Um homem do congresso, um político de verdade

Resultado de imagem para tarcilo vieira de melo

Vieira de Melo deixou um exemplo a ser seguido

Sebastião Nery

Afonso Arinos, que passou a vida entre a Câmara e o Senado, disse que ele foi “o maior parlamentar brasileiro desde 1930”. Nestes tempos de Congresso apequenado, o pais devia ter celebrado com mais calor o centenário de Tarsílo Vieira de Melo. Foi um homem do Legislativo por um quarto de século. Em 1945, com 32 anos, já se elegia para a Assembleia Constituinte. Em 1947, secretário de Educação e Saúde dos governos Otavio Mangabeira e Regis Pacheco. Eleito Juscelino presidente, foi líder da Maioria na Câmara, comandando as batalhas para livrá-lo das tentativas de golpes da UDN.

Homem de esquerda no PSD, era o secretário-geral da LEN (Liga de Emancipação Nacional). Em 1964, o golpe militar o encontrou no comando da oposição, aliado a JK, Jango e Lacerda na Frente Ampla pela volta da democracia. Dissolvidos os partidos, ajuda a fundar o MDB com Ulysses Guimarães e assume a liderança na Câmara.

Na véspera de morrer suspeitamente atropelado, lamentava:

– Não sei bem o que está acontecendo com o Brasil. Mas é cada dia menor o número dos que se dispõem a defender a liberdade e a democracia. Veja a História do Brasil. Em todas as épocas, quaisquer que fossem as circunstâncias, havia sempre um grupo de homes mais velhos, mais experimentados, jogando lideranças e às vezes a própria liberdade exatamente para defender a liberdade.

E passou a me citar nomes, de José Bonifácio a Joaquim Nabuco, de Ruy Barbosa a João Mangabeira:

– Hoje, parece que os mais velhos estão se aposentando cedo demais da liberdade, da democracia, da luta política. A UDN enrolou o lenço branco e escondeu lá no fundo do bolso. Por isso fico feliz, toda manhã, quando leio o Hélio Fernandes, o Castelo Branco, você, outros, brigando a briga diária de defender a liberdade e a democracia no Brasil. Você me conhece e sabe que não tenho mais ambições políticas, a chamada vida pública me deu o que eu podia querer de experiência e qualquer alimento para a vaidade. Um mandato de deputado, agora, para mim, pode ser até um estorvo para minha vida pessoal. Mesmo assim, vou para a Bahia buscar de novo o mandato. Não quero continuar voltando para casa, todo dia, com a sensação de que também eu me aposentei da fé na democracia.

PROFISSIONAL DA DEMOCRACIA – Vieira de Melo foi isso. Um profissional da democracia. Os homens de sua geração, os jornalistas mais antigos podem dar depoimento ainda melhor. De 1945, quando a Bahia o mandou para a Câmara Federal, até 1967, quando perdeu as eleições para o Senado pelo MDB por alguns mil votos, Vieira foi sempre um plantonista da democracia.

Quando lhe levaram provas de que ele havia ganho as eleições de 67 e tinha sido fraudado pelo mapismo eleitoral, negou-se a denunciar:

– Uma denúncia desse tipo pode acabar ajudando aqueles que querem liquidar de uma vez com o voto popular. Não a farei. Não a farei também porque o Aloísio de Carvalho é um democrata e não tem nada com isso.

Dias depois, foi misteriosamente atropelado em Copacabana, na porta de sua casa. Foi um tipo de homem que está acabando no Congresso. Mas existiu.

5 thoughts on “Um homem do congresso, um político de verdade

  1. As pessoas e principalmente os jornalistas precisam aprender a diferença entre Democracia, Plutocracia, Cleptocracia e Bandidocracia, para conseguir identificar qual delas de fato vigora no Brasil. Sem esse entendimento fica inviável o debate. Bem como a diferença entre Política e politicalha. O povo pede nas ruas Democracia Direta Já, mas o partidarismo-eleitoral velhaco entra em cena, confunde as coisas e responde com diretas já, e volta a manipular o povo nesse sentido, como se fosse gado, sem deixar o povo entender que isso é continuísmo da mesmice do sistema político podre com o qual 70% da popular quer romper, a exemplo de cerca de 50% que compõem os votos brancos, nulos e abstenções que já não querem mais nada com o sistema político podre. Percebem as incoerências ?

  2. É pessoal, nosso grande povo Brasileiro vai apequenando, envolvido com o espírito artificial dessa era, televisionado ao vivo para todos….

    Há tanto barulho, precisamos agir como um samurai, que com sua lamina afiada fatia tudo o que entra em nossas cabecas a cada momento, tendo o discernimento de apagar, esvaziar o que nao presta, e assim ter espaço livre para o que realmente importa…

    Quem vêm dos tempos do Melo, Arinos, JK, Jango e Lacerda, não passou pela mesma lavagem celebral que o grupo de homens mais velhos de agora, principalmente os que tornaram-se adultos nos centros urbanos, onde o projeto dos formadores de opinião, extenso, mas que pode ser explicitado naquela monstruosidade de canção na MTV, a qual dizia “é legal ser igual”…

    Contnuo o projeto, a cada instante, acontecimentos e imagens a mil e, em meio a tudo, os devaneios do coletivo, vejam o que virou Chico Buarque para os mais antigos, e la esta a pata fu da MTV com as jandiras da vida nos dias convulsivos do impeachment no congresso, tudo televisionado, ao vivo, para todos…

    Quando leio comentarios do Sr. Virgilio, mencionando descumprir nossas obrigações com nossas contas de hoje e amanhã, penso que surtiria mais efeito desligar a aldeia global.
    Uma coisa que nunca tirei da minha cabeca é a certeza de que se desligássemos as transmissões televisivas no Brasil, em questão de 2 meses o Brasil não mais existiria. Tudo OFF, até o ópio(o futebol)…

    Nosso grande mal não é estarmos perdidos, carentes de um projeto para levantar o Brasil gigante adormecido, o mal é justamente o contrário, ao cedermos nosso “horário nobre” (tempo livre nos lares) a um bando de fascínoras sem escrúpulos, viciados em holofotes, praticantes dum barulho ( má política) que toma nossas consciências, em devaneios de um porvir incerto, desnorteia-nos a ponto de considerarmo-nos perdidos, pelas incertezas, falta de firmeza e rumo do projeto DELES!!

    Ninguém votou nisso que está aí…

    Cidadãos, não é legal ser igual. Hora de desligar esse tipo de programação…

  3. Howard Beale, personagem fictício do filme Network de 1976 dialoga no filme sobre a televisão, copiei o dialogo abaixo trocando “A televisão” por “Esta política”:

    Escute-me. Esta política não é a verdade. Esta política é um maldito parque de diversões! A política é um circo, um carnaval, um grupo itinerante de acrobatas, narradores de histórias, dançarinos, cantores, malabaristas, domadores de leão e jogadores de futebol. Estamos no negócio de matar o tédio! Então, se você quer a verdade, vá para Deus. Vá para seus gurus. Vão para vocês mesmos porque esse é o único lugar onde vocês encontrarão alguma verdade verdadeira. Mas, cara, você nunca vai ter qualquer verdade de nós. Nós lhe diremos qualquer coisa que você queira ouvir. Nós mentimos como o inferno. Nós vamos te dizer que, Kojak sempre pega o assassino e que ninguém nunca terá câncer . E não importa o quanto o herói está com problemas, não se preocupe. Basta olhar para o seu relógio. No final da hora ele vai vencer.
    “Nós lhe diremos qualquer merda que você queira ouvir! Nós lidamos com ilusões, nada disso é verdade, mas vocês estão sentados aí dia após dia, noite após noite, todas as idades, cores, credos …
    Você está começando a acreditar nas ilusões que estamos gerando aqui
    Você está começando a pensar que nos somos a realidade e que suas próprias vidas são irreais
    Você faz tudo o que o que lhe dizemos.
    Você come, cria seus filhos e “pensa de acordo com nossos atos”
    Isso é uma loucura em massa! Vocês sao maníacos!
    Em nome de Deus, vocês são a coisa real! Nós somos a ilusão!
    os politicos na televisão, desligue-os agora, desligue-os e deixe-os agora! desligue-os bem no meio desta frase que estou falando com você agora.
    Desligue-os!”

  4. Beale:

    “Eu não tenho que te dizer que as coisas são ruins. Todo mundo sabe que as coisas são ruins. É uma depressão. Todo mundo está sem trabalho ou com medo de perder o emprego. O Real compra um vale de centavos; Os lojistas mantêm armas debaixo do balcão; Punks estão correndo loucos na rua, e não há ninguém em qualquer lugar que parece saber o que fazer, e não há fim para isto.

    Sabemos que o ar é impróprio para respirar e nossa comida é imprópria para comer.
    E nós nos sentamos assistindo nossas TVs, enquanto alguns jornalistas locais nos dizem que hoje nós tivemos quinze homicídios e sessenta e três crimes violentos, como se fosse assim que deveria ser!

    Todos nós sabemos que as coisas são ruins – pior que ruins – elas são loucas.

    É como se tudo estivesse enlouquecendo, então não saímos mais.
    Sentamo-nos na casa, e lentamente o mundo em que estamos vivendo está ficando cada vez menor, e tudo o que dizemos é:
    “Por favor, pelo menos nos deixe em paz em nossas salas de estar, deixe-me ter minha torradeira e minha TV,
    E não direi nada, apenas nos deixe em paz.

    Bem, eu não vou deixar você sozinho.
    Quero que fique louco!
    Eu não quero que você proteste. Eu não quero que você tumultue.
    Eu não quero que você escreva para o seu congressista, porque eu não saberia o que dizer para você escrever.
    Eu não sei o que fazer sobre a depressão ea inflação e os ‘congressistas’ e o crime na rua.

    Tudo que eu sei é que primeiro, você tem que ficar irado.
    Você tem que dizer: “Eu sou um ser humano, maldição! Minha vida tem valor!”

    Então, quero que você se levante agora. Quero que todos se levantem de suas cadeiras.
    Quero que você se levante agora e vá até a janela, abra, e coloque a cabeça para fora e gritar:

    “Estou tão furioso com este inferno!
    E eu não vou tolerar mais isso !! “

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *