Uma Feliz Páscoa a todos, na visão do poeta carioca Paulo Peres

Exibindo Cópia de _DSC0225.jpg

Paulo Peres, advogado, poeta e compositor

Páscoa
(Paulo Peres)

Há mais de dois mil anos,
Jesus Cristo tentou
Mostrar à Humanidade
Uma vida melhor,
Mas a ignorância
Da maior parte da população
Incentivada
Pelos poderes da época,
Mercenários e imperialistas,
Como os de hoje,
Impediram-no…

Houve sofrimento,
Houve lágrimas,
Houve escuridão…

Todavia,
Houve sabedoria,
Houve fé,
Houve busca,
Houve perdão,
Houve salvação,
Houve liberdade,
Houve luz,
Houve RESSUREIÇÃO!..

Ressureição diária
Que existe na PÁSCOA
Do coração
De quem tem como dogma
Os Mandamentos
Da Justiça Divina!…

3 thoughts on “Uma Feliz Páscoa a todos, na visão do poeta carioca Paulo Peres

  1. Feliz Páscoa!

    “Toda hora que acordo com o murmúrio
    Das palhas desse milho
    Assustado, esfrego o olho e sonho
    Que é meu amor que vai chegar

    Vou plantar uma nova estrela
    Três grãos, dourado milho
    E lá no alto
    O brilho dos teus passos
    Vai ser murmúrio das palhas de milho
    Cá do meu roçado”

    Composição: Capenga / Patinhas

    “Cuidar bem do pé de milho
    Que demora a semente
    Meu pai disse: Meu filho
    Noite fria, tempo quente
    Lambada de serpente
    À traição
    Me enfeitiçou
    Quem tem amor ausente
    Já viveu a minha dor”

    Composição: Casaco / Djavan

    “E esse tempo de vinda tá perto de “vim”
    Sete Casca, Aroeira contaro prá mim
    Tartarena vai rodá, vai botá fulô
    Marela de uma veiz só
    Pra ela de uma veiz só
    (A)marela de uma veiz só
    Prá ela de uma veiz só”

    Composição: Elomar Figueira De Melo

  2. O QUE SIGNIFICA PÁSCOA? – JEAN-YVES LELOUP

    Este tema da passagem é o tema da Páscoa. Pessah em hebraico, quer dizer passagem. A passagem, no rio, de uma margem à outra margem, a passagem de um pensamento a outro pensamento, a passagem de um estado de consciência a outro estado de consciência. A passagem de um modo de vida a outro modo de vida.

    Esta fala de Jesus lembra que somos peregrinos sobre a terra. Somos passageiros. A vida é uma ponte e, como diziam os antigos, não se constrói uma casa sobre uma ponte. Temos que manter, ao mesmo tempo, as duas margens do rio, a matéria e o espírito, o céu e a terra, o masculino e o feminino e fazer a ponte entre estas nossas diferentes partes, sabendo que estamos de passagem. É importante lembrar-se do caráter passageiro de nossa existência, da impermanência de todas as coisas, pois o
    sofrimento geralmente é de querermos fazer durar o que não foi feito para durar.

    A grande Páscoa é a passagem desta vida mortal para a vida eterna, é a abertura do coração humano ao coração divino. É a passagem da escravidão para a liberdade, passagem que é simbolizada pela migração dos hebreus, do Egito para a terra Prometida. Mas não é preciso temer o Mar Vermelho. O mar de nossas memórias, de nossos medos, de nossas reações. Temos que atravessar todas estas ondas, todas estas tempestades, para tocar a terra da liberdade, o espaço da liberdade que
    existe dentro de nós.

    Sede passante! Creio que esta palavra é verdadeiramente um convite para continuarmos nosso caminho a partir do lugar onde algumas vezes paramos. Observemos o que para a vida em nós, o que impede o amor e o perdão, onde se localiza o medo dentro de nós. É por lá que é preciso passar; é lá nosso Mar Vermelho. Mas, ao mesmo tempo, não esqueçamos a luz, não esqueçamos a liberdade, a terra que nos foi prometida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *