Unguentos poéticos para um coração machucado de tempo

Resultado de imagem para hilda hilst

Hilda, sempre rebelde e brincalhona

Paulo Peres
Site Poemas & Canções

A ficcionista, dramaturga, cronista e poeta paulista Hilda Hilst (1930-2004) usa o poema “Penso Linhos e Unguentos”, para os ferimentos que o tempo produziu no coração.
PENSO LINHOS E UNGUENTOS
Hilda Hilst
Penso linhos e unguentos
para o coração machucado de tempo.
Penso bilhas e pátios
Pela comoção de contemplá-los.
(E de te ver ali à luz da geometria de teus atos)
Penso-te
Pensando-me em agonia. E não estou.
Estou apenas densa
Recolhendo aroma, passo
O refulgente de ti que me restou.

3 thoughts on “Unguentos poéticos para um coração machucado de tempo

  1. Ainda ontem, estive lendo poemas de Hilda Hilst, poeta que vai fundo nos sentimentos universais. Poeta atemporal.
    Acho que a dor de um coração machucado, mesmo que se cure, deixa sempre uma cicatriz.

    Há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofre, trancados até o nosso fim.
    E por isso passíveis de serem sonhados a vida inteira.
    Hilda Hilst

  2. “Quero ser lida em profundidade e não como distração, porque não leio os outros para me distrair, mas para compreender, para me comunicar. Não quero ser distraída. Penso que é a última coisa que se devia pedir a um escritor: novelinhas para ler no bonde, no carro, no avião”, declarou em 1969, durante uma entrevista ao jornal Correio Popular.

  3. Vinicius queria uma mulher com molejo de amor machucado:

    Mulher
    Vinicius de morais
    Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza,
    Qualquer coisa de triste, qualquer coisa que chora,
    Qualquer coisa que sente saudade.
    Um molejo de amor machucado,
    Uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher,
    Feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor
    E para ser só perdão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *