Uma putrefação lenta demais

Clóvis Rossi
Folha

A percepção externa da crise brasileira está bem retratada na revista peruana “Caretas”, cujo número mais recente diz que a Lava Jato “é a mais importante investigação anticorrupção na história brasileira e latino-americana”. É dizer muito quando se conhece como a história latino-americana é prenhe de escândalos formidáveis de corrupção.

O ponto alto do escândalo em curso foi a abertura de investigação a respeito de Luiz Inácio Lula da Silva, notícia que não escapou a nenhum jornal mais ou menos relevante do planeta.

“The New York Times” deu, aliás, um título significativo: “Brasil acrescenta ao inventário dos escândalos de corrupção a investigação de um ex-presidente”.

Já estamos, pois, pelo menos aos olhos de um dos grandes jornais do planeta, com um dossiê tão formidável de corrupção que se transformou em inventário – algo que usualmente se faz post-mortem. É natural, em assim sendo, que o público brasileiro sinta um cheiro nauseabundo de putrefação do ambiente político.

PROVA EM CONTRÁRIO

Claro que sempre é preciso ressalvar que todo mundo é inocente até prova em contrário – e a delação premiada não é suficiente como prova.

Mas o inventário a que se refere “The New York Times” está durando tempo demais, sem que haja culpados em definitivo, condenados pela Justiça ou inocentes definitivamente declarados, depois das investigações competentes. É urgente acelerar as coisas, sem, claro, abandonar todas as cautelas que garantam uma investigação limpa e legítima e a preservação integral do direito de defesa.

Está na hora de o Judiciário, até agora o único dos três Poderes cuja cúpula não foi colocada sob suspeição, criar uma força-tarefa, em coordenação com o Ministério Público e a Polícia Federal, para encerrar o “inventário”, mandando para a cadeia quem merecer e passando atestado de bons antecedentes para quem for inocente.

Um país, qualquer que seja, não pode conviver eternamente com a suspeita de que seus principais líderes e alguns de seus principais empresários são corruptos.

ECONOMIA ESTAGNADA

Como diz o subtítulo do artigo de sexta-feira, 17, de Pedro Luiz Passos, presidente do Instituto de Estudos do Desenvolvimento Industrial, “sem solução do imbróglio político em que o país se meteu, a economia não voltará a crescer”.

Uma parte importante do imbróglio é dada pela discussão cada vez mais escancarada sobre uma eventual defenestração da presidente Dilma Rousseff.

É importante deixar claro, nesse capítulo, que impeachment não é golpe, pela simples e óbvia razão de que está previsto na Constituição e –como diria o Conselheiro Acácio– o que é constitucional não é golpismo.

Feita essa ressalva, é indecente tratar do afastamento da presidente pelas costas, em conversas de bastidores entre altas autoridades.

Impeachment é algo que se tem de encarar de frente. Se alguém acha que há razões que justifiquem a abertura do processo (eu acho que não há), que as apresente de peito aberto no foro adequado. Seria a única maneira decente de encerrar pelo menos parte desse sórdido “inventário”.

3 thoughts on “Uma putrefação lenta demais

  1. Razões para o impeachment é que não faltam.

    Golpismo é o que o PT e um amontoado de partidos de esquerda estão executando no Brasil. Alguns, inclusive tentando esconder a plena ação do Foro de São Paulo através de seu braço executor o PT.

    Toda a ação desta turma é para subverter a ordem democrática, derrubar a legitimidade das instituições, destruir o sentimento de nação e fundar um amontoado fedorento grupo de países chamada de “a grande pátria”.

    Um lixo esquerdista dos mais ordinários que só esta esquerda venal poderia conceber.

  2. Senhores,

    Tenho a impressão que abaixo do Rio Colorado só tem bananas, bananeiras, LADRÕES e condenados a burros de carga!!!
    O senhores viram como a FUGA DO TRAFICANTE mexicano El Chapo se pareceu demais com as fugas que ocorrem, diariamente, nas nossas pocilgas públicas – com a ciência do nosso Ministro da Justiça?
    Por isso somos considerados sub-raça, física e moral, pela Matriz.
    Não dá pra levar mesmo ISTO a sério…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *