Witzel teve de derrotar a Globo, para conseguir vencer Eduardo Paes nas urnas

Resultado de imagem para eduardo paes ficha suja charges

Charge do Nanin (nanihumor.com)

Carlos Newton

Há anos que no Rio de Janeiro (capital e Estado) se ganhava eleição com muito dinheiro e a tática da união de vários partidos, com apoio de prefeitos e políticos das esferas federal, estatual e municipal. Depois, quem pagava a conta era a população, com a divisão da administração pública em várias secretarias, com milhares de cargos a preencher em retribuição a esses apoios. Foi assim a fórmula mais uma vez utilizada por Eduardo Paes  (DEM) para tentar vencer o ex-juiz Wilson Witzel (PSC).

Eduardo Paes se apresentava como gestor moderno, porém tinha os mesmos  vícios dos políticos que dominaram o Estado. Com ajuda de Rodrigo Maia e apoio entusiástico da Organização Globo, Paes e sua trupe fizeram de tudo no segundo turno para enganar o eleitor, chegando a manipular as pesquisas de intenção de voto, com o Datafolha anunciando no sábado que a eleição estava indefinida, vejam a que ponto chegou essa armação…

ATAQUE EM MASSA – Rodrigo Maia conseguiu impedir Bolsonaro de se posicionar a favor do ex-juiz, a Organização Globo não dava trégua, denunciando uma série de “escândalos fakes” para denegrir o candidato, enquanto propositadamente esquecia o passado de corrupção e falcatruas de Eduardo Paes.

No desespero, a TV Globo colocou no ar o general Augusto Heleno na véspera da eleição, para confirmar que Bolsonaro não apoiava nenhum candidato no Rio Janeiro, tudo isso para prejudicar o ex-juiz.

Ao mesmo tempo, durante o segundo turno a Rede Globo intensificou sua campanha permanente contra o prefeito Marcelo Crivella, para tentar enaltecer subliminarmente a gestão anterior de Eduardo Paes.

LEGADO DE PAES – Nesta campanha ardilosa, os jornalistas globais esqueceram de mencionar os legados da Olimpíada e da Copa. Não abordaram, em momento algum, a rapina que o grupo de Paes e do MDB fez nas finanças do município, embora o prefeito Crivella recentemente tivesse convocado uma entrevista coletiva para mostrar o rombo causado por Paes nas contas da Prefeitura.

Na verdade, Eduardo Paes legou uma dívida superior a R$ 3 bilhões, cancelou de forma fraudulenta muitos milhões de reais já empenhados, deixando hospitais sem insumos, e ao mesmo tempo contratou milhares de funcionários para clínicas de famílias e Organizações Sociais, tudo sem constar do Orçamento.

Além disso, deixou obras incompletas e empréstimos a pagar, entre eles a dívida contrariada junto à Caixa Econômica pelo projeto do Porto Maravilha. Em tradução simultânea, Eduardo Paes deixou uma grande armadilha para Marcello Crivella, que há dois anos luta para reequilibrar as finanças do Rio.

A VERDADE, ENFIM –  Apesar da campanha mentirosa e do apoio insensato da Organização Globo, Eduardo Paes desta vez não conseguiu enganar o povo. Aos poucos, está vindo à tona a verdade sobre o ficha-suja Eduardo Paes, que é acusado de corrupção por seu secretário de Obras e cúmplice, Alexandre Pinto.

E um ex-juiz desconhecido, com pouco tempo na TV, sem apoio e sem dinheiro, ganhou por uma diferença de 20%, em média. Os prefeitos que apoiaram Paes não conseguiram em seus municípios derrotar Witzel, que na Baixada venceu por uma diferença em média de 30%.

Eduardo só ganhou por uma margem de 3% na cidade do Rio, em Niterói é no pequeno município de Rio das Flores. Ou seja, essa eleição mostrou que os velhos costumes de fazer política foram banidos pela população.

15 thoughts on “Witzel teve de derrotar a Globo, para conseguir vencer Eduardo Paes nas urnas

  1. É o momento de esclarecer a cachorrada que a quadrilha que estava no poder fez para se enriquecer.
    Artigos como o seu esclarecem muito. Temos que ter em mente que o inimigo não é só o Paes, o Cabral, o Lula – é uma quadrilha organizada e poderosa.
    Um grande perigo para o retorno dos criminosos é um novo julgamento pelo STF da prisão em segunda instância, como vem insistindo aqueles juizecos bem conhecidos de todos.
    Contamos com a PF, os procuradores e os bons juizes para matar a paulada a serpente da corrupção – temos que tirar os fdps de circulação, logo!

  2. Até o nome de Bolsonaro, Eduardo Paes quis usar, não dele, mas de um de seus filhos que disse o apoiar. Neste momento, eleger Eduardo Paes seria um franco retrocesso, pior, seria o mesmo que eleger seu vice, pois como bem lembrou, existe uma Lava Jato entre Paes e a política. Eduardo Paes é inteligente e desenrolado, mas precisa ser honesto e neste ponto ele perdeu muito. Se envolveu com os professores errados e acabou aprendendo como não se fazer política no Brasil. Esperamos agora que witzel cumpra o que disse que faria na campanha. Moralize as estatais e dê ao contribuinte do Rio o tratamento que vemos acontecer em outros estados, pagando bem menos impostos.

  3. A Globo e a Folha deixaram de fazer jornalismo, e se assumiram de vez como organizações propagandísticas, preocupadas em manipular a população. Mas estão perdendo a capacidade de iludir o público. Os governantes que a Globo apoiou e festejou durante anos, Sérgio Cabral e Eduardo Paes, amados por toda a intelectualidade e pela gente bem da Zona Sul, retratados como exemplos ‘progressistas’ que iriam resolver todos os problemas da terra enquanto se exibiam para a mídia em carnavais e encontros com artistas, deixaram um legado tétrico. Mas para a Globo isso não importa, aqueles que atendem a seus interesses devem ser preservados a todo custo, e o povo que vote neles, em nome do “bem maior”.

    A Globo já não manipula o público a seu bel prazer. Em 2016 tentou desesperadamente eleger o Freixo prefeito do Rio e perdeu, depois quis, em associação com boa parte da mídia, fazer do Luciano Huck um ‘grande líder popular’ e elegê-lo presidente, mas foi rejeitada pelo público consciente. A arrogância da Globo ficou evidente demais, e as pessoas pensantes já não se deixam levar cordeiramente.

  4. – Um novo capítulo de nossa história se abre.
    No Rio, a organização criminosa corruPTa ficou reduzida a um punhado de picaretas que cabem em uma kombi.

  5. Excelente análise. O problema é que Paes ganhou com folga na zona sul e tijuca e perdeu de goleada em Guadalupe, Marechal Hermes, etc, bairros abandonados. Isto significa novamente a cidade partida aonde globais vida-mansa, acadêmicos esquizofrênicos, mídia-ativista artistas e herdeiros fazem a cabeça do gueto “carioca” e se esquecem que as propostas de paes-cabral-lula falharam totalmente no Rio. A cidade é violência e caos e abandono porque só se investe e divulga a “cidade maravilhosa utópica” que já não existe. O resto fica para as baratas, ratos e facções.
    Continuando assim, na próxima eleição Paes volta à prefeitura e aí esta visão parasita aumenta até matar o hospedeiro.

  6. Haverá ainda o dia que o Brasil conseguirá do pesado fardo da Globo. Realmente, um jornalismo a serviço de tudo que é ruim, um exemplo de uma instituição que faz muito mal ao país. Mas, não podemos esquecer que foram os militares que criaram este monstro, como o outro monstro de Curitiba. Tiro no pé do país.

  7. A guerra não acabou, a Globo perseguirá Witzel como fez com Brizola, e como faz agora com o Crivela. Bons, para os globais, são só gente ‘moderna’ como Eduardo Paes. Ou Sérgio Cabral, aquele outro ‘progressista’ a quem o jornalismo global perdoava até mesmo eventuais incorreções políticas, esse pecado supremo que nunca teria remissão quando vindo de um Bolsonaro ou de um Mourão.
    Da Revista Época:
    “O governador do Rio [Sérgio Cabral] defende o direito ao aborto para acabar com “fábricas de marginais”. Por que isso incomoda tanto?”
    http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR79800-6001,00.html

  8. Só para registrar, aqui, o que já apresentei nos comentários de outro artigo.

    Eduardo Paes será preso dentro dos próximos meses.

    Ele nem poderá concorrer na próxima eleição para prefeito em 2020, pois irá fazer companhia, na prisão, ao ex-governador do RJ Sérgio Cabral.

    No julgamento do mérito do recurso (Agravo de Instrumento no TSE – processo 0001705-94.2016.6.19.0176) na ação em que ele e seu pupilo, deputado federal Pedro Paulo (que foi reeleito, mas irá perder o mandato por causa dessa condenação), foram condenados por unanimidade em 2ª instância, uma confirmação dessa decisão levará os dois a ficarem inelegíveis.

    Obs. Eduardo Paes só pôde concorrer a governador porque conseguiu uma liminar em 9/5/2018 dada pelo ministro Jorge Mussi (em decisão monocrática) do TSE.

    Um outro caso é aquele que se refere ao crime cometido por Eduardo Paes em dezembro de 2016, ao apagar das luzes de seu governo na Prefeitura do Rio de Janeiro.

    Ele, pelo processo administrativo 01/006.177/2016, solicitou, em 23 de dezembro de 2016, ao Controlador-geral do município que fossem alterados no sistema de informática os empenhos que estavam reservados para pagamento de fornecedores e prestadores de serviços, apagando-os e transferindo os valores para outro caixa, para simular que estaria entregando a Prefeitura a seu sucessor, Crivella, com dinheiro em caixa.

    Esse dinheiro reservado, que Eduardo Paes mandou apagar, era para pagar a fornecedores de medicamentos para hospitais, de merenda para as crianças nas escolas etc.

    Criaram uma matrícula falsa e fantasma para fazer isso no sistema de informática.

    O TCM – Tribunal de Contas do Município, no processo 40/001.324/2017 – apresentou um Relatório sobre as contas de 2016 de Eduardo Paes, mostrando, especialmente às folhas 779 a 790, que ele infringiu o art. 42 da LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000).

    Com isso, ele já pode ser condenado, segundo o art. 73 dessa lei, tanto por improbidade administrativa (Lei nº 8.429/92), quanto por crimes previstos no Código Penal, especialmente os arts. 313-A (de 2 a 12 anos de prisão) e 359-C (de 1 a 4 anos de prisão):

    Art. 313-A. Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos, alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano: (Incluído pela Lei nº 9.983, de 2000)

    Art. 359-C. Ordenar ou autorizar a assunção de obrigação, nos dois últimos quadrimestres do último ano do mandato ou legislatura, cuja despesa não possa ser paga no mesmo exercício financeiro ou, caso reste parcela a ser paga no exercício seguinte, que não tenha contrapartida suficiente de disponibilidade de caixa: (Incluído pela Lei nº 10.028, de 2000)

    Enfim, são provas de que Eduardo Paes agiu de forma criminosa.
    E olha que ainda faltam as investigações sobre as propinas recebidas da Odebrecht, em cuja planilha de propinas ele era identificado como o “nervosinho”.

    É por tudo isso que ele deve ir para a cadeia, para fazer companhia a Sérgio Cabral e os demais integrantes da quadrilha que afundou o Estado do RJ e também o município do Rio de Janeiro.

    • Excelente esclarecimento. O incrível é como isso está sendo sub-divulgado pela mídia.
      A incompetência do Crivella, até para denunciar e divulgar as tramóias do governo Paes, é desanimadora.
      E a “cidade maravilhosa” deu crédito novamente ao impostor “dudu”. Graças a baixada e o restante do estado o Rio escapou desta vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *