Uma família heroica perde agora seu lado artístico

Resultado de imagem para agildo ribeiro

Agildo Ribeiro, grande mestre do humor

Sebastião Nery

Agildo Barata, herói dos tenentes dos anos 1920, dos capitães de 1935 e dos comunistas de 1945 (pai do querido Agildo Ribeiro, descendente do baiano Cipriano Barata, cirurgião, filósofo, deputado, mas sobretudo mestre do jornalismo de combate, cuja biografia o historiador Marco Morel escreveu) era o menor e mais valente dos prisioneiros de Fernando de Noronha, entre 1935 e 1945, na ditadura de Getúlio Vargas.

Um guarda enorme, bruto e violento, sempre armado, estava espancando presos, que se reuniram e encarregaram Agildo de falar com ele para dar um basta. Na hora da chamada matinal, todos no pátio, Agildo, baixinho, mãozinha miúda, deu dois passos à frente, ficou algum tempo parado diante do brutamontes, enfiou o dedo no nariz dele e disse que, na primeira vez em que ele batesse em um preso, iria matá-lo em público.

CAIU DURO – O guarda ficou parado, imóvel, arregalou os olhos e bomba!, caiu duro. Começou o corre-corre. Chamaram o médico do presídio. Antes dele, chegou chorando a mulher, debruçou-se sobre ele, gritando desesperada:

– “Meu amor, não morra! Você não pode morrer! Não me deixe!”

Punha a mão nos olhos, no coração, pegava o pulso, conferindo. Chegou o médico. Não adiantava mais nada. O guarda estava morto. A mulher gritava:

– “Doutor, me diga. Ele morreu mesmo? Será que não é só um desmaio?”

– “Não, minha senhora. Morreu. Acalme-se. Não há mais o que fazer.”

ERA UM BANDIDO – A mulher ajoelhou-se, enfiou os dedos nos olhos dele, convenceu-se e se levantou, sorrindo histérica:

– “Graças a Deus, doutor! Ele está morto mesmo! Morreu tarde! Isso era um bandido, um canalha. Me batia, quase me matava todo dia. Morreu tarde. Todo poderoso, todo valentão um dia se acaba!”

3 thoughts on “Uma família heroica perde agora seu lado artístico

  1. Agildo Ribeiro dizia que quando abria a boca todo mundo ria. Então ele compreendeu que sua missão era fazer rir, alegrar as pessoas. E cumpriu muito bem sua tarefa aqui na Terra, como Capitão do riso, como era conhecido. Eu dei boas risadas com ele. Descanse em Paz merecidamente.

  2. Boa noite.

    Largado pelo o da poltrona safado, nunca me enganou com aquela cara de bonzinho nordestino, mas gostava mesmo do CRIANÇA ESPERANÇA. Digo, salvou as crianças ou encheram os burros de dinheiros? Estou apenas perguntando, não tenho nada que fale o contrário. Que o diga o MUSSUN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *