Um verdadeiro hino de amor a São Paulo

O cantor, músico, produtor, escritor, poeta e compositor baiano Caetano Emanuel Viana Teles Veloso, na letra de “Sampa”, traduz as impressões que a capital paulista causa ao imigrante, que se traduz num hino de amor à cidade, pois a letra também deve ser analisada levando-se em conta o contexto da época e do próprio momento da vida do autor. A música foi gravada por Caetano Veloso no LP Muito (dentro da estrela azulada), em 1978, pela Philips.

SAMPA

Caetano Veloso

Alguma coisa acontece
No meu coração
Que só quando cruzo a Ipiranga
E a Avenida São João…

É que quando eu cheguei por aqui
Eu nada entendi
Da dura poesia
Concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta
De tuas meninas…

Ainda não havia para mim Rita Lee
A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruzo a Ipiranga
E a Avenida São João…

Quando eu te encarei
Frente a frente
Não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi
De mau gosto, mau gosto
É que Narciso acha feio
O que não é espelho
E a mente apavora
O que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes
Quando não somos mutantes…

E foste um difícil começo
Afasto o que não conheço
E quem vem de outro sonho
Feliz de cidade
Aprende de pressa a chamar-te
De realidade
Porque és o avesso
Do avesso, do avesso, do avesso…

Do povo oprimido nas filas
Nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue
E destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe
Apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas
De campos e espaços
Tuas oficinas de florestas
Teus deuses da chuva…

Panaméricas
De Áfricas utópicas
Túmulo do samba
Mais possível novo
Quilombo de Zumbi
E os novos baianos
Passeiam na tua garoa
E novos baianos
Te podem curtir numa boa…               

(Colaboração enviada por Paulo Peres – site Poemas & Canções)

One thought on “Um verdadeiro hino de amor a São Paulo

  1. Oh, Tempinho bom que não volta nunca mais, andei muito por essas bandas do centro por milhares de vezes quando trabalhava no Largo São Francisco como office-boy, no final dos anos 70 para inicio dos 80..
    Fiz muitas ‘”viagens a pé” pelas ruas do centro, essas duas maravilhas paulistas foram muitas delas.
    Costuma ir na Galeria do Rock, entrava pela 24 de Maio e na outra ponta saia na Av. São João.
    Uma viagem do tempo ver essas duas placas….
    FAz muito tempo que não vou ao Centro Velho de Sp, mas como tenho amigos que costumam ir, dizem que aquilo virou um espetáculo de horrores de zumbis noiados, centenas de milhares de mendigos, carroceiros, e agora uma invasão Multi-Global de haitianos, africanos de todos os países…….
    Lamentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *