Um poema de Castro Alves, em homenagem ao 7 de setembro, o Dia da Liberdade

Resultado de imagem para castro alvesPaulo Peres
Site Poemas & Canções
O baiano Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), considerado um dos mais brilhantes poetas românticos brasileiros, é chamado de “cantor dos escravos” pelo seu entusiasmo diante das grandes causas da liberdade e da Justiça. Pela libertação da pátria, Castro Alves escreveu o poema “Ao Dia Sete de Setembro”, quando o Brasil era governado por D. Pedro I.

AO DIA SETE DE SETEMBRO
Castro Alves

Mancebos, que sois a esperança
Do majestoso Brasil;
Mancebos, que inda tão tenros
Sabeis de louro gentil
Adornar o pátrio dia,
Nosso dia senhoril!

Eis que assomou sobre os montes
Além, sobre a antiga serra,
Entre mil nuvens de rosa,
O dia de nossa terra;
Aquele que para a Pátria
Milhões de glórias encerra.

Foi hoje que o Lusitano,
Que o filho de além do mar,
Despertou com forte brado
A Pátria que era a sonhar,
Que nem sequer escutava
A liberdade a expirar.

E o brado: — “Livres ou mortos”
Lá nos bosques retumbou;
E mais contente o Ipiranga
As suas águas rolou;
E o eco d’alta montanha
Todo o Brasil ecoou.

E as montanhas lá do Sul,
E as montanhas lá do Norte,
Repetiram em seus cumes:
Sempre ser livres ou morte…
E lá na luta renhida
Cada qual luta mais forte.

Sim, nos combates que, ousados,
Travaram cem contra mil,
O mancebo que nascera
Sob este azul céu de anil,
Forte como um Bonaparte,
Batia o forte fuzil.

E cada qual no combate
Ao ribombar do canhão
Queria à custa da vida
Dar à Pátria salvação,
Vingar a terra natal
D’aviltante servidão.

Eia, pois, flores da Pátria,
Esp’rançosa mocidade!
Que os Andradas e os Machados
Do alto da Eternidade
Contentes vos abençoam
No dia da Liberdade.

One thought on “Um poema de Castro Alves, em homenagem ao 7 de setembro, o Dia da Liberdade

  1. Nunca havia lido um poema de Castro Alves tão fraco.
    Parece que houve uma tentativa do bom baiano de metrificar os versos, inclusive, com emprego de apóstrofo, mas a extensão silábica ficou oscilando entre 6 e 7.
    Fraseamento truncado e desconcatenado, sem expectativa é sem alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *