Virou bagunça! O Ministério da Defesa processa Ciro e o PDT processa o ministro

Nos '100' de Brizola, PDT enxerga traços em Ciro: 'Coragem e temperamento'  - Politica - Estado de Minas

Carlos Lupi, do PDT, reage processando o ministro da Defesa

Deu no Estado de Minas

O PDT apresentou na Procuradoria Geral da República uma notícia-crime contra o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, por denunciação caluniosa. Motivo:  o ministro acusou Ciro de crime devido à declaração feita em entrevista à rádio CBN, no último dia 21, em que aponta que há uma atuação de “um estado paralelo” na Amazônia, sendo impossível não imaginar que integrantes das forças de segurança possam estar sendo coniventes com o crime na região.

O PDT sustenta que a acusação feita contra Ciro é uma tentativa direta de interferência em sua pré-candidatura, além de atingir suas liberdades individual e de expressão.

DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA – O partido pede a investigação do cometimento de crime de denunciação caluniosa, tipificado no Artigo 339 do Código Penal.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, revidou assim à notícia-crime apresentada na quinta, dia 23, à PGR, na qual o ministro da Defesa e os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica pediram a investigação contra Ciro.

A notícia-crime acusa o presidenciável de “incitar, publicamente, animosidade entre as Forças Armadas, ou delas contra os poderes constitucionais, as instituições civis ou a sociedade (artigo 286, parágrafo único, do Código Penal)”. Também acusa Ciro de “propalar fatos, que sabe inverídicos, capazes de ofender a dignidade ou abalar o crédito das Forças Armadas ou a confiança que estas merecem do público (artigo 219, do Código Penal Militar)”.

Já o PDT declarou que a acusação contra Ciro é uma tentativa de silenciar a reflexão necessária sobre a atuação do Estado – principalmente do atual Governo brasileiro – na região amazônica.

RESPONDE O PDT – “O Senhor Ciro Gomes fala, na entrevista, sobre o abandono administrativo do país e as estruturas precárias de controle e fiscalização na Amazônia, destacando que a omissão estatal transformou a região em uma “holding do crime”.

Ao responder pergunta específica direcionada por uma das jornalistas, o pré-candidato exerceu seu direito de expressão e não provocou quaisquer ataques à democracia, ao revés do noticiado pela Nota Oficial veiculada pelo Ministério da Defesa”, afirma a ação.

“Na hipótese vertente, a nota oficial propagada e a notícia-crime apresentada são revestidos de acusações de cunho político e acintes diretos à democracia e às liberdades individuais constitucionais do Senhor Ciro Gomes, no que é evidenciado o dolo específico do Representado em atingir de forma assaz intensa a pretensa candidatura do Senhor Ciro Gomes”, alerta a notícia-crime do PDT.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Essa mania de colocar tudo na Justiça está ficando ridícula. O Poder Judiciário, que já é uma bagunça, fica ainda mais esculhambado, e hoje o Supremo tem cerca de 20 mil processos esperando julgamento. Uma vergonha nacional e internacional. (C.N.)

5 thoughts on “Virou bagunça! O Ministério da Defesa processa Ciro e o PDT processa o ministro

  1. Tenho uma solução: nomear um gestor para desenvolver e aprimorar a harmonia entre os poderes. Bom salário e com experiência na área de Relações Humanas. Sugestão: Pazuello. Na hora H do dia D tudo se resolve!

  2. Bagunça, coisa nenhuma. Cada um que se responsabilize pelo que diz. O ministro, ao que parece, apenas relatou o supostamente ocorrido. E se houver vídeos, áudios ou outras provas materiais, ficará complicada a situação de Ciro, mormente se perder a eleição.

  3. Tenho um Processo de revisão de aposentadoria que tramita na Segunda Vara da Subseção Judiciária de Juiz de Fora desde 2019.
    Pasmem: O referido Processo, já se encontra há um ano e um mês Concluso para julgamento, embora casos análogos ao meu, já tenham pareceres favoráveis em todas as Instâncias.
    Tal procedimento, agride todas as regras do Ordenamento Jurídico e ate mesmo, a própria Constituição no seu quinto artigo.
    Neste país, tudo é um faz de contas, até a própria Justiça.

  4. O STF, com alto indice de rejeição (41%) segundo o POderData, virou delegacia de polícia para decidir até fuxico de comadre. Aquele senador “spot light” com nome de general alemão – Randolph Friederich – nascido no Caruaru mas eleito pelo Amapá, não perde uma oportunidade para abrir um processo desmiolado no STF, ou propor alguma CPI eleitoreira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.