.

E Parceria Público Privada para executar os serviços penitenciários, nem pensar, tamanha é a sua ilegalidade. Quem custodia o detento é o Estado, é o Poder Público. É uma obrigação indelegável, intransferível, irrepartível. Só o Estado a detém e só o Estado tem a obrigação de executar. É obrigação “intuitu persone” (destinada apenas a uma pessoa). Não admite parceria nem muito menos privatização ou outro qualquer meio que desnude o Estado, minimamente, desse seu múnus que dele é exclusivo.

TERCEIRIZAÇÃO – O serviço penitenciário é serviço estatal tanto quanto é o serviço das polícias, militar e judiciária. Tanto quanto é o serviço da prestação jurisdicional. É inimaginável terceirizar ou contratar Parceria com o particular para executar o serviço de um delegado e/ou de um detetive da polícia civil, de um oficial e/ou de um soldado da polícia militar, contratar um e/ou mais terceiros para substituir os magistrados na sua nobilíssima função de julgar a entregar a prestação jurisdicional. E os exemplos são muitos.

E quanto aos presidiários, o encarceramento da pessoa humana, provisório ou definitivo, também não pode se transformar em objeto e/ou mercadoria para a produção de lucro ao particular ou a quem quer que seja. O dever de guarda, custódia e ressocialização é exclusivo do Estado. É indelegável.

Como dito acima, estou enviando este artigo ao próprio governador doutor Wilson Witzel e a seu principal secretário, o erudito doutor José Luis Cardoso Zamith, ex-aluno do Colégio São Bento (onde também estudei). “Witzel afirmou  que Zamith será uma especie de Sérgio Moro de seu governo” (O Antagonista, edição de 13.11.2018). Então, doutores Witzel e Zamith, fixemos nossos pensamentos no lema de São Bento: “Ora Et Labora”. Vamos orar. E vamos trabalhar. Tudo pela pacificação, pelo bem-estar das quase 17 milhões de pessoas que formam a população do Estado do Rio de Janeiro e pela ordem e pelo progresso do nosso Brasil.

PRIVATIZAÇÃO – O fato de já existir em algum ou alguns Estados a terceirização do serviço penitenciário, o crasso erro não justifica que o governo Witzel cometa aqui no Rio a mesma impropriedade. Ainda este mês, a convite da deputada de São Paulo, Janaína Paschoal, vou participar de audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo, por iniciativa da referida deputada.

A doutora Janaína também não concorda com o governador João Dória, que também pretende privatizar o serviço penitenciário naquele Estado.

Aproveito para acrescentar que a Lei 11.079 de 2004, que institui as normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública, é bastante clara quando, no artigo 4º, item III, dispõe sobre a “indelegabilidade das funções de regulação, jurisdicional, do exercício do poder de polícia e de outras atividades exclusiva do Estado “.

A GERÊNCIA – Em outras palavras: o particular pode até vencer a licitação e construir o presídio. Porém, não pode o particular — e seus empregados —- gerir a administração prisional, por ser esta da competência exclusiva do Estado, isto é, do Poder Público, o único a dispor da prerrogativa de regulação, jurisdicional, do poder de polícia, visto serem exclusivas do Estado.

Portanto, é inútil, por ser inconstitucional,o Estado atribuir ao particular e seus empregados, um poder indelegável e que só o Estado dele é detentor.

Assim, só o agente penitenciário, concursado e empossado no cargo, poderá cuidar dos presídios e nunca o empregado de empresa terceirizada, com quem o Estado contratou PPP.

8 thoughts on “Um especial artigo para o governador Wilson Witzel e seu braço-forte, José Luís Zamith

  1. Volto ao artigo para acrescentar que a Lei 11.079 de 2004, que institui as normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública, é bastante clara quando, no artigo 4º, item III, dispõe sobre a

    “indelegabilidade das funções de regulação, jurisdicional, do exercício do poder de polícia e de outras atividades exclusiva do Estado “.

    Em outras palavras: o particular pode até vencer a licitação e construir o presídio. Porém, não pode o particular — e seus empregados —- gerir a administração prisional, por ser esta da competência exclusiva do Estado, isto é, do Poder Público, o único a dispor da prerrogativa de regulação, jurisdicional, do poder de polícia, visto serem exclusivas do Estado.

    Portanto, é inútil, por ser inconstitucional,o Estado atribuir ao particular e seus empregados, um poder indelegável e que só o Estado dele é detentor.

    Assim, só o agente penitenciário, concursado e empossado no cargo, poderá cuidar dos presídios e nunca o empregado de empresa terceirizada, com quem o Estado contratou PPP.

    • Em relação a verticalização de presídios, temos exemplos de rebeliões aqui mesmo no Rio.
      Exemplos: Benfica hoje que funciona a audiência de custódia, ali teve uma rebelião que começou no primero andar e terminou no quarto andar a onde ficava as celas dos faxinas e cela de presos de seguro. Em fim vários presos mortos e agente penitenciário.
      Presídio Ari Franco no bairro Água Santa, as celas fica no subterrâneo dois andares a baixo.
      Princípio de montim os presos se rebelaram chocaram os colchonetes na porta da cela e tocaram fogo e os presos foram para o fundo da cela a onde funciona o solário que é graduado, só que quando atearam fogo as chamas foi para o fundo da cela a onde entra a ventilação.
      Moral da história vários presos mortos e agente penitenciário intoxicado. Sou agente penitenciário a 25 anos e já passei por vários governos, e todos sabem que o patinho feio do estado da dinheiro.
      O governo federal manda pra cada federação o fundo penitenciário. E assim vai alimentação as cantinas as empresas que funciona no complexo de gangue assim vai.
      Se o estado deixar a administração na mão do inspetor penitenciário vai funcionar, mas infelizmente a secretaria virou cabide de indicação política.

  2. Caro Beja, infelizmente eles sempre pegam o exemplo lá de fora. Adoram trazer o modelo norte-americano como exemplo. Tudo isso, no entanto, não é novidade. Bastava ver nas propostas do MBL e do Vem pra Rua, de onde parte dos políticos eleitos saíram ou trilhou em algum momento marchou junto. Nas propostas estava a delegação de serviços de investigação, inclusive, além de penitenciárias.
    Quem não concorda, OU VOTA no candidato sem ler e pesquisar sobre suas ligações ideológicas, OU VOTA sem acreditar que seja capaz de querer colocar em prática propostas como essa…

    • Sim eles continuam sendo humanos, sendo assim merecem um tratamento digno. Porém, tem o outro lado da moeda as vitimas. Qual o tratamento que a bandidagem dá para as vitimas e aquelas que são assassinadas. Por que só se preocupam com os presos e não as suas vitimas.

      • A verdade é que o Estado expropriou da vítima o seu interesse.
        Como o mesmo Estado monopolizou a violência.
        Assim, vítimas são esquecidas e anarquistas criminalizados.

  3. Eu parei de assitir jornais na tv. Porém, esta semana tive esta recaída. Vi uma notícia do Paraná, que um pai assassinou uma filha adolescente com ajuda da mãe. O que deve se dar para uma pessoa deste nível. Um cela com tv, computador, frigobar e sauna ou uma cela escura e fétida.

    • É compreensível e justa a reação das pessoas de bem. Todos temos o Direito à proteção estatal de nossas vidas, nossos patrimônios. E quando somos vítimas da incúria estatal, deve também responder o Estado pelo dano causado, mormente pela ausência da assistência médica e hospitalar e do policiamento nas ruas, ostensivo, fardado e armado, dia e noite, sem trégua.

      Todo o crime é abominável. Outro exemplo foi o que fizeram com o menino de 11 anos Bernardo Uglioni Boldrini, no Rio Grande do Sul.

      Porém, a pena se destina à ressocialização. E deve sempre vir acompanhada do arrependimento eficaz.

      Não se pede que o Estado dê boa vida ao detento. O que se espera é que o Estado cumpra o que determina o artigo 5º, item XLIX da Constituição:

      “É assegurado aos presos o respeito à dignidade física e moral”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *