“Vai pra Cuba!” E o crime de PT-fobia

Percival Puggina

Todos já sabem que o tal “Humaniza Redes” é jogada de marketing saída da cabeça do João Santana. Ou assemelhado. Resulta em bem concebida forma de censura a todos que não amam o PT, o petismo, o governo petista, a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. Portanto, é violência disfarçada. É a “criminalização” do antipetismo.

As organizações, personalidades e práticas políticas construídas em torno do partido da estrela, na cabeça dos que conceberam o Humaniza Redes, devem ser objeto de devoção e reverência nacional. Saudados com “Hasta la vitoria, siempre!”.

A expressão “Vai pra Cuba!”, aliás, tem sido apontada como sólido indício de ódio contra o PT. Entretanto, poucas coisas tão ansiosamente desejadas por qualquer petista, da base ao topo da pirâmide partidária, quanto uma excursão a Cuba. Viajar a Havana, com ou sem a companhia de Lula, já foi prêmio disputado pela militância. Toda visita à ilha de Fidel Castro constitui ato litúrgico, uma espécie de batismo de fogo simbólico. Encontro-me frequentemente, em debates, com muitos desses “compañeros” que estudaram por lá com aval do partido, ou que fazem peregrinações periódicas à ilha, de onde retornam como quem transpôs os umbrais do paraíso socialista.

SE DEUS QUISER

Portanto, todo petista que se preze deveria responder a um “Vai pra Cuba!” com um “Se Deus quiser!”, principalmente porque a expressão poderia substituída por coisa muito mais desagradável e ofensiva, tipo “Vai pra Miami!” ou “Vai pra Nova Iorque!”. Mas isso sim, seria coisa de gente mal-humorada, intolerante, do tipo que se irrita com o Mensalão, o Petrolão, os sucessivos escândalos, as mordomias, as “pedaladas”, a irresponsabilidade fiscal, as mentiras e mistificações, as explicações esfarrapadas, a carestia, a inflação, o aumento de impostos e o crescente desemprego. Para ficar no que se sabe.

Ódio não é um sentimento que se deva cultivar. Por isso, sugiro um programa “Harmonize PT”, para acabar com a semeadura de ódio que o partido, há anos, semeia onde quer que a imaginação humana possa vislumbrar uma fissura em grupos sociais. Foi por esse caminho que o PT foi jogando os brasileiros uns contra os outros até darem conta do que estava acontecendo.

Mas se o ódio faz mal, tampouco seria benéfica e respeitável a passividade tolerante que o petismo apreciaria neste momento. O fiapo de democracia que nos resta está sustentado nos movimentos de rua e nas redes sociais porque as instituições, bem, as instituições estão com a vida ganha. E o país tem um governo petista com uma oposição tucana. Pode haver infortúnio maior?

5 thoughts on ““Vai pra Cuba!” E o crime de PT-fobia

  1. Lendo isso tudo, me vem a cabeça, o que a direita gosta de ouvir, ” vai pra Miami” ou dizer ” comprei um apartamento em Miami” .

  2. PROFESSOR MACHISTA DE UNIVERSIDADE FEDERAL AGRIDE VERBALMENTE ALUNA E XINGA DILMA DE VAGABUNDA

    unirio040515
    (Redação BR29)

    Um desabafo impressionante de uma aluna da UNIRIO (Universidade Federal do Estado do Rio) foi postado nas redes sociais na data de ontem (04). No relato, ela denuncia um professor machista,agressivo e “aparentemente” descontrolado emocionalmente.
    O jornal OGlobo publicou uma nota dizendo que a aluna de biblioteconomia ameaçou o professor com uma arma de choque e que todos os alunos saíram correndo da sala de aula.
    Parece que não foi bem assim que aconteceu!
    leia o relato:

    Alguns de vocês já sabem, outros não, mas semana passada fui ameaçada em sala de aula, por ter questionado a conduta machista de um professor.
    O professor batia violentamente em objetos a minha volta, berrando para que eu saísse da sala, incitando outros alunos a me tirarem a força porque eu o “afrontei” na aula.
    Fui amparada pela polícia, pela minha familia, amigos, pelo Coletivo de Mulheres Unirio e pela coordenação do curso de biblioteconomia.
    A “treta” por completo:
    Desde o começo do semestre, o professor E.S.A se recusa a dar aulas, afirmando que não daria aula sem computador, e que a UNIRIO não dava computador pra quem não votasse no Jutuca para reitor novamente. Afirmação que eu não duvido de ser verdade, pois coincidentemente logo após as eleições o computador chegou.
    Isso fazia das aulas uma tortura de 3 horas do Alentejo falando o que bem quisesse, na maior parte do tempo ele falava mal do “PT”. Mas falar mal desse partido era apenas fachada para seu discurso de ódio.
    No segundo dia de aula, o professor xingava a Dilma de puta, vagabunda, e oscilava entre dizer que ela é “sapata” e dizer que a comeria de quatro, porque o governo federal cortou a verba para ele viajar para um congresso que ocorrerá esse ano na França.
    O renomado professor dizia que não estudou para dar palestra em faculdade de fim de mundo no Brasil, nem pra escrever seus artigos em português, que é uma lingua “feia”.
    Além disso, dentro do ódio dele ao PT, a Dilma é puta, vagabunda, e o lula é ladrão, corrupto, enfim, o tratamento é diferente.
    Na terceira aula, o professor tentou falar mal do bolsa família. Dizendo que isso comprava votos. Eu respondi que não, que isso nos fez sair do mapa da fome na ONU, foi quando ele sacou a máxima de que “no nordeste os adolescentes vão em caçambas de caminhão votar em quem mandarem em troca de um saco de comida.”
    O menino nordestino em sala de aula parou a fala dele na hora, disse que isso era um absurdo, o menino tremia pra falar, claramente ofendido. Vendo a “merda” que falou, o professor se justificou dizendo que “tem familia no nordeste” e não tem nada contra nordestino. O menino foi muito sensato dentro do possível na situação e deixou pra lá depois dessa desculpa esfarrapada.
    E, de forma menos nojenta, mas dentro do contexto do circo de horrores que era cada aula, ainda passou quase uma hora falando de como favelado só é marginal porque quer, porque ele veio da favela e já tem seu doutorado, viaja pra europa, sem roubar ninguém. Clássico meritocrata iludido.
    Terça passada eu entrei em sala atrasada, e o professor estava contando muito orgulhoso do dia em que ele chamou a Marilena Chaui *** de piranha, dizendo em tom de deboche que “não sabia porque ela, mas ela não gostou”.
    *** Marilena de Souza Chaui é professora renomada de filosofia, historiadora de filosofia brasileira e membro do Partido dos Trabalhadores ***
    Respondi que ela não gostou porque foi machista da parte dele, e ele, já um pouco alterado, respondeu que primeiro ela o havia chamado de burguês, logo ela ” foi comunista” com ele, e antes que eu pudesse responder de novo, o professor disse que voltaria ao assunto da matéria, então me calei, e a aula seguiu.
    Minutos depois o professor interrompeu a aula novamente para jogar conversa fora, e eu aproveitei o momento para retomar o assunto.
    Primeiro perguntei se ele achava justo atacar alguem pela sua sexualidade posto que a pessoa apenas discordou da sua opinião política. Ele respondeu que não, e começava a falar que sexualidade e politica são coisas “muito diferentes”… quando eu o interrompi e perguntei como ele poderia então chamar alguém de piranha porque a pessoa o chamou de burguês.
    O professor ficou irritado ao ver que caiu em contradição e me perguntou se eu iria “mesmo afrontá-lo”. Eu disse que não, mas que ele como formador de opinião não devia discorrer seus preconceitos em sala de aula.
    Eduardo então ficou extremamente violento, berrou que em sala de aula dizendo que é o rei e que falaria o que quisesse. Se dirigiu a porta e me ordenou que saísse.
    Eu recusei, foi quando Eduardo socou a porta com força e veio em minha direção, começou a bater na mesa ao meu lado gritando que eu sairia sim de sala, que seria reprovada em sua matéria, os socos que ele dava na mesa ao meu lado foram ouvidos em outras salas.
    Quando parou de surrar a mesa, foi novamente em direção a porta, abriu-a e disse aos alunos que “ou ela ou eu”. Um homem sentado atrás de mim apoiava o professor e dizia que “alguém” tinha que me tirar da sala de aula.
    Temi pela minha segurança física, mas disse novamente que não sairia de sala. Eu não sabia o que fazer, tinha medo de me levantar e o docente me agredir, posto que ele estava fora de si e batendo em objetos a minha volta.
    Permanecer sentada era permanecer vulnerável, a ele e aos colegas que já cogitavam me arrastar de lá a força. Apavorada, peguei a lanterna de choque que carrego por segurança, botei bem próxima a mim e disse que se ele tentasse me agredir a usaria nele, na esperança não só de intimidar o agressor, mas principalmente de chamar atenção de um vigilante, como, para minha sorte, aconteceu.
    O vigilante quando chegou me garantiu a permanência e a integridade física enquanto o professor retirava a seus aparelhos de sala de aula, e os alunos também começavam a sair de sala.

    Tem fanático/cego/grosseiro/mal educado pt/psdb/pmdb/dem/prtb/ptb/pdt/psol/pstu….todos unidos no objetivo comum de não perder a’ bocona:’o acesso irrestrito ao cofre da viúva, sempre escancarado para suas negociatas, maracutaias, roubalheiras, desvios agora bilionários, corrupções “mis.” O pt só aperfeiçoou – também, foram, no mínimo, 21 anos de aprendizado, com ‘”cursos de aperfeiçoamento” pagos pelos ot…, digo, ‘companheiros’ sindicalistas com auxílio luxuoso da manjada AFL, até na matriz – as “técnicas” dos outros partidos que nos roubam há mais de cem anos, para dizer o mínimo.

  3. Da para entender porque a direita absolve e protege gente como Mubarak, Reza Pavlev, Ferdinando Marcos que conseguiram deixar para seus descendentes todos bilhoes roubados do Egito, Irã e Filipinas e depositados em bancos americanos e ingleses, do Egito. Ja a direita nao usou a mesma justiça para Hussein, Gadafhi e Slobodan torturados e mortos enquanto estavam cativos.
    Esse professor quer ir para a França depois quiça para Miami, e assim caminha essa turba, hoje revoltados, porque as bolsas se chamam Familias e nao “Bolsas Banco Nacional” ou “Banco Economico”

  4. Caro Jornalista,

    O CAOS TRAZIDO PELO PT E SEUS SEGUIDORES ESTA APENAS COMEÇANDO:

    “Um imenso contingente de policiais militares e das forças armadas, em particular do Exército, está sendo preparado para intervenções na área da cidade de São Paulo, a a chamada Grande São Paulo, que engloba 39 municípios e uma população de mais de 20 milhões de pessoas. Essa enorme concentração populacional que deve ficar sem água a partir dos próximos meses. Temendo uma insurreição só comparada à Revolução Constitucionalista de 1932, o governo paulista e o governo federal se organizam para conter um provável levante civil.”

    Artigo completo: http://www.defesanet.com.br/crise/noticia/19259/CRISE-%E2%80%93-Policias–e-Exercito-se-preparam-para-conter-caos–devido-a-seca/

    -Devemos agradecer essa situação que se aproxima aos ecoxiitas, às ONGs e seus ingênuos úteis (principalmente aqueles infiltrados no Ministério Público), aos indigenistas e à doutora Marina Silva, musa da Inglaterra, e seus seguidores – com o IBAMA na linha de frente. E nem se está falando de eletricidade ainda, mas só de água para beber…

    Só mesmo um PAÍS DE OTÁRIOS, governados por MERCENÁRIOS, cientes que o clima poderá mudar de imediato ou em um futuro próximo, credita toda a sua matriz de energia elétrica na hidroeletricidade, mesmo tendo a quinta reserva de urânio do mundo, jogando, com isso, milhões de jovens no desemprego…

    E, mesmo optando pelas hidrelétricas e tendo uma das maiores reservas de água subterrânea do mundo, não consegue construir nenhuma, nem explorar os aquíferos, porque quem quer produzir algo tem que se submeter às “cláusulas pétreas” do atraso, chamadas ENTRAVES AMBIENTAIS, que podem fazer uma obra demorar TRINTA ANOS!

    Um país governado dessa maneira tem que dá errado mesmo, mesmo que seja riquíssimo!!!
    Não é surpresa nenhuma!
    Só fico com penas dos nossos filhos e netos!

  5. O que mata a direita retrogada e reacionário de ódio, é saber que ninguém, ninguém mesmo, fica no poder por 50 anos ou mais, se não tiver apoio interno, use a força que usar, use a repressão que quiser. Uma hora ele cai, não é o caso de Cuba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *