Vox Populi: indefinido o quadro no RJ

Pedro do Coutto

A pesquisa do Vox Populi sobre as intenções de voto para o governo do Rio de Janeiro em 2010, divulgada pelo jornalista Ricardo Boechat no Jornal da Band de quarta-feira, apresenta um panorama indefinido, já que Cabral lidera com 27%, mas seguido de perto por Wagner Montes com 26. Anthony Garotinho é o terceiro com 13, Cesar Maia em quarto com 10, Fernando Gabeira com 9 e Lindberg Farias com 5 pontos.

Ocorre que Wagner Montes não é candidato ao Palácio Guanabara e, embora do PDT, apóia Marcelo Crivela, que é do PRB, na tentativa de reeleger-se ao Senado. Wagner Montes apresenta um programa diário com bom índice de audiência na TV Record, que tem Marcelo Crivela entre seus inspiradores.

Se não houver aliança entre o partido que foi de Leonel Brizola e a legenda à qual hoje pertence o vice presidente Jose Alencar, dificilmente o apoio poderá se sustentar em face da Lei Eleitoral. Mas esta é outra questão. O enigma essencial é para quem irão em sua maioria as intenções de voto hoje depositadas em Wagner Montes. Inclusive, quem receberá o suporte do PDT? São duas coisas distintas, mas que só comportam uma única solução.

O levantamento do Vox Populi, entretanto, praticamente afasta a candidatura de Lindberg Farias. O prefeito de Nova Iguaçu, com apenas 5 pontos, torna-se uma candidatura difícil. Sobretudo porque pertence ao PT e o presidente Lula, sem dúvida, prefere a coligação com o PMDB em torno da reeleição de Sergio Cabral.

Inclusive é o favorito, mas pelo fato de se encontrar à frente do Executivo, normalmente era para ocupar uma liderança maior do que a evidenciada na pesquisa. Cesar Maia, francamente, em minha opinião surpreendeu com 10%. Esperava menos, como reflexo de seu desempenho no segundo mandato na Prefeitura do Rio. Uma calamidade.

Fernando Gabeira. Situa-se no nono andar, não demonstra um impulso forte para decolar. Pode tanto ser candidato ao governo fluminense quanto ao Senado Federal. Esta dúvida, que ele próprio ainda não superou, contribui para evitar uma tendência mais forte em favor de seu nome.

De qualquer forma, não será nada fácil sua candidatura a governador, uma vez que é forte sua posição na cidade do Rio de Janeiro, como a disputa de 2008, mas é pouco conhecido na Baixada Fluminense e menos ainda no interior do Estado. Além disso, sua candidatura, seja a um posto ou a outro, pelo que se leu dos jornais, vincula-se ao voo que a senadora Marina Silva pretende alçar rumo ao Palácio do Planalto pelo PV, agremiação a que Gabeira pertence.

Marina Silva, vale frisar, parece motivada mais pelo desejo de causar um abalo ao PT e à candidatura de Dilma Roussef. Pois assim não fosse, não trocaria uma reeleição praticamente certa pelo Acre do que uma aventura romântica sem possibilidade concreta de êxito.

Claro, ela tira votos do PT e fraciona, mesmo em partes desiguais, a base governista. Mas os sufrágios que poderá obter, sobretudo através de uma legenda pequena, com pouco tempo de propaganda na televisão, são serão suficientes para levá-la ao segundo turno.

Entretanto, talvez neste ponto resida sua vontade maior: poderão ser capazes de afastar a ministra chefe da Casa Civil do duelo final, seja ele contra José Serra ou Aécio Neves. Inclusive na hipótese de ambos se unirem na oposição ao governo, um como candidato a presidente, outro como vice.

A pesquisa anterior do Vox Populi, focalizando o panorama paulista, objeto de artigo meu desta semana, afastou a candidatura Ciro Gomes a governador do  plano de cogitações. O levantamento relativo ao Rio, terceiro colégio eleitoral do país, exclui Lindberg. Mas indiretamente fortalece Dilma, na medida em que tanto Sergio Cabral quanto Garotinho a apóiam, e o páreo estadual parece cingir-se aos dois. Isso hoje. Amanhã não sei.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *