Um golpe de Estado, a essa altura, significa um projeto para desconstruir a nação

Charge: Fraude x Golpe. Por LaerteArminio Fraga
Folha

O mundo está cada vez mais complicado. A partir da guinada econômica de Deng Xiaoping na China nos anos 1970 e da queda do Muro de Berlim em 1989, parecíamos caminhar para um futuro de paz e prosperidade. E, de fato, houve muito progresso material e social, sem grandes guerras ou acidentes.

Mas não durou muito. Na virada do século veio um primeiro alerta, pelas mãos do terrorismo de origem religiosa, que mostrou sua força derrubando as Torres Gêmeas, episódio que completa 20 anos nos próximos dias.

DESASTRE GLOBAL – Em outra frente, a mudança climática aponta para um desastre global de enormes proporções. Em que pese a solidez da base científica do diagnóstico, as respostas até agora parecem modestas.

Li recentemente que o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg considera um absurdo as metas chinesas de emissões de carbono mirarem em 2050. Ele tem toda razão. É muito longe. Ainda no front de nossa relação com a natureza, vivemos hoje uma catastrófica pandemia, que ameaça se transformar em endemia, também a despeito dos esplêndidos avanços da ciência.

Esses e outros desafios, como a estagnação do comércio internacional, as crescentes ameaças cibernéticas e a guerra modelo século 21 entre China e Estados Unidos, sugerem que a governança global do planeta anda mal.

DITADURA CHINESA – Chama a atenção a guinada interna em andamento na China de Xi Jinping. O que parecia ser uma suave transição a um regime mais aberto passou a ser hoje uma grande reafirmação da ditadura do Partido Comunista, que visa se perpetuar no poder. Destacam-se a perenização de seu líder, a onipresença de seus membros nos conselhos das principais empresas, o amplo acesso a cada passo da vida das pessoas —enfim, um grande e repressivo mecanismo, fonte de incerteza.

Em outras partes, proliferam cada vez mais regimes políticos autoritários e populistas, turbinados pelo uso competente das redes sociais, que favorecem esse tipo de liderança. O custo da transmissão massiva de informações é hoje relativamente baixo e permite a ampla difusão de todo tipo de fake news, que criam uma enganosa “realidade” paralela.

Vivemos hoje no Brasil uma situação com essas características. No início, o atual governo parecia ter adotado “apenas” uma versão da estratégia desenvolvida por Steve Bannon para Trump: atacar as defesas da democracia.

TEMA EM DEBATE – O tema é objeto de Jonathan Rauch em seu brilhante e recém-lançado livro “The Constitution of Knowledge”, ainda não traduzido, que estende artigo de mesmo nome publicado há três anos.

Rauch usa o termo “constituição” no sentido de carta de princípios — no caso, de defesa do conhecimento, motor fundamental do progresso e antídoto contra as fake news. Ele defende ampla liberdade de expressão, acompanhada de um sistema livre, independente e rigoroso de crítica às ideias que são apresentadas, especialmente as que embasam decisões públicas.

O sistema de defesa é composto pela academia, pela imprensa e, cada vez mais, pelo terceiro setor, todos atuando a partir de filtros rigorosos de apuração, de informação e de análise. Inclui também o mundo artístico e cultural, que de forma lúdica representa anseios de liberdade e mais igualdade. Seria como um enorme funil por onde entram livremente muitas ideias, mas relativamente poucas sobrevivem à crítica e aos valores da sociedade.

DESCASO E OMISSÃO – No Brasil de hoje, o descaso com as consequências da pandemia e do desmatamento da Amazônia vem sendo objeto de resposta vigorosa da sociedade, felizmente. Os efeitos desse esforço ainda não se fizeram sentir, mas boas sementes estão sendo plantadas.

No entanto, e infelizmente, os ataques do governo têm ido além da agenda Bannon. Hoje está em risco o sistema de pesos e contrapesos, que é parte fundamental de nossa democracia.

Acusações ocas e ameaças aos demais Poderes têm sido frequentes, sobretudo ao Judiciário, e em especial à higidez do sistema eleitoral. Não parece ser o caso hoje ainda, mas mais adiante a relação com o Legislativo pode azedar também, como ocorreu recentemente.

ARMAR O POVO – Um fator adicional de tensão advém da postura do presidente com relação a armamentos e a quem os porta. A noção de armar o povo para defender a liberdade não faz sentido algum, mas vem sendo repetida. Tampouco faz sentido qualquer tolerância com a existência de grupos informais armados operando à margem da lei.

Desde o início de seu mandato o presidente vem dando especial atenção às Forças Armadas e às polícias militares. Militares (inclusive da ativa) ocupam inúmeros postos-chave na administração pública, o que começa a comprometer a imagem das Forças Armadas.

Esse quadro geral é extremamente prejudicial à economia. Em tese, não faltam oportunidades de investimento ao Brasil, da infraestrutura à educação e à saúde. Mas a incerteza encurta os horizontes e inibe o investimento.

FOCOS DE TENSÃO – Não seria surpresa se pipocassem mais e mais focos de tensão, como se viu semana passada na Polícia Militar de São Paulo. Não é impossível imaginar cenários de violência à democracia.

Na medida em que as defesas da democracia se mostrem eficazes, aumentará a pressão sobre o governo atual, que vem fazendo água nas pesquisas. O presidente parece disposto a dobrar a aposta, pelo visto contando com o apoio de uma minoria agressiva.

No entanto, tenho convicção de que as lideranças das Forças Armadas e (espero) das polícias, além de defenderem a Constituição, entendem que estariam apoiando um projeto de desconstrução da nação.

18 thoughts on “Um golpe de Estado, a essa altura, significa um projeto para desconstruir a nação

  1. Cabul é aqui no Tucanistão…..

    Isso porque um dos integrantes da Máfia Tucanostra dizia que a Organização Criminosa que não pode citar as três letrinhas tinha acabado……
    E tem pessoas que ainda votam nessa Quadrilha.

    Novo cangaço’ atacou ao menos 6 cidades de SP em pouco mais de 1 ano.

  2. A URSS acabou porque a idade médias dos membros do Politburo era superior a 73 anos. Ou seja ninguém estava lá para trabalhar. Agora a China irá pelo mesmo caminho. Seus líderes que agora são ativos irão envelhecer e se acomodar.
    Este é no meu entender o maior defeito dos regimes totalitários.
    Outros exemplos? Salazar, Alfredo Stroessner. Todos envelheceram e levaram junto o país.

    • Daí a necessidade da Democracia Direta com Meritocracia, renovação constante, alternância no poder de 5 em 5 anos, sem reeleição, eleições gerais a custo zero, geração constante de novas lideranças, ano-luz adiante da velharia sistêmica…

      • Perfeito Sr. Leão.
        Sem a alterñancia do poder ficaremos no mesmo de sempre
        Com a corrupção avançando em todos os sentidos.
        Penso que 4 anos está bom demais, foi bem tudo bem, foi mal tchau, vai curtir a vida entre os seus.
        Sem reeleição e sem direito a concorrer a cargos no futuro…
        Quem sabe começamos a construir uma verdadeira Nação…

  3. Por falar em velhinhos, o que os Rambos da reserva remunerada pretendem fazer depois que o Jair Cloaca perder? Vão cursar o Enem para uma possível realização pessoal ou vão plantar jasmim e manjericão?

  4. A Folha de SP é o jornal dos banqueiros.
    Só me interessa para saber a opinião deles. Um dos inimigos que colocam obstáculos ao enfrentamento das desigualdades.

  5. O que mais de deixa furioso é me deparar com o famigerado complexo de vira-lata da nossa gente, como capturado pelo saudoso, Nelson Rodrigues. Qualquer coisa que se faça, vem logo um gaiato e pergunta se tal engenhoca já funciona em algum outro lugar. Sou como se fôssemos incapazes de inventar algum coisa genuinamente brasuca, nossa, e eternamente condenados a copiar os gringos, mesmo que as engenhocas deles seja as piores possíveis. Afinal de contas, a jabuticaba é ou não uma fruta genuinamente brasileira ? Dizem que é, e não deixa de ser uma fruta gostosa, desde que bem degustada, de preferência no pé. Logo, será que, de diferente do resto do mundo, Deus permite que o Brasil seja capaz de produzir apenas a jabuticaba ?

  6. O ruim do debate político é que a ditadura da mídia passou usa a democracia como impeditiva do debate amplo que implique em mudanças na Constituição, não obstante já tenha atingido o estágio de “colcha de retalhos”, face ao número de Emendas que já lhe foram agregadas, inclusive a da famigerada reeleição do FHC, do PSDB, Hermínio e CIA, que tornou pior o que em si já era muito ruim. Enfim vamos perseveremos no debate, do qual tem que nascer a luz capaz de nos tirar da escuridão.

  7. LULA SENTIU a pancada na ponta do queixo e jogou a toalha ? DEU A LOUCA NO SISTEMA POLÍTICO APODRECIDO, agora, ao que parece, até Lula e Bolsonaro, e todos os demais continuístas da mesmice do dito-cujo sistema apodrecido querem ser a Terceira Via, ou se passar por ela, embora o sistema dos me$mo$ tenha apenas duas vias. Durma com um barulhão desse. Será confissão de culpa, loucura ou apenas mais malandragem eleitoral dos me$mo$, querendo aplicar mais 171 eleitoral na população em 2022, outra vez, à moda Bolsonaro tentando se passar pela Nova Política, não obstante à moda dinossauro escondido atrás de um pé de alface que só não viu quem não quis ver ? AGORA, pasmem, até Lula está querendo se passar pela Terceira Via, a nomenclatura da ora, não obstante em primeiro lugar nas tais pesquisas eleitorais extemporâneas. Fato que, certamente, deveria levar o povo a questionar e a mídia, isenta, a responder e explicar, inclusive via jornalismo investigativo, honestamente, com profundidade, que raio de Terceira Via é essa que está despertando tanta obsessão e loucura nos políticos tradicionais do continuísmo da mesmice do sistema apodrecido ao ponto de até o Lula, em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, querendo se passar pela Terceira Via, não obstante o sistema dos me$mo$ ter apenas duas vias, situação e oposição, com os seus puxadinhos e variantes ( direita, esquerda e centro), que são as suas primeira e segunda vias, que tem como contraponto, há cerca de 20 anos na estrada, apenas a DEMOCRACIA DIRETA COM MERITOCRACIA, a Terceira Via de Verdade, antissistema, extraordinária, a Nova Política de Verdade, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, o novo sistema de verdade que precisa se estabelecer no lugar do velho sistema apodrecido que já morreu, e que por isso, precisa dar lugar para o novo caminho para o novo Brasil de verdade porque evoluir é preciso, e, sobretudo, para que possamos acabar com as guerras tribais dos me$mo$, primitivas, permanentes e insanas, por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, à moda todos os bônus para ele$ e o resto que se dane com os ônus, que conduziram o país e o povo brasileiro ao estado de coisa$ e coiso$ que ai estão à espera de solução. Portanto, não se enganem de novo, a Nova Política de Verdade é a Democracia Direta com Meritocracia, a Terceira Via de Verdade, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, porque o resto é tudo mais dos me$mo$, mais continuísmo da mesmice, raso e seco, doloso ou culposo, mais e mais FEBEAPÁ ( Festival de Besteira$ que Assolam o País ), há 131 anos, com o prazo de validade vencido há muito tempo. Rendição pacífica, Senhoras e Senhores, em prol do Novo de Verdade, é a saída mais honrada possível para vossas excelências. https://www.brasil247.com/blog/lula-e-a-terceira-via?fbclid=IwAR00rXN1Mydtv2aaCAI8ZHMn5KT45_ZBcsuMx8wi8ICVLmg8iYNpF6tufw8

  8. Comentário de tucano é sempre a mesma coisa, é a choradeira de sempre, de gente que sabe que nunca mais vai voltar ao poder. Então tudo que vem de tucano não levo em consideração.

  9. Os desconstrutores.
    Bolsonaro quer descontruir as instituições segundo a mídia esquerdista.
    A mídia esquerdista quer desconstruir o desconstrutor.
    A máquina canhota de lavar ou sujar reputações está a todo vapor, Lula saiu limpinho, mais limpo que nádega de santo, mais bonito na fita que o Di Caprio, mais cheiroso que filho de barbeiro e mais assanhado que gato de moça velha e com as coxas mais bem saradas que já se viu nesse mundo de feios, segundo Merval Pereira.
    Hehehheheheheh.

  10. Bom dia , leitores (as):

    Senhor Arminio Fraga ( Folha ) , na verdade o ” projeto para desconstruir a nação – o Brasil ” , começou nos idos das ” PRIVATIZAÇÕES CRIMINOSAS ” do patrimônio público , legitimando-as através de mudanças , elaborações e mercantilizações das leis Brasileiras , com o agravante de que o senhor fez e continua fazendo parte desses crimes de lesas-pátria , ou seja , inimigos nacionais , a praga que assola o Brasil e seu povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *