Voto útil ou envergonhado podem ser decisivos nesta sucessão presidencial

Merval Pereira
O Globo

Bolsonaro, pré-candidato do PSL à Presidência da República, diz que sente em suas viagens que tem mais votos do que Lula. Em qualquer lugar que vá, é recebido por uma multidão de ensandecidos, que o carregam nos ombros e gritam o mantra “mito, mito” como se estivessem hipnotizados.

Ao contrário de tempos atrás, quando militantes petistas recebiam Lula onde quer que fosse aos magotes, os bolsominions, como são conhecidos pejorativamente os seguidores de Bolsonaro, aparentemente se reúnem de maneira espontânea, não têm a estrutura que os sindicatos forneciam ao PT.

“ENVERGONHADOS” – Há ainda os possíveis “eleitores envergonhados”, que preferem Bolsonaro, mas não revelam o voto com receio da reação. Não é impossível, portanto, que o pré-candidato do PSL tenha mais eleitores do que captam as pesquisas. Contra Bolsonaro, porém, há o voto útil, que em uma eleição como esta, tão fora de parâmetros, pode ser fundamental já no primeiro turno.

Diante da possibilidade real de Bolsonaro estar no segundo turno, muito eleitor tucano pode votar em Marina, assim como parte dos eleitores petistas que não anularem o voto, cristianizando tanto Geraldo Alckmin quanto o poste de Lula.

Já Ciro Gomes poderá ter o apoio dos partidos de esquerda que não conseguem se unir no primeiro turno. Pode ser que a perspectiva de a esquerda tradicional não ir para o segundo turno faça com que eleitores dessa tendência invistam em Ciro para evitar que o segundo turno seja disputado pela extrema- direita contra a centro- direita, que pode ser representada tanto por Marina quanto por Alckmin.

CRISTIANIZAÇÃO – O candidato tucano, se não deslanchar com o apoio do centrão, poderá ser abandonado pelos eleitores ainda no primeiro turno. A aposta de Alckmin é que o tempo de televisão e a máquina partidária do centrão o levarão para o segundo turno, com um raciocínio analógico da política, quando o digital domina a campanha. Pode ser surpreendido pela indignação do eleitorado. Em contrapartida, o voto útil pode ajudar Alckmin caso esteja disputando o segundo lugar contra Ciro ou Marina.

Como as coligações obedecem a critérios locais, com o MDB sendo aliado do PT em diversos estados, e a Rede se coligando com forças políticas que trabalham em outra sintonia, não é possível saber se o enraizamento de partidos como o MDB, o DEM e o PP sustentará candidaturas oficialmente escolhidas, ou se essa algaravia partidária facilitará a traição nacional em troca de vitórias regionais.

BANCADAS FORTES – O fato de que importa mais aos partidos fazerem bancadas fortes do que eleger o presidente da República reforça essa possibilidade. A crença de que Lula transferirá pelo menos metade dos seus votos para um substituto petista, seja ele quem for, não está sendo confirmada nas pesquisas eleitorais. Se isso for verdade, há uma boa chance de eleitores petistas votarem em Marina. Ela é quem mais ganha nessa situação, seguida de Ciro Gomes, do PDT.

A mais recente pesquisa do Instituto Paraná tentou entender a cabeça do eleitor. Quando pergunta em quem o eleitor poderia votar, Marina Silva lidera, mas todos os candidatos, até mesmo Henrique Meirelles ou Fernando Haddad, têm boa pontuação. Já quando a pesquisa tentou saber em quem os eleitores votariam com certeza para presidente da República, Bolsonaro lidera com vantagem sobre Marina Silva, a segunda colocada. Bolsonaro teve 15,7% de votos consolidados e Marina, 6,3%. Lula aparece em primeiro lugar com 21,3%, mas está inelegível.

HADDAD REJEITADO – O Instituto Paraná perguntou aos eleitores em quem não votariam de jeito nenhum, e a má notícia para o PT é que Fernando Haddad tem a maior rejeição, seguido do tucano Geraldo Alckmin, o que indicaria que, sem a liderança carismática de Lula, PT e PSDB estão em baixa com o eleitorado que busca o novo na política.

Jair Bolsonaro e Lula têm a mesma rejeição de 54% do eleitorado. Em todas as pesquisas, a soma dos votos brancos, nulos e a abstenção supera Bolsonaro. Os eleitores indecisos, na sua maioria, têm Marina como alternativa. Todas essas informações demonstram que o voto útil ou o voto envergonhado pode ter influência decisiva na eleição de outubro, como também a indignação dos eleitores detectada pelas pesquisas.

 

12 thoughts on “Voto útil ou envergonhado podem ser decisivos nesta sucessão presidencial

  1. Oantagonista cita que o papa recebeu o periquito Celso Amorim que lhe entregou um exemplar do livro do Lula (!). O repugnante é o papa estar se metendo em nossas vidas. Depois não peça respeito nosso pela sua pessoa.

    • Data venia, um Chefe de Estado recebe uma pessoa pública que lhe presenteia com um livro. Algo demais?

      Não vejo o Papa se metendo em nossas vidas.
      Mas é uma questão pessoal, com todo o respeito.

      • Com todo respeito retruco: o papa está recebeu representante de um grupo de ideologia esquerdista e considerado uma quadrilha de ladrões em que o chefe está preso em Curitiba. Não é a primeira vez que o Papa procede dessa maneira.
        Eu poderia, revoltado com a atitude dele, repetir aqui o que está difundido na imprensa eletrònica que a Igreja Catolica gastou até hoje 4 bilhões de dolares em processos contra padres pedófilos só na California. Mas em respeito á sua Santidade não o faço (ou fiz?).

  2. Até o Papa Francisco apoia Lula

    Mensagem do Papa Francisco ao presidente Lula, enviada pelo ex-chanceler Celso Amorim após encontro com o pontífice no Vaticano

    “A Luiz Inácio Lula da Silva, con mi bendición y pidiendole que ores por mi”

    Tradução:

    “A Luiz Inácio Lula da Silva, com minha benção e pedindo que ore por mim”

    https://goo.gl/igkQ1b

    Os antilulistas só restam agora fazer cara de paisagem e fingirem que a menagem do Papa a Lula nunca existiu.

  3. Do que está escrito, a única coisa que dá para concordar é que existem aqueles que votam em Bolsonaro e tem vergonha de declarar o voto. Mas é o Merval da globo, não é ? Tá explicado!

    • Ricardo, tem muito eleitor assim, que vai votar em Bolsonaro, mas não declara, com medo dos comunistas/socialistas. Eles se dizem democráticos, mas são violentos contra quem não segue suas ideias.

  4. Pelo visto é só mai uma noticia inútil da agenda da imprensa a guiar o grande publico ao candidato de sua preferencia ou conveniência, Jair Bolsonaro não é conveniente, já falou, “não vai ter verba publicitaria mais, esse dinheiro vai pra saúde e educação”

  5. Infelizmente estamos caminhando pari passu para termos um novo caçador de marajás sentado no trono do Palácio do Planalto. O próximo presidente precisará ser ou ter um ótimo coordenador para ter governabilidade, caso contrário teremos impeachment já no primeiro ano de mandato. O futuro não é nada animador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *