Uma desesperada canção de amor, na poesia dramática de Álvares de Azevedo

Sou o sonho de tua esperança, Tua febre... Álvares de AzevedoPaulo Peres
Poemas & Canções

O dramaturgo, ensaísta, contista e poeta paulista Manuel Antônio Álvares de Azevedo (1831-1852), no poema “Por Que Mentias?”, tenta saber por que seu amor acabou em traição.

POR QUE MENTIAS?
Álvares de Azevedo

Por que mentias leviana e bela?
Se minha face pálida sentias
Queimada pela febre, e minha vida
Tu vias desmaiar, por que mentias?

Acordei da ilusão, a sós morrendo
Sinto na mocidade as agonias.
Por tua causa desespero e morro…
Leviana sem dó, por que mentias?

Sabe Deus se te amei! Sabem as noites
Essa dor que alentei, que tu nutrias!
Sabe esse pobre coração que treme
Que a esperança perdeu por que mentias!

Vê minha palidez – a febre lenta
Esse fogo das pálpebras sombrias…
Pousa a mão no meu peito!
Eu morro! Eu morro!
Leviana sem dó, por que mentias?  

4 thoughts on “Uma desesperada canção de amor, na poesia dramática de Álvares de Azevedo

  1. Em quais desses avanços tecnologico/científicos participamos:

    Invenção do Radio, da TV
    Penicilina
    Estrutura molecular do DNA.
    RNA-sequenciamento
    Edição do Genoma
    Energia solar e eólica
    Anestésicos
    Computador, PC, internet
    telefone celular
    Redes Sociais pela Internet

    Nenhum! Não será porque em vez de fazermos Ciência faziamos versinhos para a moçoilas desocupadas lerem extasiadas nos salões sombrios das chácaras?
    Essas tolices não me convencem. O coitado da poesia deveria ter percebido que ele não passava de um fraco desprezado. Esse tipo de herói não tem lugar na minha prateleira.

  2. 1) A poesia acima nos fala de um Estilo de Época na Literatura chamado Romantismo.

    2) Era moda ficar sofrendo com a dor de cotovelo, versos depressivos etc.

    3) A Sociologia da Literatura nos explica que no citado período o Brasil era colônia, com todos os sofrimentos e expoliações que o povo sofre. Sofrimento que permanece até hoje.

    4) Então, meu prezado Sapo de Toga, sendo o Brasil colônia do Grande capital, passível de todas as opressões, não me consta que em nenhum país-colônia do mundo as invenções tecnológicas que vc citou, sugiram/nasceram ou se desenvolveram. Se estou errado por favor me diga.

    5) A matriz não deixa e as elites se acomodam.

    6) Abraços de boa semana !

    • Os Estados Unidos foram um país-colônia de uma potência poderosa, a Inglaterra.
      As colônias da américa eram pobres e extorquidas através das taxas impostas a elas pelo colonizador. No entanto a maioria das descobertas e invenções que citei foram conseguidas no Estados Unidos!
      A Harvard University foi fundada em 1636 (e não foi para ensinar a fazer versinhos!). Muitas outras universidades famosas até hoje nasceram naquela época: College of William & Mary, Dartmouth, Princeton, etc.
      Benjamin Franklin, um dos fundadores da nação americana era respeitado como grande cientista mesmo na europa. Ele estudou a natureza dos raios e contribuiu para um melhor entendimento da eletricidade (se hoje usamos pára-raios agradecemos a ele!).
      Não é a poesia a causadora do atraso do nosso país, mas a sua valorização em detrimento da Ciência.
      Boa semana!

  3. Muito bem, Antonio Rocha. Excelente análise.
    Álvares de Azevedo foi o poeta, que expressou com maior nitidez, o período Romântico.
    Seus poemas, descrevem a lápide fria, o beijo gelado, trevas, morte.
    Foi a época dele.
    Como será os poemas do nosso tempo pandemico, daqui há 200 anos?
    Com certeza de muita tristeza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *