Uma canção de Vasco Debritto, que inventa um mundo em que a gente possa ser feliz

 sem censura: músico teve músicas vetadas e conheceu Tom Jobim

Debritto teve muitas música censuradas na ditadura

Paulo Peres
Poemas & Canções

 

O engenheiro, produtor musical, arranjador, cantor e compositor paulista Vasco Ramos de Debritto deseja, na letra de “Invenção”, brincar de ser feliz.  A música foi gravada pelo próprio compositor no CD Praias do Corais, em 2001, pela Polistar.

INVENÇÃO
Vasco Debritto

Queria brincar de ser feliz (ser feliz)
Inventei um grande amor, um avião (voei)
Voei de féria pra Paris
Vivia eu então, tal qual um aprendiz

Saí pro jardim das hortelãs (hortelãs)
Nem bati a porta, nem olhei pra trás (deixei)
Sentia muito mais o cheiro das manhãs

Na rua os guris
Jogavam jogos infantis
No caminho das pedras
Quase ninguém se perdia: luz néon
Nem tudo fantasia
A gente falava de amor
Futuro então
Não era nada assustado

Eu ia tão leve a flutuar (flutuar)
Descobri a dimensão, espaço, grau (o tempo)
Tempo parado no olhar
Num voo colossal, seguia a imaginar

Até o meu país
Se engrandeceu qual eu quis
E pelas alamedas
Não se viam mais mendigos, coisas assim
Não tinha mais perigo
A noite já não era breu
Que bom, enfim
O medo a gente já esqueceu

2 thoughts on “Uma canção de Vasco Debritto, que inventa um mundo em que a gente possa ser feliz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *