Uma discreta folha de parreira, para cobrir o olhar da amada do poeta Artur Azevedo

Projeto Cultural Queridos para Sempre! Homenagem Além da Vida - Artur de  Azevedo

Artur Azevedo, um grande dramaturgo e poeta

Paulo Peres
Poemas & Canções

O dramaturgo, jornalista, contista e poeta maranhense Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo (1855-1908) sustenta que “Por Decoro”, os olhos do seu amor, quando expostos publicamente, deveriam estar cobertos por uma discreta folha de parreira.

POR DECORO
Artur Azevedo

Quando me esperas, palpitando amores,
e os lábios grossos e úmidos me estendes,
e do teu corpo cálido desprendes
desconhecido olor de estranhas flores;

quando, toda suspiros e fervores,
nesta prisão de músculos te prendes,
e aos meus beijos de sátiro te rendes,
furtando às rosas as purpúreas cores;

os olhos teus, inexpressivamente,
entrefechados, lânguidos, tranquilos,
olham, meu doce amor, de tal maneira,

que, se olhassem assim, publicamente,
deveria, perdoa-me, cobri-los
uma discreta folha de parreira.

2 thoughts on “Uma discreta folha de parreira, para cobrir o olhar da amada do poeta Artur Azevedo

  1. SEM DECORO

    Queria ver-te nua, nua, inteiramente nua,
    Não por erotismo, embora assim pareça,
    Mas para que em teu corpo não exista
    Um só milímetro que eu não conheça.

    Queria em teus seios macios tocar,
    E no teu corpo o meu aquecer;
    Queria ter-te, sôfrega, a exsudar
    O suor quente do lascivo prazer.

    Queria ser louco por ti, te amar,
    Ser parte do teu próprio ser;
    Queria, enfim, de todo me dar,
    Morrer em mim, em ti renascer!

    (* ùltima re-edição, prometo!)

  2. 1) Boas poesias, a do Azevedo e a do Toga.

    2) Por falar em Literatura… memória…licença …

    3) Em 17/11/1910 nascia em Fortaleza a escritora e jornalista Rachel de Queiroz, a primeira mulher a ser eleita na Academia Brasileira de Letras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *