Uma realidade dramática: continua faltando povo ao país

Antonio Fallavena

Cada vez que leio, ouço ou vejo declarações de ministros do Tribunal de Contas da União, tenho vontade de rir. Acho que é de nervoso. Quando um órgão do sistema detecta algo errado, só comunica ou deve acompanhar as correções, esclarecimentos etc? Tribunais de Contas, conselhos e tudo o mais têm um custo elevadíssimo. Foram criados para fiscalizar e acompanhar questões públicas.

Mas que raios! Se não mandam nada, se o que dizem não é respeitado e tudo o mais, existem para quê? Não precisa responder: eu já sei!

Depois da reforma política, a primeira grande coisa a fazer é constituir/instituir e fazer funcionar a fiscalização em todas as instâncias. Sem ela, vira casa da mãe joana, como está agora.

SÓ FALTA VERGONHA

Com a chegada do verão, carnaval, cerveja, sexo, drogas e funk. Nada está faltando ao povo brasileiro? Vergonha? Para que serve? Pátria? Nem sabem o que é e para que serve também.

Pouco a pouco, estou passando do estado revoltoso para o do puro riso. Como condenar aqueles que, com algum recurso, conseguem mandar filhos e netos para fora do país?

Um dia ouvi “sábios” dizendo que somos um país feliz! Estamos evoluindo sem guerra civil, sem irmãos matando irmãos. Sábio idiota! Em lugar nenhum, nem mesmo onde há guerra, morrem tantos no dia a dia.

A fome é mitigada por uma bolsa esmola. A escola, onde muito é gasto e sempre faltam recursos, está formando para quase nada: dá diplomas que não servem nem para usar-se em banheiros de rodoviárias.

ANALFABETOS FUNCIONAIS

Tire os computadores/tablets, calculadoras e outros brinquedinhos eletrônicos, e a maioria dos “cidadãos brasileiros” não sabe escrever direito, nem somar/diminuir.

E ainda encontram motivos para rir. “Guilherme, o Arantes, continuas, cada vez mais atual e com a razão: “Triste é o riso dos ignorantes”. Poeta, eles ainda não descobriram que riem deles próprios.

Alguém dirá que sou um desesperançado. Não. Só não quero ser um “sabe nada, inocente”.

8 thoughts on “Uma realidade dramática: continua faltando povo ao país

  1. Texto perfeito. A felicidade do brasileiro é a dos ignorantes e alienados.
    Analfabetos funcionais que não lembram em quem votaram na última eleição…
    O povo brasileiro come merda e vive rindo, como bem disse a falecida Dercy Gonçalves.
    Sr Fallavena, o senhor não é um “sabe nada, inocente”. O sr é um realista.

  2. Não está relacionado ao tema, mas gostaria de aproveitar o espaço para trazer a denúncia à moderação da Tribuna sobre um site que está divulgando dados (CPF, nome, filiação, telefone, etc) de milhões de brasileiros.

    Chama-se FoneDados(ponto)com. Há registros de denuncias no google ao longo deste ano, a de maior proporção esta reportagem no Globo ( http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/site-fornece-indevidamente-dados-pessoais-de-milhoes-de-brasileiros-12643984 ).

    Isto é muito sério (pra dizer o mínimo)!

  3. Sabias palavras. Tirem os eletrônicos e seus corretores ortográficos e sobrarão poucos os que realmente saberão escrever e menos ainda os que conseguirão ler. Mas para que eu me sinta melhor já está ecoando em meus ouvidos aquela musiquinha chiclete de fim de ano que de tanto repetida acaba por executar em mim uma simplória lavagem cerebral: “Hoje é um novo dia de um novo tempo que começou …”

  4. Caro Sr. Fallavena e comentaristas, esse é o País do absurdo, do “me engana que eu gosto” do Pão e circo” “da corrupção sem punição”, enfim, uma republiqueta.
    Escrevi hoje no Artigo do Sr. Chagas, minha experiência com o TCE/RJ, e a situação do “gestores estupradores dos Direitos da Cidadania” na questão do “trabalho moral”.
    Sr. Fallavena, o Sr. está certissimo, permita assinar em baixo do artigo.
    Última Esperança? DEUS SOCOOOOOOORO.

  5. Parabéns, Antônio Fallavena pelo artigo. Pior do que os políticos é o
    povo brasileiro, embora não seja totalmente culpado pela sua alienação.
    No meu tempo de escola pública, não havia máquina de calcular nem toda
    essa facilidade de hoje., as contas de somar , subtrair, multiplicar e de dividir,
    eram feitas a mão, obrigava o aluno raciocinar. Hoje não existe mais curso de
    dactilografia, o que faz os usuários teclar apenas com dois dedos.
    Boa parte das facilidades do mundo moderno, vem colaborando com o atrofiamento
    da mente dos jovens.

  6. Fallavena, meu caro amigo,
    Artigo que põe o dedo na ferida com relação à alienação do povo brasileiro na sua maioria.
    Temos, sim, a nossa culpa para expiar, para pagar, diante da nossa má vontade conosco e com o País.
    Nossa maneira de ser e de viver não se coadunam mais com os destinos da Nação, que deveriam ser iguais, mas tem sido diametralmente opostos.
    O povo quer ser atendido e merece, tem seus direitos, no entanto, se deixa conduzir por alimentos básicos e uns trocados a cada final de mês, não se dando conta que foi condenado à miséria e permanentemente viverá da caridade governamental, sem se importar com o seu futuro, o seu desenvolvimento pessoal e familiar, sem perspectivas de crescimento.
    Trocou, simplesmente, a sua vida por uma sobrevivência amorfa, sem sentido, sem esperança, porém, alimentado e com algum dinheiro para comprar uma que outra porcaria, quando não o crack do dia!
    Neste aspecto, o povo tem culpa da situação atual brasileira.
    Quanto à deterioração desse governo, cujo TCU é meramente figura decorativa, ele não só tem culpa como é o nosso ladrão, que agrava o seu crime porque dotado de curso superior, sabendo que está cometendo o mal e crimes imperdoáveis.
    Agora, observa, Fallavena, o seguinte:
    Na razão direta deste analfabetismo funcional, que citaste, pois é conveniente aos governos ter um povo nesta condição porque fácil de ser comandado e enganado, constata-se lamentavelmente que maus governantes, desonestos, mal intencionados, se apoderam do Estado para dilapidar o patrimônio nacional.
    Ora, se o povo mal preparado é alienado e permite esta depredação e, o governo, constituído de más pessoas, o resultado só poderia ser este, que estamos vendo simplesmente perplexos:
    A ruína do Brasil tanto como Nação, Estado, Pátria e País!
    Pelo menos sabemos que o número de brasileiros que não se importam com esta terra é pouco mais de cinquenta milhões e, que o PT, é o partido inimigo a ser combatido em qualquer circunstância porque traidor, desonesto e corrupto!
    Parabéns por outro texto que nos obriga a refletir a respeito do nosso papel como cidadão brasileiro, e o que podemos fazer para ajudar o nosso País a sair deste atoleiro que se encontra moral e ético, político e social.
    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *