Você conhece Reguffe (PDT-DF), o político mais ético do país?

José Reguffe nunca faltou às sessões do Senado

Carlos Newton

Sempre que alguém diz que a política brasileira não tem jeito, todos são farinha do mesmo saco, é bom lembrar o senador José Antônio Reguffe (PDT-DF). Jornalista e radialista, desde que entrou na política ele tem sido um exemplo de moral e ética. Primeiro, na Câmara Distrital do DF; depois, na Câmara dos Deputados; e agora, no Senado. Não foi surpresa, portanto, sua pronta intervenção para que a Mesa Diretora cumprisse o regulamento e exigisse a presença nominal dos parlamentares para a votação na sessão ordinária de quinta-feira, que contou com 44 senadores.

O número de presentes estava “congelado” desde terça-feira, quando uma reunião entre líderes partidários resolveu manter o plenário aberto, de modo que o quórum de 68 presentes valesse para as votações de ontem e assim fosse possível a abertura dos trabalhos.

O congelamento ocorreu pela primeira vez este ano no Senado devido a ausência “justificada” de quase metade dos parlamentares que viajaram para suas bases eleitorais, especialmente no Nordeste, por conta das festividades juninas. Alguns outros, alegando motivos pessoais, também não compareceram a sessão.

DILMA NOS EUA

O “congelamento” foi acertado para garantir a votação de acordos bilaterais entre o Brasil e os Estados Unidos, já que este domingo a presidente Dilma Rousseff fará uma viagem oficial para se encontrar com o presidente norte-americano, Barack Obama. Quinta-feira era o último dia que os parlamentares tinham para votar os três acordos, que acabaram sendo aprovados.

Reguffe, que não faltou a nenhuma sessão do Senado desde que assumiu o mandato em fevereiro, denunciou na quarta-feira a manobra no plenário. E na quinta-feira, após o fim da sessão ordinária que contou com a presença de 44 senadores (o mínimo para que a sessão seja iniciada é 41), Reguffe comemorou a decisão da Mesa Diretora da Casa. “A presença nas sessões nada mais é do que a obrigação dos parlamentares. É óbvio que um mandato não se resume a estar presente nas sessões, mas isso é o mínimo que a população espera de seus representantes”, disse ele ao repórter Jorge Macedo, do Correio Braziliense.

UM POLÍTICO EXEMPLAR

Em 2014, Reguffe se elegeu senador com 826 mil votos. Ao assumir o mandato, protocolou nove ofícios à diretoria-geral do Senado que resultaram na redução de gastos do gabinete para menos da metade.

Diminuiu de 55 para 12 o número de assessores, abriu mão de 100% da verba indenizatória e da cota de atividade parlamentar. O impacto dessas duas medidas gera uma economia de quase R$ 17 milhões, isso sem contabilizar economias indiretas com custos de férias e encargos sociais de servidores que deixou de contratar. O senador recusou ainda carro oficial, consequentemente economizará com combustível e manutenção. E foi além, abrindo mão de plano de saúde que garantiria acesso a tratamentos médicos e odontológicos tanto dele quanto de toda família. E preferiu continuar contribuindo para o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) do que ter direito à aposentadoria especial de parlamentar.

As medidas foram tomadas pelo parlamentar em caráter irrevogável. Isso o impede de reconsiderar a decisão futuramente. Se a mesma iniciativa tivesse adesão dos outros 80 senadores, a economia estimada aos cofres públicos ultrapassaria R$ 1,3 bilhão.

O interessante é que a grande mídia não dá espaço a Reguffe, que só é conhecido em Brasília, mas logo terá de reconhecer o valor dele como parlamentar.

###
PS – Na internet, o único erro atribuído a Reguffe foi ter aceito trabalhar como assistente técnico em um gabinete no Senado. A meu ver, aceitar esse tipo de trabalho não pode servir para denegrir uma pessoa correta. Além do mais, ele tinha apenas 23 anos e era recém-formado em Jornalismo.

8 thoughts on “Você conhece Reguffe (PDT-DF), o político mais ético do país?

  1. Caro Sr. Newton, li o artigo anterior sobre esse Senador, que passei a conhecer, e quantos mais!?, a Mídia deveria informar sobre o que POLITICO o citando de “EXEMPLO DE POLITICO”, como DEVER de bem informar e formar opinião, nessa área de politiqueiros que devasta o Brasil, os 2 poderes de eleição, estão podres,por falta de patriotismo da grande Mídia. o 3 é eleição indireta dos 2 podres, e o resultado estamos assistindo, estupro e vilipendio da Srº Justiça.
    Temos assistido nascer do lodaçal um fio de Esperança para despertar o Brasil para a HONRA DA CONSCIÊNCIA em 2018, J;Barbosa, Sen, Reguff, Juiz Sergio Moro e Equipe PF e MPF, que estão no anonimato ( é bom após lava jato, nominá-los).
    Sigamos a recomendação de Luther King:……..o silêncio dos bons, acrescento à OMISSÃO, fator de corrupção.Que DEUS nos ajude para um BRASIL DECENTE E JUSTO.

  2. Caro Newton, oportuna matéria que evidencia que há uma minoria de políticos que dignificam suas funções públicas. A tese de que todos políticos são parasitas do Estado só interessa aos que não têm vergonha na cara. Reguffe honra a história impoluta de Leonel Brizola.

  3. Parabéns para a Tribuna da Internet, por apresentar aos seus leitores o politico mais honesto do País. (coisa que já vinha observando a muito tempo).

  4. Essa é uma matéria que vale a pena ser enviada para muita gente. Pra tentar restaurar um sentimento parecido com o “yes, we can!” do Obama. Por hora fica uma sensação de piedade e impotência. Porque o brasileiro só vai mesmo enxergar o martírio, e não o exemplo.
    O último a sair da República de Banânia desligue o gato de luz…

  5. PS – Na internet, o único erro atribuído a Reguffe foi ter aceito trabalhar como assistente técnico em um gabinete no Senado. A meu ver, aceitar esse tipo de trabalho não pode servir para denegrir uma pessoa correta. Além do mais, ele tinha apenas 23 anos e era recém-formado em Jornalismo.
    Tá certo ,amigo Carlos Newton….
    À época ele era “Di menor”…
    Então tá certo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *