União nacional, só com a cobrança de compromissos assumidos

Pedro do Coutto

Após a revelação da verdade das urnas, na noite de domingo, excelente o trabalho realizado pela GloboNews, tanto a presidente reeleita, Dilma Rousseff, quanto o senador Aécio Neves, como destacou a manchete de O Globo de ontem, 27, defenderam o desarmamento dos espíritos e um projeto de união nacional. União é claro, em torno dos princípios que regem a democracia e a liberdade. Perfeito. No entanto, as divergências ficam marcadas, como é natural que aconteça – neste ponto o posicionamento de Aécio Neves assinala, no fundo, a aceitação plena da vontade popular manifestada nas urnas.

Perfeito. Mas houve as entrevistas e debates, formando um enorme bloco de comunicação pública, destacada pelas redes de televisão confirmado pelos jornais e pelos sites da Internet. Os sites, é claro, os que não foram atingidos pela veiculação de falsas informações. Colocado o tema em seu conjunto, a sociedade brasileira não deve esquecer de, mesmo num clima sereno, passados os choques que marcaram os episódios ao longo da campanha, de cobrar os compromissos assumidos pela vitoriosa diante de milhões de brasileiros e brasileiras.

Essa cobrança é igualmente indispensável à vida do país e se reflete na essência democrática. Pois se a vontade popular garantiu a reeleição da presidente da República, foram basicamente os compromissos assumidos que terminaram decidindo o desfecho. Parte-se do princípio que Dilma foi mais convincente do que Aécio nos momentos que antecederam de perto a decisão definitiva do eleitorado.

FRUSTRAR ESPERANÇAS

O governo reconduzido ao Planalto a primeiro de janeiro de 2015 terá de se empenhar a fundo para não frustrar as esperanças que criou, as quais envolvem, acima de tudo, os interesses nacionais. Trata-se da forma de, na prática, legitimar a si mesmo. Isso de um lado.

De outro, vai caber à oposição cobrar a concretização das promessas dentro dos programas traçados e destacados na luta pelos votos. Não obstruir a realização dos projetos, pois isso seria um ato contra a sociedade, especialmente aquela colocada na pauta política para negociar cargos. As correntes oposicionistas podem inclusive atuar para aprimorar as propostas que o governo enviar ao Congresso Nacional. Deve cobrar, também, a continuidade plena do inquérito que está envolvendo a Petrobrás e ação do ex-diretor, pois esta iniciativa foi anunciada pela própria presidente durante os debates que se verificaram.

Aliás, com os debates na televisão, nunca na história do Brasil os compromissos assumidos e os projetos e programas anunciados tiveram número tão grande de testemunhas. De um lado da tela a presidente Dilma Rousseff de outro a população brasileira. Este é o fato mais importante de todos. O grande saldo democrático das eleições de outubro de 2014.

6 thoughts on “União nacional, só com a cobrança de compromissos assumidos

  1. Apesar de, a meu ver, o Sistema Distrital Puro dos EUA, ser o mais Econômico e Representativo que existe, e que poderíamos começar aplicando no Brasil, primeiro nos Municípios, depois nos Estados e por fim no Governo Federal, poderíamos começar uma Reforma Política a partir de Jan/2015 de União Nacional, que englobasse:

    1- Fim das Coligações Partidárias.
    2- Acabar com as Re-Eleições dos Executivos, passando seu Mandato para 5 anos.
    3- Propaganda Eleitoral gratuita “SEM PRODUÇÃO”, deixando a cargo dos Candidatos apresentarem suas ideias diretamente.

  2. Devemos entender que MUDANÇA foi o mote de ambos … tanto Dona Dilma quanto Aécio … se mostravam candidatos da MUDANÇA kkk KKK kkk

    E o eleitorado praticou a MUDANÇA … tirando 18 cadeiras do PT … e mais 5 do meu PMDB … … … não creio que PT e PMDB estejam em condições de darem muito palpite!!! !!! !!!

    Acontece que o PMDB foi mais feliz … pois a mesma CIDADANIA nos confiou uma preponderância no Senado Federal e nos abonou com a maior quantidade de Governadores.

    Não há necessidade de Reforma Política!!! !!! !!!

    Precisa sim de Reforma Tributária, começando por transformar as Contribuições em Impostos!!! aí, Governadores e Prefeitos teriam verbas para cumprir o que a eles obriga a CF!!!

    A CF CIDADÃ de 1988 foi emendada pelos tucotistas para favorecer a União e prejudicar o PMDB … que tal tucanos se juntarem ao PMDB para esta Reforma para viabilizar nossos Governos Estaduais e Municipais??? ??? ???

  3. Será difícil a Presidente Dilma, manter o que prometeu: manter o emprego,
    os programas sociais, combater a corrupção , diminuir a inflação, e cuidar da
    segurança etc. Considerando-se, o crescimento da economia em menos de 1%,
    a inflação em alta com tendência de aumentar, como garantir emprego sem
    crescimento? como crescer sem austeridade, a Presidente teria coragem de diminuir
    os Ministério pela metade? enxugaria a máquina publica e as Estatais demitindo
    um monte de apadrinhados?, vai haver recursos suficientes sem mais endividamento
    para manter os programas sociais e fazer as obras de infraestrutura, acabar com as já
    iniciadas, que estão pelo meio do caminho com superfaturamento? como irá combater
    a corrupção, se boa parte dos companheiros estão envolvidos? como combater a violência
    sem atingir a raiz do problema.
    Tem jeito, mas a Presidente terá que ter coragem, começado pela limpeza das Estatais, colocando
    gente competente e honesta e acabando com empreguismo, diminuir o número de Ministério, terá que fazer o país crescer, o que não será fácil devido a situação mundial, terá que fazer a reforma
    política, administrativa, eleitoral e tributária, que atenda os interesses da nação, para combater
    a violência terá que ir primeiro, na raiz: reforma do Código Penal e do Código do Processo Penal e diminuir a idade penal e principalmente escola de tempo integral (nenhuma criança fora da escola).
    É uma demonstração de nobreza, utilizar o que for bom do programa do adversário. Os interesses do Brasil devem estar acima de tudo.

  4. Na minha opinião, simplificando, talvez contra gregos e troianos, o país está definitivamente dividido, até que acontecimentos relevantes, de fato e direito. venham a colocar ordem na casa, o que pelo visto e anunciado, vai demorar…
    Sei não…
    Com certeza, quase 30 milhões de brasileiros que se esquivaram de botar a cara de fora e preferiram anular ou simplesmente não participar da eleição, podem tirar o time de campo. Perderam o direito de espernear. Vão procurar o Papa…
    Vão levar fumo, e ficam na obrigação de fazer cara de paisagem…
    Da disputa, a diferença de 3 milhões de votos entre Dilma e Aécio não é fruto do acaso… é a tomada de posições, aproveitando os resultados escalafobéticos dos “institutos de opinião de voto”, tornados cúmplices da sinistra e inconfiável urna eletrônica …
    O resultado continua sendo um voo cego para o eleitor…
    Depois de apertar o Confirme, o seu, o meu. o nosso voto tomam a destinação da nuvem, que segue ao sabor do vento, da VONTADE do vento, indo parar e se somar sabe aonde, à favor de quem,…
    Ao governante eleito, só resta, de pronto, reafirmar seus compromissos com a Nação.
    É o que estamos vendo?..
    A urna que proclamou, no escuro, resultado tão apertado, e tão rapidinho, tão ao gosto de abestados, tanto quanto de fanáticos torcedores dessa democracia feita nas sombras, não acrescenta nada depois do resultado, pois como jogo de cartas marcadas, o vencedor ganha o mandato… ufa!
    QUANDO começa o segundo turno de governança?
    Calma… sem pressa, como disse a presidente, primeiro, vamos buscar o DIÁLOGO…
    Deprimente, presidente Dilma… a senhora garantiu ter planos de governo… que o segundo tempo seria melhor que o primeiro…
    O Brasil têm urgência, ele está dividido; têm pressa de ver começar o espetáculo anunciado … e que venha logo… antes que muitas cabeças comecem a pensar absurdos como os muitos aconselhamentos que possam levar o Brasil, a temida secessão…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *