Uma imaginária carta de uma mãe aflita, triste e preocupada com as diabruras de seu filho

Mãe de Jair Bolsonaro recebe a segunda dose da vacina contra a Covid-19 |  Santos e Região | G1

Mãe de Jair Bolsonaro, ao receber a vacina contra Covid-19

Vicente Limongi Netto

Olá, filho amado. Aqui é tua mãe, Olinda. Volto a escrever. Pesarosa. Tentando sacudir teu coração. Estou triste e preocupada.  Pare de dizer bobagens. Evite procurar sarna para se coçar.  O povo cansou das tuas diatribes.

Criamos você com lições de respeito e amor ao próximo. Eu e teu pai procuramos dar a você o norte sábio da vida. Sabíamos que teu temperamento arredio e ácido criaria problemas mais adiante. Desafogue teu coração de rancores. A nação precisa de paz. Não tem cabimento abrir arestas com a Anvisa. Muito menos com ministros do Supremo Tribunal Federal. Abaixe o facho. Teus filhos maiores andam quietos. Permaneçam assim. Boca fechada não entra mosca.

Do alto dos meus 95 anos, já vacinada, graças a Deus, digo-lhe que foi uma desgraceira dos diabos tua entrada na política. Você ganhou mais inimigos do que chuchu na serra. Longe da política você não teria sido vítima da sanha de um débil mental. Rezei muito, mais do costume, pela tua recuperação. Jesus ouviu meus clamores. Você já fez outras operações. Mas toda vez que sai do hospital, volta mais ranheta. Dando caneladas em todo mundo. Contenha-se, filho. Você já é crescidinho.

Toda mãe quer o bem dos filhos. O tempo urge. Cuide com mais esmero da população. Da população que perdeu tudo com as enchentes. Das crianças que passam fome.

Coloque a reeleição na dispensa das coisas para depois. Respeite as normas sanitárias. Deixe de ser intolerante. Apoie a vacinação para crianças. Vacine pessoalmente dezenas delas. Coloque-se no lugar do médico que perdeu a filha, de 6 anos, para a covid. Leve minha neta caçula para vacinar. Abra o coração. 

Inspire-se na alegria e na esperança dos idosos depois de vacinados. Comove corações. Contenha-se nas atitudes. Aspereza e estupidez não elevam tua jornada.

Fico triste e desalentada, vendo na televisão você sem máscara. Olhe para dentro de si. Mãe nunca erra. Reflita. Adormeça a consciência na serenidade. Deixe de ser açodado. Rodeie-se de auxiliares competentes e mande as favas os bajuladores. Procure guiar-se pelo bom senso. Respire fundo para evitar dizer tolices. Fique esperto para as tramas do guloso Centrão. Caso você não cresça nas pesquisas, logo passarão a apoiar Lula.

Não exagere no leite condensado. Faz mal ao colesterol. Mastigue bem os alimentos. Onde já se viu engasgar com camarão? Agasalhe-se bem. Torço por você. Beijos da mãe que te ama. Olinda.

GÉRSON E HERALDO – Respeito e aplausos para Gerson Nunes, o inigualável canhotinha de ouro do Tri, que completou 81 anos de idade. Niterói em festa. Ser humano irretocável, Gerson encantou estádios e torcedores, com futebol inteligente e objetivo. Ainda hoje, passados 60 anos, o futebol penta campeão do mundo ainda não encontrou um meia armador a altura de Gerson. Inacreditável.

Chefe de família exemplar, Gerson tem multidão de amigos e admiradores no mundo inteiro. Saúde e felicidade para ele.

Parabéns ao jornalista, também “peladeiro” dos bons, Heraldo Pereira, por ter sido o único profissional do Grupo Globo, em Brasília, entre tantos outros também excelentes repórteres, a ser lembrado e destacado nas mensagens de Ano Novo exibidas nas vinhetas da emissora. 

ANÁLISE ISENTA  – Não é forte coincidência, mas apenas uma boa e isenta análise. São 50 anos de vivência política. Longe de ser domador de animais, mas convivendo com feras de todos os tipos.

Nesse sentido, diante da constatação do experiente colunista Luiz Carlos Azedo (Correio Braziliense 13/01),segundo a qual,  “com muitos candidatos, a terceira via é um fracasso anunciado”, recordo o que escrevi, em junho de 2021, na Tribuna da Internet e Correio Braziliense: “O tempo passa e caciques de partidos contrários a Bolsonaro e Lula parecem distantes da sabedoria política. Não têm grandeza nem desprendimento para chegarem a um candidato que sensibilize e atraia o eleitorado, na disputa com Lula e Bolsonaro”. 

Por fim, uma pergunta inquietante: Você deixaria seu filho, ou neto, ser vacinado contra a covid, pelo destrambelhado e serviçal ministro da Saúde, Marcelo Queiroga?

3 thoughts on “Uma imaginária carta de uma mãe aflita, triste e preocupada com as diabruras de seu filho

  1. Por fim, uma pergunta inquietante: Você deixaria seu filho, ou neto, ser vacinado contra a covid, pelo destrambelhado e serviçal ministro da Saúde, Marcelo Queiroga?

    Não, não deixaria. Nem por ele, nem por qualquer outro. Não sou maluco de expor meus filhos e netos a uma vacina assassina.

  2. A mãe de Bolsonaro está queimando o filme dele. Acho que ela vai votar no Ciro.
    A mídia descarada começa vender a ideia que o covid provoca a redução peniana na margem de 4 centímetros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.