Uma canção para retratar os momentos que as canções nos trazem

Imagem relacionada

Brant e Milton, amigos e parceiros

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

O advogado, compositor e poeta mineiro Fernando Rocha Brant (1946-2015) afirma que, em “Canções e Momentos”buscou com o parceiro Milton Nascimento retratar o canto da própria canção e dos momentos que ela tenta capturar, tal é a profissão e missão do cantor tentar explicar o lugar exato das duas instâncias: por isso canta, usa a voz, para contar a canção. Essa música foi gravada por seu parceiro Milton Nascimento no LP Yauaretê, em 1987, pela CBS.

CANÇÕES E MOMENTOS
Milton Nascimento e Fernando Brant

Há canções e há momentos
Eu não sei como explicar
Em que a voz é um instrumento
Que eu não posso controlar
Ela vai ao infinito
Ela amarra todos nós
E é um só sentimento
Na platéia e na voz

Há canções e há momentos
Em que a voz vem da raiz
Eu não sei se quando triste
Ou se quando sou feliz
Eu só sei que há momentos
Que se casa com canção
De fazer tal casamento
Vive a minha profissão

2 thoughts on “Uma canção para retratar os momentos que as canções nos trazem

  1. “Eu só sei que há momentos
    Que se casa com canção
    De fazer tal casamento
    Vive a minha profissão”

    Brant de saudosa memória e Milton (que canta com a voz de Deus, conforme dizia Elis Regina), nesta canção nos fala do casamento da poesia com a música. Uma musicoterapia . Louvada seja essa dupla.

  2. Não se pode dissociar Milton Nascimento de Fernando Brant. Travessia, uma das minhas preferidas, interpretada por Milton Nascimento emociona. Milton era a referência musical de Brant..Travessia tem uma referência musical Na MPB. Fala em de amor, sofrimento, morte, vida, angústia, sonho e tentativa de superação.

    Travessia
    Milton Nascimento – Fernando Brant
    Quando você foi embora
    Fez-se noite em meu viver
    Forte eu sou mas não tem jeito
    Hoje eu tenho que chorar
    Minha casa não é minha
    E nem é meu este lugar
    Estou só e não resisto
    Muito tenho pra falar
    Solto a voz nas estradas
    Já não quero parar
    Meu caminho é de pedra
    Como posso sonhar
    Sonho feito de brisa
    Vento vem terminar
    Vou fechar o meu pranto
    Vou querer me matar
    Vou seguindo pela vida
    Me esquecendo de você
    Eu não quero mais a morte
    Tenho muito que viver
    Vou querer amar de novo
    E se não der não vou sofrer
    Já não sonho, hoje faço
    Com meu braço o meu viver
    Solto a voz nas estradas
    Já não quero parar
    Meu caminho é de pedra
    Como posso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *