Aras, engavetador-geral da República, “blinda” Bolsonaro para ser reconduzido ao cargo

O Procurador-Geral da República Augusto Aras, para quem a Lava Jato é uma "caixa de segredos"

Aras já perdeu o STF, mas se contenta com a Procuradoria

Bernardo Mello Franco
O Globo

Um assessor parlamentar deposita R$ 89 mil na conta da primeira-dama. Quando a história vem à tona, o presidente diz que o dinheiro era para ele. Ao ser questionado sobre o motivo dos cheques, o político se descontrola. Fecha a cara, solta palavrões e ameaça agredir o jornalista com um soco na boca.

A pergunta do repórter do GLOBO ganhou as redes sociais: “Presidente, por que sua esposa, Michelle, recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?”. Nove meses depois, Jair Bolsonaro ainda não se dignou a respondê-la. Se depender da Procuradoria-Geral da República, continuará em confortável silêncio.

ARAS ENGAVETA – Na segunda-feira, o procurador Augusto Aras rejeitou abrir inquérito sobre o caso. Ele afirmou ao Supremo que não vê “lastro probatório mínimo” contra o capitão. O parecer contrariou o advogado Ricardo Bretanha Schmidt, autor do pedido de investigação. “Quando se trata do presidente, a PGR nunca tem disposição de elucidar os fatos”, protesta.

Desde que foi nomeado por Bolsonaro, Aras se comporta como um aliado do governo. Virou o novo engavetador-geral da República, título inaugurado por Geraldo Brindeiro na Era FH. O procurador já arquivou múltiplas representações contra o presidente. Entre outras coisas, recusou-se a investigar os desmandos na pandemia e o uso da Lei de Segurança Nacional contra opositores.

Em janeiro, a submissão de Aras ao Planalto tirou seus colegas do sério. Numa cobrança pública, seis integrantes do Conselho Superior do Ministério Público escreveram que ele “precisa cumprir o seu papel de defesa da ordem jurídica, do regime democrático e de titular da persecução penal”. Em outra frente, a Associação Nacional dos Procuradores da República afirmou que “a sociedade brasileira não admite omissão neste momento”.

SONHVA COM O STF – A fidelidade de Aras a Bolsonaro tinha um motivo conhecido: ele sonhava ser nomeado ministro do Supremo.

Como o capitão prometeu a vaga a um jurista “terrivelmente evangélico”, o procurador teve que mudar os planos. Virou candidato a um segundo mandato na PGR.

Em 2019, ele convenceu o presidente a nomeá-lo fora da lista tríplice. Agora está em campanha para repetir a dose em setembro.

8 thoughts on “Aras, engavetador-geral da República, “blinda” Bolsonaro para ser reconduzido ao cargo

  1. Existe uma explicação para tamanha e vergonhosa cumplicidade: atualmente, o Quadrúpede é rejeitado, nos quatro cantos do planeta; o único HARAS que ainda o aceita despejar seus estrumes, é esse mesmo, o Augusto!

  2. Aras, engavetador-geral da República, “blinda” Bolsonaro para ser reconduzido ao cargo

    Nada muda.
    Igualzinho ao outro engavetador-geral nos tempos do Poderoso Chefão..
    Tudo para dentro das gavetas;;

  3. sta CPI instalada para investigar se o governo federal cruzou os braços, pouco ou nada fez para combater a pandemia, nem precisa prosseguir com os seus trabalhos, que no dia de ontem se mostraram atrapalhados. Isto porque o governo federal lançou nesta quarta-feira uma campanha publicitária cujo nome é a própria confissão de culpa. O nome da campanha é “Nunca é Tarde”. Ou seja, o governo reconhece pública e oficialmente, que até aqui, desde o início da pandemia, tardou com o desempenho de suas obrigações em defesa da população brasileira contra o Coronavírus. E que só agora, mesmo tarde, começa a fazer a sua parte, isto porque “Nunca é Tarde”. Mesmo já tendo ceifado perto de 430 mil vidas.

    No vídeo de 30 segundos, o Zé Gotinha aparece com toda a família. Os avós, os pais e o filho defendem o uso de máscaras, o distanciamento social e a vacinação.”Máscara, certo filho? Tem que lavar as mãos direitinho e nada de ficar muito juntinho, assim você cuida da sua família, da sua renda e do Brasil”, diz a campanha.

    O que é isso, a não ser confissão oficial de culpa?. De retardo?. De omissão de socorro ao tempo e à hora que eram necessários prestar?. Portanto, a CPI pode encerrar seus trabalhos hoje. Atrapalhados trabalhos, visto que na primeira ocasião que a CPI se deparou com uma testemunha que mentiu muito, não deu-lhe voz de prisão. Então, por que o presidente da CPI exigiu desta testemunha mentirosa que antes de começar seu depoimento, antes de ser inquirida, ela prestasse o compromisso do artigo 203 do Código de Processo Penal, que é o de falar a verdade, somente a verdade, sob pena de prisão em flagrante?. Falso testemunho é crime formal. E crime formal é flagrante delito.

    A decisão de enviar o depoimento da testemunha que faltou com a verdade para a promotoria pública foi decisão esdrúxula e absurda.. O promotor de justiça está alheio à CPI. Ele vai ler aquele “cacatau” de papéis que recebeu e nem saberá o que fazer. É possível que devolva tudo à CPI. Oferecer denúncia à Justiça é certo que não fará. A testemunha mentiu e o presidente da CPI não usou de seus poderes que a Constituição Federal e a Lei das CPIs (nº 1579) lhe conferem. Se não prevaricou, foi condescendente e complacente. Viu o crime, testemunhou o crime, tinha o dever de prender o autor do crime e nada fez.

    Mas todo este raciocínio agora é desnecessário apresentar. Afinal, a CPI pode encerrar seus trabalhos. O denominado “Fato Determinado”, que é apurar a atuação do governo diante da pandemia, já está mais do que provado que o governo pouco ou nada fez. Esta campanha lançada agora em 12 de Maio de 2021, é a maior prova. É a confissão de culpa: “Nunca é Tarde”,

  4. Tem cargos que é para quem tem caráter, não puxa saco, com olho em cargo no stf, vergonhoso, se tivesse um paí assim, não chamaria de pai, mas sim de lacaio.

  5. Boa tarde , leitores (as):

    Sugiro aos senadores da república , que não ” ENDOCEM E NEM VALIDEM ” , a proposta de recondução pelo Presidente da República Jair Messias Bolsonaro , do Procurador Geral da República – PGR Augusto Aras á um segundo mandato , pois revelou-se um verdadeiro ” desqualificado para o cargo , mal – caráter , de má – índole e extremamente nocivo á instituição nacional ” PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA ” , como é público e notório .

  6. Certamente não somente para recondução ao cargo… Suspeito que também inclua nomes de indicados para cargos nos escalões do Governo Federal e de autarquias e empresas públicas federais.

    • Seria preciso um trabalho de formiguinha para levantar informações de parentes dele e sua família, como ainda da esposa, da mulher ou marido de filhos etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *