Um protesto baiano, de Capinam e Gilberto Gil

Capinam é um dos mais antigos parceiros de Gilberto Gil

O advogado, publicitário, poeta e letrista baiano, José Carlos Capinan, em parceria com Gilberto Gil, retrata de modo romântico um dos locais mais tradicionais de Salvador, a feira popular “Água de Meninos” e insinua em forma de protesto seu incêndio, na década de 60, pelos poderes públicos para dar vazão a especulação imobiliária. Essa música foi gravada por Gilberto Gil no Álbum Louvação, em 1967, pela Philips.

ÁGUA DE MENINOS

Gilberto Gil e Capinam

Na minha terra a Bahia
Entre o mar e a poesia
Tem um porto,Salvador
As ladeiras da cidade
Descem das nuvens pro mar
E num tempo que passou-ô ô ô
Toda a cidade descia
Vinha pra feira comprar.

Água de Meninos,quero morar
Quero rede e tangerina
Quero o peixe desse mar
Quero o vento dessa praia
Quero azul,quero ficar
Com a moça que chegou
Vestida de rendas,ô
Vinda de Taperoá.

Por cima da feira as nuvens
Atrás da feira,a cidade
Na frente da feira o mar
Atrás do mar,a marinha
Atrás da marinha,o moinho
Atrás do moinho o governo
Que quis a feira acabar…

Dentro da feira,o povo
Dentro do povo,a moça
Dentro da moça,a noiva
Vestida de rendas,ô
Abre a roda pra sambar.

Moinho da Bahia queimou
Queimou, deixa queimar
Abre a roda pra sambar.

A feira nem bem sabia
Se ía pro mar ou subia
E nem o povo queria
Escolher outro lugar
Enquanto a feira não via
A hora de se mudar.

Tocaram fogo na feira
Ai, me diga, mi’a sinhá
Pra onde correu o povo
Pra onde correu a moça
Vinda de Taperoá ?…

Água de Meninos chorou
Caranguejo correu pra lama
Saveiro ficou na costa
A moringa rebentou
Dos olhos do barraqueiro
Muita água derramou.

Água de Meninos chorou
Quem ficou foi a saudade
Da noiva dentro da moça
Vinda de Taperoá
Vestida de rendas,ô
Abre a roda pra passar.

Moinho da Bahia queimou
Queimou,deixa queimar
Abre a roda pra sambar
Pra sambar…Pra sambar…

 

                (Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

One thought on “Um protesto baiano, de Capinam e Gilberto Gil

  1. Maravilha, eterna maravilha!
    S.A. MOINHO DA BAHIA
    foi lá o meu único emprego, onde trabalhei cerca de trinta anos
    e esse pedação todo, Cidade Baixa até Penha, na Ribeira, andei, andei,
    a pé, de ônibus, tudo, tudo por aí, tem meu cheiro e até hoje em dia,
    viajo sonhando e pedindo a Deus para voltar pra lá.

    OBS: fiz uns versinhos baseados em ”Moinho da Bahia queimou” (coisas só minhas)

Deixe uma resposta para Maria Susana Lopes Rheinschmitt Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *