Um partido fascista

Sebastião Nery

Uma tarde de 1970, o governador do Paraná, Paulo Pimentel, conversou longamente com o deputado da Arena, Haroldo León Perez, no escritório do Estado, no Rio. Saiu Perez, Pimentel estava furioso:

– Este Haroldo é um idiota. Imagina que veio aqui me dizer que vai ser o próximo governador. Já está escolhido, mas gostaria de ter o meu apoio. Em troca, assegura um ministério para mim, o da Agricultura. Mal conseguiu eleger-se deputado, não tem prestígio nenhum, eu não o quero, o Ney não aceita, como é que vai ser governador e negociando ministério?

Uma semana depois, ao fim de um jantar, em Brasília, em um jogo de cartas,o general Médici disse à mulher do deputado León Perez (Paraná):

– A senhora está de parabéns. Amanhã, saberá.

MEDICI

No dia seguinte o governador Paulo Pimentel e o senador Ney Braga foram chamados ao Palácio do Planalto pelo presidente Médici:

– Quero comunicar aos senhores que o governador do Paraná vai ser o deputado Leopoldo Perez. Ney Braga, pálido, baixa os olhos. Paulo Pimentel sorri amarelo:

– Mas, Presidente, o deputado Leopoldo Perez, secretário-geral da Arena, é do Amazonas. Não tem nada a ver com o Paraná.

– Não é esse, não, governador. É o outro.

– Que outro, presidente?

Medici fica irritado, grita irado:

– É o outro, o do seu Estado.

– O Haroldo Perez?

– Sim, sim. Esse mesmo.

Paulo saiu do Palácio para o aeroporto, Ney para uma casa de saúde. Um ano depois o Perez de Medici foi posto fora do governo por ladroagem.

MUSSOLINI

O nome disso é fascismo. Quando o poder é imposto pela força. Medici queria, Medici podia, Medici nomeava. O pais que se danasse. Em 1922, na Itália, Benito Mussolini dizia-se um “líder socialista”. Criou seus camisas negras, seus grupos de assalto, os “Fascio”, organizou uma “Marcha Sobre Roma”, recebeu “plenos moderes” do Parlamento, prendeu seus antigos companheiros Antonio Gramsci, Silvio Pelico, matou milhares, criou o “Movimento Social Italiano” tendo como pedra angular a “unicidade sindical”, impôs à Itália o regime fascista e se aliou a Hitler.

Deu no que deu. Fanfarrão como Lula, acabou pendurado de cabeça para baixo, berrando como um bode imundo, em um posto de gasolina.

LULA

Lula começou a pôr as unhas de fora. Apareceu como um inofensivo líder sindical retirante protegido pelo legalista delegado Romeu Tuma, agarrado nas batinas da Igreja e nas botas do general Golbery. Tantos de nós, direta ou indiretamente, de uma forma ou de outra, o ajudamos. Criou o PT, o “Partido dos Trabalhadores”, como se só eles fossem trabalhadores, e a CUT, a Central “Única” dos Trabalhadores, como se só ela fosse dos trabalhadores. Era a repetição da “unicidade sindical” de Mussolini.

De repente, Lula convocou o PT a ser um partido fascista. (seus “fascio”) sob o comando de seu presidente Rui Falcão, indisfarçado “teórico fascista”, e “sair para a guerra, guerra total a quem ameaçar a conquista da hegemonia em torno do nosso projeto de sociedade” (Globo).

HEGEMONIA

Em política, em matéria de conquista de poder, “hegemonia” está com toda a simplicidade muito bem definida pelo saudoso mestre Houaiss:

– “Hegemonia – Supremacia ou superioridade cultural, econômica ou militar de um povo… supremacia, influencia preponderante… autoridade soberana… liderança, predominância ou superioridade”.

É toda a base do fascismo. Antes o PT rosnava. Agora já começaram a morder. Na TV, o deslumbrado baiano aprendiz de Goebbels (chefe da propaganda de Hitler) João Santana apela para o mais escrachado terrorismo, querendo fazer do medo o centro das próximas eleições. Com Dilma derrapando toda semana nas pesquisas, vaiada toda vez que aparece em publico, só podendo mostrar a cara nos fundos do Planalto ou nos convescotes do Alvorada, eles estão com medo de perderem as bocas sujas, os conselhos fajutos, as maracutaias passagenas. As urnas vêm ai.

12 thoughts on “Um partido fascista

  1. Ser anti-petista é até compreensível. Atribuir a Mussolini o approach quanto ao conceito de hegemonia é prestidigitação! Coube a Antonio Gramsci formular o conceito e defender a tese da “hegemonia” como busca e manutenção do poder numa sociedade classes, prescindindo do uso da força manu militari.

  2. Uma beleza de artigo.

    Um dos melhores do Sr. Nery.

    E isso, sem nem tocar no assunto: Foro de São Paulo.

    É muita competência deste jornalista.

    Parabéns, Sr. Nery!

  3. No futuro, não tão distante, a farsa Lula será contada. No ABC, quem conhece Lula desde cedo, sabe que nunca foi coisa boa. Por que o corajosão foge do debate com FHC, já proposto anteriormente? Só fala para platéia amestrada, daí fica fácil berrar.

  4. Senhor Nery

    Para completar, agora, falta pendurar de cabeça para baixo o Lula e, sugiro, que ao invés de um posto de gasolina, como Mussoline, seja num poço de petróleo (Pasadena é muito longe).

  5. O fascismo, o nazismo e o comunismo se equivalem como religião e , como tal o fanatismo e o crime é sua essência., o hediondo encontra justificativas plenas para sua prática.
    E temos agora no Brasil o PT, da religião do crime marxista-leninista, o comunismo, em que os fins justificam os meios para a permanência no poder para sempre.
    A prova cabal mais recente disso , foi a ordem para matar Joaquim Barbosa por um dos membros da comissão de ética do PT em Natal, com a concordância explícita de todos os integrantes no país deste partido criminoso, pelo silêncio que fizeram.

  6. Espero que nos seus oitenta anos o jornalista não esqueça que fundou o PDT com Brizola e logo após saiu espinafrando o Brizola ,foi parceiro do Collor,o que já o descredencia a, falar de quer que seja.

    • Pode até ser, mas que o partido governista tem clara tendência fascista, isto é óbvio, pode-se perceber pela criação de uma militância virtual que chega a falar em homicídio, a tentativa clara de fazer as empresas trabalhar para o partido, para o mandatário, por isso que qualquer um é melhor que o PT.

  7. Eu que pouco estudei sei que o conceito hegemonia e bloco hegemônico foi elaborado pelo Antonio Gramsci imagine o jornalista Sebastião Nery não saber.

  8. Sr. Jornalista Sebastião Nery, o senhor falou tudo.
    Pena que a grande maioria (eleitores do PT) do povo brasileiro não tem discernimento para entender o conteúdo do seu artigo.

    “Sr. João (o mais instruído), o Sr. está cada vez mais avassalador.”
    Não, até que não!
    Mas gostei da sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *