Uma tragédia dantesca em Santa Maria

Pedro do Coutto

Em artigo publicado na Folha de São Paulo, edição de terça-feira 29, a jornalista Eliane Catanhede, com o brilho e a objetividade de sempre, esgotou as contradições entre o que deveria ter sido feito da boate Kiss, em Santa Maria, e o que foi feito. Fogos lançados por um figurante do show e um teto de espuma inflamável. Risco absoluto. A vistoria estava com seu prazo vencido. Não havia saída de emergência para a hipótese de incêndio.

Resultado – cenas dantescas registrando mais de duzentas mortes e a situação de risco em que se encontram muitas das pessoas internadas. Há, ainda, ameaça envolvendo outras não internadas mas que podem apresentar sintomas de intoxicação.

O caso da boate Kiss vem acrescentar a vários outros que o antecederam. Incêndios terríveis como o do circo de Niteroi, os dos edifícios Andraus e Joelma em São Paulo, o do Bateau Mouche, o desabamento do edifício Liberdade no centro do Rio. A repercussão mundial da boate Kiss, de enorme dimensão, tornou-se maior que as tragédias que antecederam em decorrência da divulgação imediata pelas redes sociais. As cenas surgiram praticamente em tempo real e tal característica amplia consideravelmente a dimensão. É a comunicação de hoje.

Hábitos de ontem contribuem para alargar o quadro terrível que as telas da Internet, das emissoras de televisão e, no dia seguinte, as páginas dos jornais destacaram em manchetes. Um dos hábitos de ontem: o de não haver sido comunicada a situação de extrema emergência aos seguranças que trabalhavam. Estes supuseram que o movimento desesperado era uma farsa para que não pagassem as contas.

PRISIONEIROS

Os donos e responsáveis pela casa noturna não se lembraram de avisá-los que os prisioneiros da desgraçada incompreensão estavam apenas e desesperadamente tentando escapar das chamas que se alastravam e de densa fumaça que os asfixiava. Faltou uma simples orientação. Mais importante ainda era o que falta numa série de casas noturnas a existência de sinalização clara apontando as saídas cujo número tem que ser compatível com a capacidade de público que oferecem. Havia superlotação.

Enfim estava tudo errado. Um erro, isolado, já pode levar a uma tragédia. Imagine-se o acúmulo de vários deles. O resultado aí está: Morte, desolação, desespero. Os principais responsáveis foram presos, mas o país tornou-se cenário de uma tragédia dantesca. Toda sociedade foi atingida. As chamas assassinas queimam e sufocam a consciência coletiva. A imprevidência, a omissão e atitudes absurdas, como o comportamento dos seguranças, deixou nosso país e tantos outros perplexos. Foi uma derrota da vida, uma derrota da existência humana.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *