Uma canção de protesto de Gonzaguinha, ensinando que não se deve baixar a cabeça

Gonzaguinha e o pai, dois mestres da MPB

Paulo Peres
Poemas & Canções

 
O economista, cantor e compositor carioca Luiz Gonzaga do Nascimento Junior (1945-1991) , mais conhecido como Gonzaguinha é, sem dúvida, um dos maiores talentos da Música Brasileira em seus diversos estilos populares. Sua obra teve, inicialmente, como característica sua postura de crítica à ditadura militar, conforme mostra a letra da música “Comportamento Geral”, gravada no LP Luiz Gonzaga Junior (Gonzaguinha), em 1973, pela Odeon.

COMPORTAMENTO GERAL
Gonzaguinha

Você deve notar que não tem mais tutu
e dizer que não está preocupado
Você deve lutar pela xepa da feira
e dizer que está recompensado
Você deve estampar sempre um ar de alegria
e dizer: tudo tem melhorado
Você deve rezar pelo bem do patrão
e esquecer que está desempregado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você deve aprender a baixar a cabeça
E dizer sempre: “Muito obrigado”
São palavras que ainda te deixam dizer
Por ser homem bem disciplinado
Deve pois só fazer pelo bem da Nação
Tudo aquilo que for ordenado
Pra ganhar um Fuscão no juízo final
E diploma de bem comportado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal

E um Fuscão no juízo final
Você merece, você merece

E diploma de bem comportado
Você merece, você merece

Esqueça que está desempregado
Você merece, você merece

Tudo vai bem, tudo legal

4 thoughts on “Uma canção de protesto de Gonzaguinha, ensinando que não se deve baixar a cabeça

  1. Tudo bem, tudo legal
    E ainda tem gente que votou
    E votará nesse patrão desleal
    A vida piorou, não se importam com o povão
    Não perdem por favor esperar
    Vem aí, uma nova eleição.

  2. POEMA – Saraiva Leão

    Estes olhos que vedes e que vos vêem
    já viram olhos como eu vejo,
    viram lábios mais vermelhos
    (não aqui:noutros espelhos )
    do que o encarnado do vosso beijo

    Estes olhos que ausentes me contemplam
    agora , reconhecem , por certo , os de outrora
    que vos olhavam olhavam, presentes,
    vos olhava da noite à aurora;

    estes olhos , ora quedos, ora alados,
    vezes ledos, outras triste,
    olhos de si amotinados, olhos
    que cegastes pois tanto vistes,

    Olhos que vêem ermos, e
    que se inundam de prazer , de dor,
    olhos que querem ver –
    estes olhos , são os mesmos , meu amor

Deixe um comentário para Roberto Nascimento Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *