Auditor do TCU revela que seu pai é militar e repassou os dados falsos a Bolsonaro

Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, servidor afastado do TCU

Costa Silva, o auditor, é amigo da família Bolsonaro

Mônica Bergamo
Folha

O auditor Alexandre Figueiredo Costa e Silva confessou à sua chefia imediata no TCU (Tribunal de Contas da União) que foi ele o autor das análises que levaram o presidente Jair Bolsonaro a divulgar a notícia falsa de que o órgão questionava as mortes por Covid-19 no Brasil.

De acordo com informações preliminares já encaminhadas à corregedoria do tribunal, o auditor relatou que comentou o teor de suas opiniões com o pai, que é militar e amigo pessoal de Bolsonaro. O pai, segundo o auditor disse a seus chefes, teria enviado o texto ao presidente.

PROCESSO DISCIPLINAR – A corregedoria, comandada pelo ministro Bruno Dantas, encaminhará um relatório à presidente do TCU, Ana Arraes, propondo a abertura de um processo disciplinar contra Costa Silva. A investigação será então aprofundada, com a tomada de depoimentos dos envolvidos.

Costa Silva deve ser afastado cautelarmente do cargo de auditor pela presidente, para poder assim responder ao processo. Ele já foi retirado da equipe que analisa atos de gestão relativos ao combate à Covid-19.

As famílias de Costa e Silva e de Bolsonaro seriam tão próximas que o auditor chegou a ser indicado para uma diretoria do BNDES em 2019. Sua posse foi barrada pelo próprio TCU por conflito de interesses, já que o tribunal fiscaliza o banco.

DISSE BOLSONARO – A confusão envolvendo o tribunal começou na segunda (7), quando o presidente Jair Bolsonaro afirmou a apoiadores que o TCU questionava as mortes por Covid-19 no país –o que é mentira.

“Em primeira mão aí para vocês. Não é meu. É do tal de Tribunal de Contas da União. Questionando o número de óbitos no ano passado por Covid. E ali o relatório final não é conclusivo, mas em torno de 50% dos óbitos por Covid ano passado não foram por Covid, segundo o Tribunal de Contas da União”, diz Bolsonaro na conversa com apoiadores.

“Esse relatório saiu há alguns dias. Lógico que a imprensa não vai divulgar. Eu tenho três jornalistas que eu converso, não vou falar o nome deles, que são pessoas sérias, né. E já passei para eles. E devo divulgar hoje à tarde. E como é do Tribunal de Contas da União, ninguém queira me criticar por causa disso”.

DEU NO PORTAL R7 – Em seguida, o portal R7, da Igreja Universal do Reino de Deus, divulgou que “apenas quatro em cada dez óbitos (41%) registrados por complicações da doença seriam efetivamente resultado da contaminação do vírus”. E creditou a informação, que é falsa, ao suposto relatório do TCU citado por Bolsonaro. O portal da igreja afirmou ainda que recebeu o documento de uma fonte do Palácio do Planalto.

Desmentido pelo TCU, o presidente da República reconheceu na terça-feira (8) que a informação que passou ao público não era verdadeira. E afirmou ser ele mesmo o autor de uma tabela que foi divulgada questionando as mortes, com base em um “acórdão” do TCU.

As análises de Costa Silva nunca chegaram a integrar qualquer relatório do TCU. Elas foram apenas postadas em um sistema de comunicação interno dos auditores – e prontamente recusadas, por falta de solidez técnica.

ANÁLISE DELIRANTE – O auditor argumentava que, como os repasses de recursos pelo Ministério da Saúde aos estados para o combate à Covid-19 era feito com base no número de óbitos, poderia haver um superdimensionamento dos dados. Governadores e prefeitos inflariam as mortes artificialmente para receber mais dinheiro.

As notificações de óbitos, no entanto, são feitas por médicos e unidades de saúde que atestam a morte. Para inflar os dados, governantes precisariam ter a cumplicidade de milhares de profissionais da área.

O TCU, assim, nunca questionou os dados de óbitos por Covid-19 no Brasil, que já fez 479.792 vítimas.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGA que ponto chegamos… (C.N.)

15 thoughts on “Auditor do TCU revela que seu pai é militar e repassou os dados falsos a Bolsonaro

  1. Como pode ser constatado, os militares não se aprazem apenas em causar seus danos diretamente, não! Ele imitam o Coronavírus: replicam suas variantes para o estrago ser maior.

  2. Uma coisa que chega a me chamar a atenção é o emaranhado familiar desta turma (quase uma casta) vocacionada para o Serviço Público.

    O histórico profissional dos integrantes destas famílias mostram que são pessoas, que de duas uma:

    Ou já nascem geneticamente vocacionadas para o servir ao Público, ou não acreditam no Mercado e no Espirito Empreendedor como meio de viabilizar as suas vidas.

    É pai, é mãe, é filho, é filha, é avô, é avó, é neto, é neta e assim todos, com raríssimas exceções é claro, sacrificando-se pelo bem comum da Nação e espraiando-se tentacularmente em todas as organizações do Estado.

    E aí me vem aquela dúvida, que coloca em cheque a minha primeira impressão…

    Porque nas horas difíceis evitam o SUS e dão preferência para o Sistema Privado de Saúde, ou para os Serviços Exclusivos de Casta?

  3. No serviço público está cheio de funcionários do tipo que decorou texto e passou no concurso como esse…
    Já dentro da repartição pública, agem como se tivessem asas. Praticam atos como se pudessem ir além dos limites que o livro dos livros, as leis e as normas internas estabelecem…

    • Que papel vergonhoso. Esse tipo de servidor tem que ser banido do serviço público. O sigilo das informações faz parte da Ética do servidor. E por gente assim, que o Guedes quer acabar com a Estabilidade, quer destruir o funcionalismo dos Três Poderes, além de congelar os salários e exterminar os benefícios. Deu lenha para Guedes tocar fogo no serviço público.
      Agora, ele vai usar isso como exemplo, de que o Brasil não precisa de servidores. É o fim da nação e a prevalência do Estado Mínimo.

      • Concordo plenamente, Sr. Roberto!
        Eu sou servidor e, infelizmente, sei bem disso. Mas infelizmente sou uma formigaque só trabalha para o Estado, não decide nada. Ainda sim tenho que dar meu melhor. Mesmo me aborrecendo às vezes. Público externo às vezes fica perdido. Dou orientação, esclareço questão, e ficam sempre muito agradecido, lamentando a falta de sorte de não ter vindo direto antes. Com cada vez mais terceirização e comissionados no serviço público a questão ainda fica pior do que aqueles que decoram textos. Tem órgão que sequer tem política de gestão documental. É uma festa. Todo mundo acessa tudo. Comenta sobre tudo. Não tem discrição. Mas se estes agem assim, e é reprovável, aqueles de concurso, então, é inadmissível alegar desconhecimento.

        • Leão, o Guedes vai liberar o FGTS das contas ativas e inativas. Ele deve ter um objetivo oculto. Todos sabem, que ele deseja acabar com o FGTS, que foi criado no regime militar, pelo economista Roberto Campos, no governo Castelo Branco, simplesmente para acabar com a estabilidade no serviço privado, após 10 anos de serviço. Desde idos tempos, que os economistas querem tirar algo dos outros. Pois vem, pode anotar, que Guedes vai tentar essa manobra.
          Ele é esperto demais, vai comendo o mingau pelas beiradas, até que chega a oportunidade e pimba: dá o bote e sempre em cima do servidor público e das estatais. Do trabalhador privado também.

  4. O Relatório revelou aquilo que todo brasileiro já sabe: desde o começo da peste chinesa, a única causa mortis no país é a tal da covid19. É mais fácil, mais barato e dá muita grana para os governadores roubarem impunemente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *