Vamos ouvir leitores e comentaristas para aprimorar a “Tribuna da Internet”?

Resultado de imagem para blog charges

Charge do André Dahmer (Arquivo Google)

Jorge Béja

Quando o RMS Titanic naufragou na noite de 14 de abril de 1912, após zarpar dois dias antes de Southampton para Nova Iorque, em sua viagem inaugural, a notícia chegou ao Brasil somente três dias depois (17). E o Jornal do Brasil, na edição do dia seguinte (18), publicou a nota no alto canto esquerdo da primeira página. Nota de 7 linhas apenas, sem desdobramentos nas páginas do JB, tão escassas eram as informações. Para uns, a notícia veio por cabograma. Para outros, via código Morse. Não li em Freitas Nobre e em Darcy Arruda Miranda, dois dos notáveis historiadores da Imprensa no Brasil e no mundo, algo mais. Certamente o nosso venerável Helio Fernandes, do alto dos seus 98 de idade, tenha mais informações e detalhes do que tiveram Nobre e Miranda.

Nesta época em que vivemos é certo que o naufrágio seria transmitido ao vivo pela televisão. Transmissão online. Aliás, na época atual, o naufrágio nem teria acontecido. E se o Titanic navegasse hoje e colidisse com um iceberg, é certo que o navio não iria naufragar e todos os passageiros e tripulantes seriam salvos, porque hoje está tudo conectado e o socorro seria imediato.

EM TEMPO REAL – Hoje não há distâncias neste planeta. Tudo se sabe e tudo se vê no mesmo instante em que o fato está acontecendo, graças ao avanço das comunicações, da tecnologia, da cibernética. Vai chegar um tempo em que a comunicação verbal entre pessoas será considerada a forma mais rudimentar de interlocução. Criação imaginativa? Loucura? Que nada!.Pura verdade. Neste ano passado (2017), o escritor Paulo Coelho e eu fizemos um teste. E em silêncio, conversamos por mais de uma hora em seu apartamento em Copacabana quando ele esteve rapidamente no Rio.

Serve esta introdução para abordar assunto de grande importância para o nosso blog Tribuna da Internet. Facebook, Twitter, Instagram, Whatsapp, Blogs e muitas outras redes sociais vieram transformar a comunicação. Tudo passou a ser instantâneo. Dos milhares e milhares de Blogs, a Tribuna da Internet não está na zona intermediária. Atua na frente. Não é blog com uma só edição diária, como muitos são, e sim dinâmico. E tudo isso graças a seus dois editores, o Carlos e o Newton. Carlos edita a TI das 6 da manhã às 6 da tarde. E Newton de 6 da tarde até 6 da manhã do outro dia. Assim é o rodízio há pelo menos 9 anos. A TI é blog sempre atualizado e dinâmico. Não para. É a notícia viva e em cima da hora. É uma espécie da CBN e da Globonews, 24 horas no ar. E os temas que oferece à leitura são todos relevantíssimos e de alta indagação.

OS COMENTÁRIOS – Mas como nem tudo é perfeito, ocorre que nem todos os leitores que enviam comentários estão à altura da Tribuna da Internet. E isto leva os dois editores a deletar os escritos ofensivos, que não são poucos. E a trabalheira é grande. Leva tempo e causa irritação. Mas existe uma outra situação que merece reflexão a fim de se colocar nela um ponto final. É o anonimato. A Constituição Federal garante a todos a livre manifestação do pensamento e a liberdade de expressão, vedado, porém, o anonimato (CF, artigo 5º, IV).

Mas a TI publica comentário anônimo? Sim, publica. E doravante espera-se que não publique mais. Quem se apresenta com pseudônimo, apelido e até “alcunha”…Quem utiliza estes artifícios quer se ocultar. Não quer revelar seu nome, sua identidade, mostrar quem realmente é. Quer se esconder. E esta camuflagem representa anonimato. Se não tanto, é covardia, é medo, é tapeação, é simulação. Não dar as caras e dizer quem é, ocultando seu nome verdadeiro, é atitude incivilizada, seja o comentário de que peso e natureza for. É inconstitucional.

O QUE ACHAM? – Embora seja a minoria dos leitores que agem dessa forma, pois os eruditos e nobres assinam seu nome por inteiro, sem medo e sem covardia, peço ao nosso editor, o experiente jornalista Carlos Newton, que publique este artigo na expectativa de ouvir o que dizem os leitores a respeito da sugestão, que é no sentido de abolir os pseudônimos, alcunhas, vulgos, apelidos e outras maneiras mais de ocultação do nome do leitor que comenta.

Já há mais de 50 anos, quando eu era revisor do Jornal do Brasil, a ordem era ler as Carta dos Leitores e só publicá-las com a indicação do nome de quem a escreveu. E assim é até hoje. Basta ler a Seção de Cartas dos Leitores do O Globo, do Estadão, da Folha de São Paulo. Alguns destes chegam a colocar em seguida do nome do leitor que envia a carta, sua a profissão e o seu e-mail, tão sérios e respeitosos são com os assinantes e leitores não assinantes. E a Tribuna da Internet não pode ser diferente, porque é um blog de respeito e muito lido, no Brasil e no mundo.

64 thoughts on “Vamos ouvir leitores e comentaristas para aprimorar a “Tribuna da Internet”?

  1. Doutor Jorge Beja, o senhor sempre usa o Bolg como um professor. Nenhum de seus artigos deixa de conter uma verdade. Essa sugestão é primorosa pois ninguém em sã consciência poderá dela discordar e conseqüentemente concordará que imediatamente Carlos Newton dê um prazo,quem sabe até domingo, para já na segunda-feira todos se apresentarem com seus nomes de batismo. “Só uma perguntinha: Esses dois editores Carlos e Newton existem ou é apenas uma maneira de dizer que Carlos Newton carrega o piano sozinho”?

    • Pô, Dr. Béja faz uma proposta séria, e vc já vem fazer a sua gracinha, Tamberlini Gomes. Fala sério, Bussunda. Que país é esse Renato Russo ?

  2. Penso que é o mínimo que vocês que fazem o Blog, a Tribuna e sobretudo o C.N. merecem de todos os participantes, lealdade e a coragem de assinar o que escreve com o próprio nome, ou até com algum pseudônimo desde que conhecido pelos participantes. Aí o debate fica até mais sério e mais respeitoso, somem os insultos, os xingamentos e a baixaria. Contem conosco. O difícil é combinar com os norte-americanos, parodiando o saudoso Mané Garrincha.

  3. 1) Concordo plenamente Dr. Béja, eu tb já fui Revisor e precisamos dar nome aos bois:

    2) Nome, profissão e e-mail.

    3) E se forem poucos os comentaristas, lembraremos que o mais importante é qualidade e não quantidade.

  4. Prezado Dr. Béja … chegamais é um apelido que uso há tempos … desde 2005 no blogdonoblat … até que o Noblat pediu que passássemos a usar o nome próprio.

    Significa – chega mais uma nova versão dos fatos, a restauradora da verdade kkk KKK kkk

    É que costumo dar uma versão diferente da corriqueira kkk

    Esse kkk não é de zombar … é de ALEGRIA!!!

    Um aperto de mão do Lionço Ramos Ferreira.

    • http://carlosnewton.com.br/excrementos-parlamentares/#comment-116504 tem … chegamais março 13, 2014 at 9:36 pm
      Estimado Dr. Jorge Béja … felicito-o por sua correpondência com nosso Papa Francisco … logo após ser eleito, foram colocados vários e-mails para parabenizar o atual Emérito Bento XVI … e passei a enviar as matérias que medito – e percebi que tinha muita comunhão com Bento XVI … agora pretendo mandar as meditações para o prezado doutor … concordas??? Lionço Ramos Ferreira

      JORGE BÉJA março 13, 2014 at 10:02 pm
      Sim, prezado Lionço Ramos Ferreira, pode enviar suas meditações que terei muita satisfação em recebê-las.
      … … …
      Já comuniquei ao prezado editor CN que terminei as meditações … Graças a Deus!!!

  5. Na internet é muito comum usar codinomes, a maioria usa, portanto não concordo, considero uma forma de censura , e CENSURA NUNCA MAIS !

    Se o seu Comuna não me aceitar assim, peço que delete meu imail, não sou bandida e tenho um nome a zelar.

    Ridículo !

    • Todos, rigorosamente todos que exibem, escrevem e mostram seu nome, todos têm mesmo “um nome a zelar”. Já aqueles que não têm…….escondem-se, não é isso?.
      É o quanto basta para conhecer o leitor por inteiro. Nem precisa estar perto dele. Ou vê-lo. Ou ter sua folha de antecedentes. Enfim, oculta e orgulhosamente brada; “tenho um nome a zelar”, sem dizer qual. É idiossincrasia incompreensível. Anômala.

      • Pense como quiser.

        Meu nome não é Sérgio Cabral aquele que quis soltar.

        Um bandidão que já está perto de 200 anos de cadeia, ainda…

        Quanto ao orgulhosa , naõ sou nem de longe, muito pelo contrário, mas aqui tem cada um….

        • Meu nome é Jorge Béja, sem nada esconder. O HC para Cabral foi logo no dia da sua prisão que me surpreendeu e me decepcionou, conforme mais do que esclarecido, posteriormente, aqui na TI e no site Uol. E minha decepção foi tanta que desisti no HC que não teve prosseguimento e foi para o arquivo. E meu esporádico relacionamento com o então governador eu rompi para sempre porque constatei que se tratava e se trata de pessoa perigosa.
          .
          Meu nome é Jorge Béja e que foi capa da Revista Veja em 1994 com matéria de 7 páginas e 11 fotos com o título: “Advogado das vítimas pobres”. Vida profissional pública. Vida privada, familiar e social sem mácula. Nosso editor Carlos Newton é testemunha, a quem peço que escreva a respeito nem que seja duas linhas.
          E o seu nome, qual é?

          • Censura nunca mais!

            Puxa, que legal mesmo, a Veja é ? maneiro .

            Mas lá no UOL nos comentários pecado/pecador é melhor ainda…
            Não sou niguém, meu nome não interessa.
            Ditadura nunca mais !

          • Carioca, digo-lhe que o Dr. Jorge Béja é um cidadão exemplar, que comete erros ou é levado a erros, como todos nós. Eu também era amigo de Sérgio Cabral (pai e filho), ajudei a primeira eleição dele. Chegamos a trabalhar juntos, num programa da TV Manchete, quando ele era deputado, não tinha assumido a presidência da Câmara. Na época, ele não andava de carro oficial e dirigia seu próprio carro, um Voyage.

            A prisão dele foi um surpresa. Beja também era amigo dele, ficou estarrecido com a prisão sem processo e condenação, imediatamente pediu o habeas. Depois é que descobrimos quem era Sérgio Cabral Filho.

            Na verdade, o Sérgio Cabral pai e a mulher Magali também eram pilantras e enriqueceram ilicitamente junto com o filho, que era muito generoso em relação à famiglia, digamos assim..

            Abs.

            CN

  6. Na condição de eu me identificar quando posto meus comentários, nada me impede de opinar a respeito desta sugestão em tela do nosso célebre, eminente advogado e articulista, dr.Béja.

    Penso que as medidas do Newton, de deletar aqueles que não cumprem com as regras estipuladas sejam deletados, têm sido suficientes para aplacar ânimos mais exaltados.

    Diga-se de passagem, dr.Béja, que comentaristas anônimos ou identificados estão sujeitos à pena imposta pelo Mediador, haja vista que tanto um quanto o outro volta e meia desobedecem o estipulado.

    Dia desses, um comentarista que assina seus textos, foi extremamente mal educado com uma senhora, e Newton deletou o comentário ofensivo, porém poupando-o de ser deletado em outras postagens, conforme tem sido feito.

    Logo, acho que esta exigência seria demasiada pois, se a ideia é que uma vez os comentários estarem assinados e não haveria mais os textos grosseiros, a realidade não confirmaria esta projeção.

    Agora, que o Newton deveria ser ainda mais rígido, concordo.
    O problema é o tempo que não tem à disposição para este controle, logo, comentários desairosos, mal feitos, deploráveis, ficam muitas vezes postados horas a fio, até o Mediador se dar por conta e deletá-los.

    Portanto, identificado ou não o comentarista, a TI vai ter sempre um que outro que ultrapassará os limites, além de perder opiniões e pareceres interessantes de muitos anônimos e que abrilhantam este espaço democrático.

    O meu “voto”, caro dr.Béja, é que o blog deve continuar com anônimos e identificados, e quando fugirem das balizas seus textos serão devidamente deletados.

    Agora, se depois de uma ou duas vezes que os comentários foram deletados, concordo que deva haver uma punição pela reincidência do autor, algo em torno de 30 dias no gancho até a sua expulsão em definitivo quando se torna contumaz os textos serem deletados seguidamente.

    Meus respeitos e desculpas porque não lhe acompanho nesta sugestão, pois o ser humano anda meio destrambelhado, confuso, sem saída, agressivo, e ser excluído porque não se identifica em um blog absolutamente livre, democrático, então a TI estaria sendo muito exigente e de forma desnecessária.

    Um caloroso abraço.
    Saúde e paz.

    • Não sei se seria viável. Seria interessante que houvesse a possibilidade de qualquer usuário denunciar comentário inapropriado trazendo consequência automática de supressão temporária do comentário e aviso tb automático ao CN para facilitar e agilizar sua decisão.

  7. Sugiro que a área de comentários nos artigos postado pelo Dr. Jorge Béja somente juristas identificados inclusive com o registro da OAB em dia possam postar suas opiniões.

  8. Eu me alinho com o Voto acima do Sr. FRANCISCO BENDL, aceitando tanto Nome como um Apelido, para termos um debate de ideias e opiniões mais completo.

    Evidentemente que a ideia do ilustre Dr. JORGE BEJA, um dos esteios sustentadores do TRIBUNA DA INTERNET ON LINE, seria o ideal, mas na prática temos que nos contentar com menos do que o ideal.

    O importante é que Todos tenham consciência de que o T I onLine é muito lido de modo geral pela riqueza de seus Comentários, e que Senhoras e Crianças também o lêem, daí termos o máximo de cuidado em não sermos rudes, para não magoar ninguém.

  9. Boa Tarde Dr. Jorge Beja,

    Desde o surgimento da Tribuna da Internet há uns dez anos como sucessora da Tribuna da Imprensa do grande jornalista Hélio Fernandes, eu não me canso de louvar este espaço que é de longe o mais independente do Brasil.

    Não se trata aqui de uma mídia corporativa nem partidária ou ideológica.

    Simplesmente é uma mídia que procura divulgar a verdade.

    Nesses tempos de fake news a Tribuna da Internet se destaca simplesmente por divulgar verdades que as outras mídias omitem ou distorcem.

    Parabenizo-lhe pelo vosso excelente artigo, bem como a todos que participam da construção deste espaço com seus comentários, muitas vezes impróprios e que por isso devem ser deletados.

    Vamos todos continuar através dos artigos e comentários divulgar verdades censuradas e distorcidas pelo mundo midiático cheio de interesses obscuros e inconfessáveis que nos cerca.

    Um abraço a todos.

  10. Natural de Uberlândia, MG. Estou radicado em Natal/RN por 20 anos. Foi muito difícil me adaptar, mas hoje me sinto ‘nordestino’. Acho que o desafio proposto pelo Dr. Béja é bem vindo e dele participo.

  11. Concordo plenamente com a materia, o blog è um espaço de debates franco honesto . Quem nao esta a altura de debater ideias fique assistindo na telinha os Datenas da vida.

  12. Socrates dizia: eu só sei que nada sei. Ele disse isso para demonstrar a impossibilidade de se saber tudo. Quanto a mim, só posso dizer que nem sei que nada sei. Minha ignorância é menor que o espaço quântico e maior que o macro cósmico.

    Diante deste quadro biográfico, que diferença faria se assinasse como João Ninguem , Mulo da Mula ou qualquer outro nome?

    Continuarei até o final inevitavel, como um ilustre desconhecido. Pouco importará o nome ou apelido que eu tenha.

    No soneto A Legenda dos Dias, Raul de Leoni termina: …a vida segue efêmera e vazia. Num adiamento eterno que se espera. Numa eterna esperança que se adia.

    Sou a favor de que os Anônimos, mantenham suas Anonimidades.

    • Pelo jeito, gente como o Barão de Itararé, Stanislaw Ponte Preta, Lya Luft e miríades de jornalistas e escritores famosos estariam proscritios por aqui! Caráter nada tem a ver com nome! É a conduta que o revela!

  13. Sou favorável a identificação completa do comentarista pelas razões claramente expostas pelo dr. Béja. De uma maneira singela: se todos temos um nome, por que não usá-lo?
    Saudações a todos
    ricardo miguel de souza

  14. Apoiado, Dr. Béja.
    Faz tempo ignoro os “pseudos”.
    Quem é autêntico, tem amor próprio e confiança nas suas convicções, quem está aberto ao diálogo e não quer importunar ninguém, não precisa se esconder!

  15. “Quer se esconder. E esta camuflagem representa anonimato. Se não tanto, é covardia, é medo, é tapeação, é simulação. Não dar as caras e dizer quem é, ocultando seu nome verdadeiro, é atitude incivilizada, seja o comentário de que peso e natureza for.”

    Caro Carlos Newton

    Há anos sou comentarista da Tribuna da Internet.

    E na condição de “anonimo” condição que me protege não das opiniões que aqui posto, pois meu IP fica registrado, mas de patrulhas sobre minha profissão se sou Jurista, médico, professor, engenheiro, marceneiro ou pedreiro, para emiti-las e que fiquem sob tutela do articulista:

    Declaro que a partir deste não mais postarei comentários nos artigos da safra do Dr. Jorge Béja.

    Abraços,

    Eduardo RJ

    • Não, Eduardo, continue a comentar todos os artigos, inclusive os que escrevo e CN posta. Você tem nome. E nome imperial: Eduardo. As letras RJ certamente por residir no Rio de Janeiro.

      O propósito é nivelar a TI ao O Globo, à Folha, ao Estadão…e aos blogs que apresentam notícias e artigos que desafiam comentários eloquentes, subscritos e da inteligência de leitores de gabarito, que se identificam e se apresentam.

      A intenção não é patrulhar. Nada disso. E quem somos nós para patrulhar o próximo. O blog é para ser cultura, sabedoria, progresso, educação, civilidade, nobreza, patriotismo. E todos nós, articulistas e comentaristas temos tudo isso. O blog não é para brigas, deboches, fanatismos, ofensas…

      Peço a você que continue a emitir seus comentários nos artigos que subscrevo. São importantes para mim e para todos. O que é originariamente impróprio é a postagem de alguém que se intitula “sapo”, para citar apenas um exemplo. Você é Eduardo RJ. Pronto. Sabemos quem é. Não é preciso saber o que faz, o que não faz, a classe social, idade, estado de saúde….nada disso. Disse estado de saúde mas excluo o que disse. Sim, porque para atender a um grito de dor, de enfermidade, de necessidade, estou sempre de plantão. Estamos sempre, porque todos somos iguais, na essência, na forma e nas aspirações, ontem, hoje e sempre.

      Eduardo RJ, fique. Não se vá.

  16. Prezado Dr.Béja

    Apresento nova proposta conciliatória. Continua livre o uso de pseudônimos, mas os comentários destes continuariam sujeitos a remoção por parte do editor do blog. Já para aqueles que se identificarem, seus comentários não estariam sujeitos á revisão do editor, salvo no caso de uso de palavrões. Neste caso os comentaristas arcariam diretamente com a responsabilidade no caso de ofensa ou calúnia a qualquer parte.

  17. Bendita Tribuna……
    Até para uma óbvia e higienizadora proposta de nosso decano dr Beja, a Tribuna vira um palco de exercício de democracia.

    para mim seria um consenso absoluto a identificação, afinal não estamos em tempos negros de perseguições, delações e retaliações.
    Acabamos com a ditadura militar e agora estamos varrendo a possibilidade de uma ditadura democrática do proletariado e seus aliados, então a identificação além de normal, deveria ser, para mim, motivo de orgulho.

    Por que me esconder para expor minhas idéias?

    Porque elas podem ser criticadas e até demonstradas em publico em sua fragilidade e os absurdos que possa defender?

    Ótimo, para isto existe um santo remédio: a simples admissão publica de que outros possam mostrar argumentos e visões diversas das nossas e que pela sua consistência, nos fazem repensar nossas posições.

    Não esta a essencia do debate democrático?

    Não é esta a essencia da vida da Tribuna?

    Caso tenhamos identificações históricas com apelidos ou um carinho todo especial por eles, acredito que não seja nenhum inconveniente continuar a sua utilização se seu “operador” assim preferir, mas a identificação de cada um de seus usuários ao editor do blog, com nome , endereço e profissão é quesito básico.

    Posso optar por usar um pseudônimo ou apelido, mas acredito que não deva obrigar os demais a travar embates filosóficos ou as vezes nem tanto, com seres desconhecidos ou pior ainda, participar de debates artificias em que anonimos, comandados pela mesma pessoas, forjam simpatizantes e engrossam as fileiras de seus seguidores.

    Em resumo, lutamos muito para poder expormos nossas ideiais, agora contrario senso, brigaremos para nos esconder??

    Parece incoerente.
    Assinar a publicação como apelido sem problemas, mas o editor deve saber a quem corresponde e em situação extrema pode responsabilizar o seu “proprietário”.

    Dr Beja voltando em grande forma e estilo.

    Grande abraço a todos.

  18. Muitos escritores marcaram suas obras assinadas por pseudônimos. Artur da Távola o pseudônimo de Paulo Alberto Artur da Tavola Moretzsonh Monteiro de Barros, Tristão de Ataide, pseudônimo de Alceu Amoroso Lima e muitos outros. Sempre sabiamos os seus nomes de batismo.Cada um teve sua justificativa para usar pseudônimos
    Entretanto, muitos pessoas não têm intenção de anonimato. Têm o propósito de xingar, denegrir a imagem de uma pessoa, revelando-se um mau caráter.

  19. Carmem Lins conheci Paulo Alberto Monteiro de Barros. Não sabia que ele tinha outro sobrenome. Ele foi líder da Juventude do PTB. Com o estouro da Revolução em 1964 asilou-se na Embaixada da Bolívia com Jose Serra e Marcelo Cerqueira. Depois de três meses fizeram acôrdo com os militares e foram para Bolívia. Compromisso: romper definitivamente com Brizola. Assim foi feito. Paulo Alberto voltou uns seis meses depois com o nome de “Artur da Távola” e foi trabalhar discretamente na “Híltima Hora”. José Serra que marcara encontro com Brizola no Uruguai mandou dizer que d
    tinha desistido de tudo que ia para o Chile. Marcelo não tinha ligações com Brizola. Quinze anos depois Brizola voltou do exílio e Paulo Alberto, já conhecido como Artur da Távola nunca falou com Brizola e nem nunca pronunciou seu nome assim como Serra que só três meses antes de Brizola morrer veio com Artur Virgílio e Bonrauser fazer-lhe uma visita. Serra depois escreveu um livro em que o “artista principal” era ele. A história os colocará na lata do lixo.

  20. Bom, resolvi dar uma opinião. O Doutor Beja é acostumado a decisão dos tribunais. Creio que se conformaria com o resultado de uma consulta. “Sim” prevaleceria a tese do doutor Beja. “Não” prevalecera a tese de Carmen Lins. (Eu agora acertei: Carmen Lins).

  21. Meu nome é Ricardo Dionízio, mas vou continuar a usar o pseudônimo “Ricardo Dionísio”.
    Gosto mais com a letra esse. É gosto pessoal.

  22. 1) Como finalidades artísticas, alguns consagrados escritores usaram vários pseudônimos, como o poeta português Fernando Pessoa e seus heterônimos.

    2) Mas não me parece que os chamados “nick names” na web tenham propósitos literários.

  23. Se não me gostam assim, vou comentar em outra freguesia.
    Se até o papa muda o nome, artistas então, nenhum usa o nome de batismo, só agora para escrever algumas “bobagens” aqui na TI, vamos ter que cadastrar certidão de nascimento? A TI esta deixando de ser um blog diferente? Vai cair na vala comum? O bom é ser assim como é, se ficar muito formal, perde o encanto.

  24. Finamente!
    Pseudônimo é, no meu entendimento, sinônimo de cafajeste; o que confirma-se pelo histórico dos comentários de um tal; que se intitula “carioca da gema”. Permitam um trocadilho: só se for da gema podre.

  25. Hermenegildo: tchau querido. Já vai tarde. Vai escrever, como bem dissestes, tuas besteiras em outras turmas. Ou então te identifica. Qual o problema? Não precisa a certidão de nascimento.

  26. Uma solução intermediária seria acrescentar-se uma informação a mais:
    O comentarista seria identificado pelo que hoje é “nome*”, que passaria a conter o nome real da pessoa física do comentarista e não seria publicado mas seria do conhecimento do editor do blog e usado caso necessário.
    Seria incluído um campo também obrigatório “pseudônimo*”, que seria publicado.
    Caso o comentarista desejasse quer sua identidade fosse revelada bastaria igualar “nome*” e “pseudônimo*”.
    Não recomendo a publicação do e-mail pois isso ensejaria que possivelmente sua caixa postal fosse inundada por e-mails indesejados enviados por comentaristas possuidores de ideias divergentes ou convergentes.

  27. Já usei vários nicks/pseudônimos, Voltaire, Boca Dura, Boca Mole, Sledger, Sledgehammer, Thor, uso muito ainda Marreta® e Pai Marreta de Ogum, em blogs e colunas de leitor em revistas e jornais.
    Eu gosto de usar ironias e sarcasmos com os políticos, geralmente de esquerda já que são quase a totalidade e a direita não existe salvo alguns que começam a aparecer com a derrocada dos primeiros.
    Eu entro na rede e quetais para me divertir e as vezes acontece algum duelo com os xiitas e que ao final se não houver agressão do debatedor, saio lépido e fagueiro sem inimizades.

  28. No disquis meu nick cadastrado é…. ” Tribuna da Internet ” ! . Uma singela homenagem e também uma publicidade espontânea que faço do blog em outros blogs… Por essa teoria e devo mudar meu nome no Disquis ? Acho que o jurista está levando a sério demais o Art. 5, inc. IV da Constituição.
    PS : Dou o comentário, mas não dou o nome.

  29. Esta certíssimo o Dr. Jorge Beja. O anonimato é um isolamento proposital e egoísta porque satisfaz apenas o interesse de quem se utiliza deste subterfúrgio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *