Assaltos se repetem com o sol por testemunha

Pedro do Coutto

Os feriados e finais de semanas com sol pleno vêm sendo marcados não só pela procura de lazer por parte de centenas de milhares de pessoas nas orlas do mar da zona sul do Rio, mas também pelos assaltos em série que se repetem já de forma insuportavelmente rotineira, e também por arrastões praticados por bandos organizados. A quarta-feira que passou foi outra vez palco de violência como a reportagem de Célia Costa e Renata Leite, O Globo  do dia seguinte assinalou. Como inclusive assinalou a empresária Viviane Oliveira a respeito do episódio mais recente, a Polícia tem que ocupar um espaço para agir de forma preventiva.

Os prejuízos, claro, são enormes para a cidade e para todos. À proporção em que se repetem tais ações criminosas aumenta a insegurança coletiva. Ir à praia expor-se ao sol e ao sal tornou-se uma ação de riso. Cada vez maior, diga-se de passagem, pois a ousadia dos bandidos cresce a cada semana, Ipanema, Leblon, Copacabana, Arpoador, constituíram-se em cenário dos confrontos. Há algo estranho em tudo isso. A repressão deve ser substituída pela prevenção. Pois repressão significa agir em consequência de algo que já ocorreu infelizmente. A prevenção deve mostrar sua força de persuasão para impedir os acontecimentos deploráveis que, no fundo, de uma forma ou de outra, de uma Maira ou de outra, afetam a sociedade.

A violência gerada pelas ações criminosas irresponsáveis influi na consciência e no comportamento coletivo. As pessoas já evitam sair com objetos de pequeno valor expostos por temerem chamar atenção e assim tornarem-se Aldo dos assaltos. Basta esta colocação para se transmitir a atmosfera existente no Rio.

Uma verdadeira calamidade. Com os  assaltantes liberados, impunes após breves passagens nas delegacias, os atos se repetem. O sol é testemunha, a população, de modo geral, a vítima do descalabro. Afinal de contas, como foi possível a situação de desordem chegar a esse ponto? Não é apenas um caso de omissão. Pior. De proliferação. Isso porque os bandos que praticam arrastões vêm se tornando cada vez mais numerosos e assim mais difíceis de combater. As situações críticas acumularam-se através do tempo. Anulá-las, agora, exige um esforço muito maior do que aquele que deveria ter sido despedido e não foi. Turistas passaram a ser agredidos, como comprovam os depoimentos revelados pela reportagem de O Globo.

POLICIAMENTO

O policiamento foi reforçado, mas nem por isso conteve a ação dos criminosos que foram em frente ultrapassando as barreiras que surgiram. E, ainda que pareça incrível, a repressão policial não recebeu o apoio que merecia. O que está acontecendo? Roubos e arrastões que merecem repulsa unânime, estão motivando conivências, não apenas pelo silêncio, o que por si já seria desanimador, mas também por atitudes aparentes que deixam transparecer uma concordância absurda, por mais estranho que pareça. Mas tal aspecto extremamente negativo encontra-se assinalado na matéria que dimensiona nitidamente a sensação reinante da insegurança que se expande. Expande é a palavra certa para mostrar o quanto é urgente uma ação policial coordenada e racional. Pois, no fundo, a apropria vida humana encontra-se sob risco. Torna-se imperioso que o exemplo de quarta-feira torne-se um marco efetivo para um novo estilo de atuação por parte da Segurança Pública.

11 thoughts on “Assaltos se repetem com o sol por testemunha

  1. Caro Jornalista,

    Vai ver a polícia carioca se cansou de enxugar gelo…
    Vai ver se cansou de prender na sexta e reprender no sábado.

    Aqui no Distrito Federal aconteceu uma caso típico:
    -Um PM estava cortando o cabelo em um salão quando tomou seis tiros. Não foi divulgado se veio a morrer. Quando o autor foi, finalmente, preso, confessou o motivo do crime: Tinha “cansado” de ser preso por aquele policial…

    Resumindo: A segurança pública acabou…

  2. O articulista ainda não viu nada em matéria de violência.
    Aqui em São Paulo a carnificina é diária, ao ponto de um mesmo estabelecimento ser assaltado 50 vezes em um ano…
    Isso mesmo, tem uma padaria na Zona Leste, no sábado passado sofreu o seu 50@. Assalto em um ano.
    Todos documentados com B.O. como disse o proprietário da padaria em entrevista ao Jornal ….
    Bom, nem vou dizer que não existe mais polícia no Estado de são Paulo, quem deve saber disso é o Senhor Des-governador que está há 24 anos no Poder deste Estado.
    Quem sabe ele ao ser entrevistado pelos jornalistas-amestrados diga onde escondeu a Polícia e o Secretário de Segurança Pública….
    Por falar nisso, no deu deu o Roubo Bilionário do Metrô.????

  3. Assaltos? Ora direis: assaltos!. Assaltos são rotina no Brasil de hoje, esteja onde estiver o cidadão (ou cidadã). Só nos resta pedir aos assaltantes que sejam simpáticos e pacíficos. Já seria um bom caminho.

  4. O tema é a violência sem parâmetros nas praias cariocas do seu Cabral, apadrinhado pelo Lula, e lá vem o MAV-armandomartins puxar o tema para São Paulo.
    Então vamos lá: e a segurança incomparável da Bahia do companheiro Wagner? E os índices recordes de homicídios do cumpadre Renan e do amigão Collor das Alagoas? E o futebol com a cabeça humana do “pessoa incomum” Sarney?
    M
    esmo assim viva a não censura do mediador CN, coisa impossível na blogosfera.

  5. Ué, cadê o Xerife Beltrame, tão endeusado pela Globo e por jornalistas amestrados ?
    O que está acontecendo agora, não é novidade para quem enxergava com olhos diferentes daqueles que estão comprometidos com o Governo do Rio de Janeiro. As UPPs estão perdendo para os bandidos, que estão voltando aos seus domicílios, isto é fato, infelizmente.

  6. Senhores…

    A violência foi institucionalizada pelas leis e pela política de segurança pública federal, IDEOLOGICAMENTE CONTAMINADA desde a Constituição de 1988 e, mas acentuadamente, nestes longos anos de PTSDB!

    Para mudar a situação atual, teríamos que tirar esta turma que está aí, “possibilidade impossível!”

    Enquanto isso, façam como as manadas de zebras e gnus: SALVEM-SE QUEM PUDER!
    -Evitem andar ou transitar em locais escolhidos pelos PREDADORES como campo de caça!
    -Evitem morar nos mesmo locais em que moram os predadores.
    -Evitem sair da TOCA nos mesmos horários que os predadores usam para caçar.

    No mais, é só torcer para que as 137 pessoas que serão assassinadas amanhã sejam pais, filhos, irmãs, mães ou entrequeridos de outras pessoas, e não um parente seu!!!

    Simples, né?
    Mas é assim que funciona entre os animais que vivem em manada em uma TERRA SEM LEI, onde a justiça é feita pela LEI DO MAIS FORTE!!!

    Abraços.

  7. Enquanto houver essas leis caducas que protegem bandidos, a violência tende a aumentar. O policial prende mas a justiça manda soltar. “Di menor” com 17 anos já é um homenzarrão, pode matar mas não pode mostrar a cara do marginal. Qdo vão presos, com deboche já dizem que vão ser soltos logo. Fazer o que, se os nossos congressistas não arredam o rabo da cadeira, não fazem droga nenhuma que beneficie a população?
    Precisamos de leis mais rígidas, aumento da maioridade penal, temos que ter leis que inibam o marginal.
    Antes, a violência era maior no Rio e S. Paulo, agora é no Brasil todo!
    Sou a favor da prisão perpétua e, em alguns casos, pena de morte!

  8. Em Tempo:
    Dos 49 roubos com restrição de liberdade registrados no DF em outubro, 14 (29%) aconteceram em estacionamentos de shoppings, do comércio de rua, de clubes, de boates e de academias. Em 39 ocorrências (80% dos casos), a vítima estava sozinha.
    Esses dados são oficiais, pois já vi doutor registrar esse tipo de crime apenas como roubo para evitar “manchar” as estatísticas e queimar o filme do GDF…

  9. Que tal adicionar a toda reprimenda, a toda indignação voltada apenas para a força e a repressão, que já se mostraram ineficientes, saúde, escola, habitação e família.

    O pensamento meramente reprecivo colocado deste jeito, cheio de ódio e rancor, demonstra por quem o destila receita para os outros, não para os seus.

  10. Todas as ações(e omissões também) equivalem a reações. Já estamos vendo essses vagabundos sendo amarrados a postes e espancados. Quando a lei e a justiça deixem de funcionar isso provoca um vácuo para instalação da barbárie. Acho que quem já sofreu inúmeros assaltos e teve entes queridos assassinados por essa bandidagem tem todo o direito de buscar e até mesmo pagar(se não tiver condições de fazer por si mesmo) por justiça, já que não é possivel se esperar que se dentro da lei que seja de qualquer forma. ESQUADRõES MORTE, MILICIAS ESTÃO AÍ PARA ISSO MESMO. ACORDEM AUTORIDADES E DEFENSORES DE DIREITOS HUMANOS SÓ PARA BANDIDOS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *