Ciro e Dória investem para tentar quebrar a polarização no eleitorado evangélico

 (crédito: Fonte: Twitter)

Ciro gravou vídeo e irritou Malafaia, aliado de Bolsonaro

Deu no Correio Braziliense
Agência Estado

Em uma tentativa de aproximação com o eleitorado evangélico, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) postou nesta segunda, 21, um vídeo em suas redes sociais no qual exalta os valores cristãos enquanto segura a Bíblia em uma mão e a Constituição na outra. “O Brasil é uma República laica, mas a Bíblia e a Constituição não são livros conflitantes”, disse o presidenciável pedetista.

A publicação de Ciro foi atacada por pastores aliados do presidente Jair Bolsonaro e deixa explícita a briga pelos votos do segmento religioso entre os pré-candidatos ao Planalto.

BERÇO DO CRISTIANISMO – Na mensagem de pouco mais de 2 minutos, Ciro disse que o Brasil “se formou no berço do cristianismo”. Aliado e conselheiro de Bolsonaro, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus, postou uma resposta rápida nas redes sociais atacando o ex-ministro. “Começou a temporada de mentira, safadeza e cinismo na política”, afirmou o líder religioso. Em seguida, Malafaia disse que o PDT apoia o aborto e a “ideologia de gênero”.

A gravação de Ciro ocorreu após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se encontrar na semana passada no Rio de Janeiro com Manoel Ferreira, bispo primaz da Assembleia de Deus, uma das maiores igrejas do País.

ELEITORADO DIVIDIDO – Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, o eleitorado evangélico está dividido entre o atual e o ex-presidente: 35% das intenções de voto para Lula e 34% Bolsonaro.

Estudioso do tema, o cientista político Vinicius do Valle, autor do livro “Entre a religião e o lulismo”, avalia que Ciro terá muita dificuldade para se aproximar desse eleitorado.

“Ele não tem qualquer relação com o movimento evangélico. Soa artificial, mas é uma primeira tentativa de aproximação”, afirmou. Valle ressaltou ainda que Bolsonaro está fechado com os principais líderes evangélicos brasileiros, mas Lula conta com um apoio enraizado e crescente na base desse segmento.

SEM DOMÍNIO ABSOLUTO – “Esse é o momento mais frágil de Bolsonaro entre os evangélicos. Não há um domínio absoluto da alta cúpula das igrejas sobre os fiéis.”

Em 2010, os evangélicos representavam 22% da população do País, segundo a última edição do Censo, feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Ciro nunca foi ligado à igreja e alguns líderes evangélicos estão se descolando da imagem de Bolsonaro. Enquanto isso, Lula tem muito apoio nas classes D e E. Está mais forte. Existem 11 mil igrejas na capital (paulista). Quando você anda nos bairros mais pobres vê várias na mesma rua”, afirmou o pastor da Igreja Evangélica Poderoso Deus, Luciano Luna, que também é coordenador de assuntos religiosos do PSDB paulistano.

DORIA TAMBÉM APARECE – Ao mesmo tempo que luta para ser o candidato do PSDB à Presidência, o governador João Doria tenta também quebrar a polarização entre os fiéis. O tucano vai fazer uma série de agendas nas igrejas quando avançar a vacinação, disse Luna.

“Quando era prefeito, Doria virou amigo dos grandes líderes das igrejas, que estão em sua maioria na capital. Fizemos um culto com 300 pastores dentro da Prefeitura e levamos ele em todas as igrejas.”

Presbítero da Assembleia de Deus e filiado ao Podemos, o pastor Geraldo Malta acredita que 90% do segmento evangélico permanecerá com Bolsonaro. “O (bispo) Manuel Ferreira recebeu o ex-presidente por cortesia, já que eles são amigos e foram deputados juntos. É muito difícil evangélico votar na esquerda”, afirmou.

DISCURSO SOB MEDIDA – O presidente mantém um discurso sob medida para esse público religioso. Foi contra o fechamento das igrejas na pandemia e mantém a promessa de indicar para o Supremo Tribunal Federal (STF) um ministro “terrivelmente evangélico” após a aposentadoria de Marco Aurélio Mello.

Além do alinhamento com as pautas religiosas, o governo Bolsonaro tem evangélicos em postos-chave: o Ministério da Educação é comandado pelo pastor presbiteriano Milton Ribeiro. Damares Alves, pastora da Igreja Batista, é a titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Cotado para o STF, André Mendonça, ex-ministro da Justiça e atual advogado-geral da União, é pastor presbiteriano.

12 thoughts on “Ciro e Dória investem para tentar quebrar a polarização no eleitorado evangélico

  1. Mídia partidária, trapaceira, labora na mentira usando roupas da verdade. JOGAR XADREZ POLÍTICO com operadores do sistema político apodrecido, na moral e no jogo limpo, não tem jeito, eles não têm a disciplina necessária para o jogo limpo, é algo parecido a jogar com pombo, trapaceiam, sobem e sapateiam no tabuleiro, sujam tudo, derrubam as pedras, batem no peito e dizem que venceram a partida. FHC já disse quase mil vezes que é contra o continuísmo da mesmice, que quer para o Brasil como presidente alguém que mostre um novo caminho, e que, tendo em vista 2022, é uma possível terceira via e que nessas condições que o FHC tem indicado só pode ser a Terceira Via de Verdade, antissistema apodrecido, encarnada pelo Leão, a Nova Política de Verdade, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, capaz de motivar e empolgar o Brasil inteiro, o novo caminho para o possível novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso que, há cerca de 20 anos, infelizmente, encontra-se cercado pelas ditaduras partidária e midiática que funcionam à moda leoas de chácara, tipo milícias protetoras do continuísmo da mesmice do sistema apodrecido, que fazem de tudo e qualquer coisa que para puxar as brasas, todas as brasas, para as suas sardinhas, não obstante podres, como se deduz da opinião do próprio FHC na matéria abaixo: “Então eu acho que é preciso que nós nos unamos para encontrar alguém que seja capaz de ter uma outra visão do que é o desenvolvimento do Brasil, que tenha sensibilidade com os mais necessitados, inclusive com o coronavírus. Então eu acho isso. Se o Lula for capaz e não havendo outro, o que eu posso fazer? Não pode ser neutra a terceira via, tem que ser uma coisa com força ” https://www.brasil247.com/poder/fhc-diz-preferir-nome-do-psdb-contra-bolsonaro-mas-reconhece-forca-de-lula-ele-sabe-se-colocar?fbclid=IwAR14SMuM8JkfIT64yRI1rVjD5Loxs_8qIbdJL0fSwFs6ZBp9c7j0NbIvdYc.

  2. O marketeiro está domesticando o Ciro.
    Mais um pouco e ele vai pedir a benção do Edir Macedo da Universal, orar com o R R Soares da Mundial e tirar fotos com o Chapelão do bispo da Internacional.

    • Luladrão também fez isso., até o agora “inimigo público número um’ Cifras Maracutaia foi aliado do ladrão corrupto bandidão sanguessuga
      Por falar nisso, veja o vídeo do TeleBispoPastorApóstolo-Vendedor-de-Feijão Valdemiro $antiago fala sobre o Luladrão…
      Está no Youtuba., é só procurar.

  3. 1) “No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia…” = Livro de Esdras, 1:1 – Bíblia.

    2) Boas ideias econômicas ele (Ciro, o paulista que governou o Ceará) tem, mas não sei se vai mobilizar o eleitorado…

  4. Que coisa boa, quando se dizer ecologista, socialista, social-democrata e até mesmo apoias o pestismo do LuLadrão dava voto, ou mesmo se aliar o mito para se eleger valia, estes canalhas faziam isto. Como sabem que o eleitor brasileiro sempre foi desmemoriado, adora ser lacrado e tem uma predileção especial por acreditar em promessas, a dupla de canalhas diz o que o eleitor evangélico adora ouvir, apela para o nome de Deus, sabendo os dois canalhas que isto é um pecado, mas o que é pecado para canalhas? Nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *