Um exemplo a seguir

Resultado de imagem para roberto marinho e juracy magalhaes

Roberto Marinho não aceitou demitir os comunistas

Carlos Chagas

O general Juracy Magalhães deixou a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, a pedido do presidente Castello Branco, para assumir o ministério da Justiça e editar o Ato Institucional número 2, que dissolveu os antigos partidos políticos e estabeleceu as eleições indiretas para presidente da República, entre outras monstruosidades. Estava disposto a enquadrar os jornais, que timidamente se insurgiam contra os desmandos do primeiro governo militar, e reuniu os proprietários dos principais. Apresentou-lhes uma lista de redatores e repórteres, exigindo que fossem demitidos “porque eram comunistas”. Foi quando se levantou Roberto Marinho, que tinha transformado O Globo no maior defensor da Revolução, e disse: “Olha aqui, Juracy, eu tenho muitos comunistas na minha redação, mas eles só escrevem o que eu quero. Nos meus comunistas, mando eu!”

Na mesma hora, retirou-se, para espanto dos outros donos de jornal, muitos que já estavam copiando a lista dos subversivos denunciados, prometendo demiti-los. Um dia depois, o dr. Roberto mandou convidar Franklin de Oliveira, recentemente demitido do Correio da Manhã, para tornar-se editorialista de seu jornal, apesar de  notoriamente conhecido como comunista.

Esse episódio se recorda como exemplo de que quando se resiste contra a truculência e o arbítrio, a resistência costuma vencer.

O Globo continuou apoiando a Revolução, mas os governos nunca mais pediram a cabeça de um de seus jornalistas. Até ontem, quando não existem mais generais-governantes nem comunistas…

4 thoughts on “Um exemplo a seguir

  1. Isso aconteceu porque o Gen JURACY MAGALHÃES, velho Tenente da Coluna MIGUEL COSTA – PRESTES era Liberal/Nacionalista. Conta CARLOS LACERDA, também Liberal-Nacionalista, em seu Livro Depoimento ( 1976) que após a Intentona Comunista de 1935 quase todos os Comunistas e Frente Popular estavam homiziados na Bahia, onde Governava JURACY MAGALHÃES. Ele também.

    Os Liberais-Nacionalistas não tinham medo dos Comunistas, enfrentavam-nos no campo das ideias. Pena que sempre fomos Minoria. Os Comunistas também sempre foram Minoria, nunca passando de +- 7% do Eleitorado. Mas foram muito usados pelas Oligarquias anti-Tenentistas como ESPANTALHO. E sempre funcionou.
    O Liberal-Nacionalismo é diferente do Neo-Liberalismo.
    O Liberal-Nacionalismo prega o desenvolvimento da Economia baseado na AUTONOMIA, via Empresas Privadas com Matriz no Brasil, desenvolvendo as Indústrias de Base, Indústria de substituição de Importações e depois o passo mais difícil Industrialização para concorrência internacional, o que ainda não conseguimos, tudo fazendo JUSTIÇA SOCIAL e preservando a LIBERDADE INDIVIDUAL.Defendem e dão proteção incentivando ao máximo o CAPITAL NACIONAL, aquele que é o Bom.

    Os Neo-Liberais não distinguem entre Capital Nacional e Estrangeiro, nem entre Capital Industrial e Financeiro, tratando tudo igual, daí o seu erro. Não elevam o Padrão de Vida MÉDIO além de certo ponto, no nosso caso uma Renda perCapita de +- US$ 12.000 +- 1/5 da Americana.

  2. Se os militares tivessem fechado todos os meios de comunicação que insistiram em manter comunistas em suas redações, a população brasileira não teria sofrido a lavagem cerebral que sofreu e nem as instituições públicas e privadas estariam hoje infestadas de doutrinadores marxistas.
    Se houvesse uma ditadura na época, como até hoje os “historiadores” querem que acreditemos, os generais teriam simplesmente fechado esses jornais e colocado seus donos na cadeia.
    Afinal, não é assim que agem os ditadores?

  3. Prezado Sr. BELVEDERE,

    A meu ver, os Governos Autoritários da Revolução Civil-Militar de 1964 foram muito sabidos em deixar muitos Comunistas nos meios de comunicação de massa.
    Eles funcionavam como uma válvula de segurança na panela de pressão. É bem mais perigoso cozinhar com panela de pressão sem válvula de segurança. Abrs.

    • Foi aí que eles erraram.
      Optaram por essa válvula de escape como alternativa da esquerda à luta armada e hoje toda a sociedade brasileira paga muito caro pela doutrinação marxista\gramscista que eles deviam ter sufocado desde o início.
      Abrs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *