Um país de cordeiros, que sempre aceitam ser explorados

Luiz Cordioli

Enquanto isto, os contratos destes canalhas continuam andando. O Brasil não pode parar. Penso muito na Camargo Corrêa quando entro na Bandeirantes, estrada construída e paga com meu dinheiro, seu dinheiro, leitor paulista, nosso dinheiro cidadão. Empresa bandida, cobrando pedágio de pessoas comuns, que não têm como impedir. De minha cidade à capital, ida e volta, R$ 80,00 reais, por viagem! E toca o bonde que, em 2016, chegaremos a R$ 100,00…

À noite, então, dá pena ver o espetáculo dantesco: aquela fila imensa de faróis contra e aquela outra fila imensa de lanterninhas vermelhas, a favor… Não é exatamente isto mesmo o que se conseguiu, na vida política deste país?

Os cidadãos restritos à faixa liberada para suas “vontades”, um pagamentinho de cada um, que ninguém é de ferro e por isto mesmo, ninguém reclama eficazmente e na escuridão circundante os fantasmas, comendo por fora, sem que se veja nada.

Este cidadão aqui exige a pista lateral obrigatória, construída pela concessionária, e não pedagiada, como se faz em outros países mais civilizados. Sei não, mas acho que minha exigência não vai prosperar…

PESSOAS SUBMISSAS

As pessoas querem mais é só andar, mesmo que seja só onde lhe deixam, mesmo que seja perdendo um pouco e isto é bem claro quando ouço dizerem: “pelo menos, temos a estrada…”

A tristeza por esta resposta suicida, submissa, bem senzala, é que o malfeito, aceito ou contornado, vira justificativa para o próprio malfeito! Façamos errado, porque mesmo se formos pegos, os contratos continuarão andando e, portanto, malfeitando… Este é o chamado à luta desigual que vemos.

Acabei de ouvir o mesmo raciocínio, quando expus o problema do Artigo 166 da Constituição (artigo fraudado, mas em pleno vigor), a uma eminência jurídica, que me antecipou os rumos da questão: lá no final, Luiz, ainda assim, com tudo provado, os decisores ainda podem adotar a “Teoria do Caos” e deixar tudo como está.

É só alegarem que, se mudar, vai ficar pior do que está e nada se fará. Em outras palavras: mesmo que esteja correto, não vamos fazer. Porque não fazer será melhor para o Brasil… Bem assim, bem claro, bem objetivo, bem direto.

POR CIMA DA RAPADURA

A ideia jurídica colocada me pareceu perfeita, mas só para quem está por cima da rapadura. Imagine um problema criado pelo 0,01% e a resposta dos 99,9% chegando aos Supremos e seus decisores democráticos. O Juiz decisor pega o caso e nesta linha, que eles dizem possível, toma sua decisão. Primeiro, descreve um futuro, agora, como qualquer de nós. Segundo, descreve um futuro ruim provocado exatamente com a mudança pretendida. Terceiro, alega que será pior, amanhã, se a mudança for feita. Quarto, fundamentadamente, pois, ante a “Teoria do Caos” do bom direito, para o bem da população, recusa a mudança e deixa tudo como está, tudo que você mesmo já determinou, hoje… Fundamentar é fundamental!!!

Me recordo de uma piada de 50 anos atrás, quando a personagem estrangeira vivida pela lindíssima atriz Kate Lyra, ao final do quadro, sempre concluía o absurdo colocado em foco, com esta frase antológica: “Brasilerrro é muuuuito bonzinho.”

AUDITORIA DA DÍVIDA

A outra, não é piada, é realidade escrita e documentada: no relatório final da CPI da Dívida, em 2010 (!), expostas as barbaridades encontradas, o relator, Pedro Novais, languidamente, colocou na sua conclusão, a seguinte frase:

“Pela importância que o cumprimento do serviço da dívida tem na restauração e manutenção da credibilidade do País, entendemos que esta rubrica deva ser preservada do processo de formulação de emendas, conforme consta atualmente do texto constitucional”.

E ficou tudo como estava. Nada se auditou. E bola pra frente… Chorando, hoje? Por quê?

3 thoughts on “Um país de cordeiros, que sempre aceitam ser explorados

  1. N]ao esquenta a cabeça, ou melhor o bolso, este ano o Gênio da Administração Interplanetário deu mais aumentos para os pedágios acima de inflação para agradar áqueles que abastecem o caixa do Partidao da Ética, e no ano que vem tem mais,
    Já vai preparando o bolso e a paciência para ficar parando em pedágios e pedágios, se não engano, daqi a São Jose do Rio Preto são 18 peda´gios, 9 para ir, e 9 para voltar, fora mais um federal…..
    Esse é o Estado dirigido pelos OS MAIS PREPARADOS, OS QUE TEM MAIS IDEIAS…..
    A proposito, onde foram parar o dinheiro que nós pagamos para constuir as Estradas??
    VIVE LA FRANCE>!!!!!

    • No Ceará não tem disso não, tem disso não, tem disso não. Não, não, não, no Ceará não tem disso não (apud Luiz Gonzaga, o Rei do Baião)… mas, AINDA NÃO…

  2. Não vejo falha no citado artigo da CF pelo autor.

    O que se espera é que o TCU cumpra o seu papel com maestria na análise do cumprimento ou não da Lei Orçamentária Anual e do Plano Plurianual pela atual presidente e, enviando o seu parecer para a Câmara dos Deputados, seja acusada a presidente por crime de responsabilidade por dois terços da Câmara – responsável que é -, tecnicamente, também, julgada pelo Senado conforme art. 85, inciso V e VI da própria constituição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *