Com injustificável prejuízo, sucessivos governos investiram em fracassados projetos bilionários

Ferrovia Transnordestina é exemplo de projeto equivocado

Marcos Lisboa
Folha

O debate econômico no Brasil usualmente se restringe a grandes temas, sem se ater aos detalhes da política pública e da sua implementação. Não deveria surpreender a frustração com os resultados, qualquer que seja o caminho escolhido.

Já optamos por maior intervenção do Estado na economia, com medidas bastante custosas de financiamento público. Em vez de crescimento econômico, contudo, colhemos projetos fracassados em meio a um imenso desperdício.

DESPERDÍCIOS CLAROS – A estratégia de fortalecimento da Petrobras resultou em endividamento sufocante da empresa há alguns anos. A refinaria Abreu e Lima, por exemplo, ainda incompleta, foi iniciada em 2007 e, em 2014, o Congresso documentou US$ 4,2 bilhões de custos excessivos.

O caso do Comperj é pior. Depois de anos e bilhões de reais, a Petrobras concluiu que “a finalização da construção da refinaria não apresenta atratividade econômica”.

A Ferrovia Transnordestina começou a ser construída em 2006, com previsão de conclusão em 2017. Em março de 2021, com a obra ainda inconclusa, documento do TCU argumenta que o projeto é precário, informal e impreciso. A ANTT, em 2020, pediu a caducidade da concessão. Angra 3 foi iniciada em 1981. Foram gastos R$ 10 bilhões, e bem mais são necessários para concluí-la.

OBRAS PARALISADAS – Segundo auditoria do TCU de 2019, 47% das obras paralisadas no país decorriam de problemas técnicos. Em 23% dos casos, elas foram abandonadas pelas empresas. Problemas judiciais ou com órgãos de controle explicariam outros 8%. Apenas 10% estariam paralisadas por falta de recursos.

Para alguns, medidas que auxiliem o desenvolvimento da indústria local podem ser oportunas. Para isso, contudo, são necessários diagnóstico cuidadoso dos problemas existentes e atenção aos detalhes de execução para evitar novos fracassos, como ocorreu com o estímulo à produção de automóveis, Inovar-Auto, ou a construção de estaleiros.

Esse mesmo tipo de cuidado é necessário na atual pauta de reformas. Não se sabe ainda qual a proposta tributária defendida pelo governo.

ISENÇÕES TRIBUTÁRIAS – Pouca atenção tem sido dada à pauta legislativa e suas medidas problemáticas, como os muitos projetos para aumentar os benefícios tributários para o setor privado. A capitalização da Eletrobras está repleta de benesses paroquiais.

O debate sobre política econômica se concentra demasiadamente nos preâmbulos, mas fica desatento aos detalhes de implementação. Podem ser defendidas ações mais à esquerda ou mais liberais, porém em ambos os casos os detalhes fazem toda a diferença.

Em tempo de euforia com a agenda econômica dos EUA, vale analisar os detalhes dos planos de Biden. Lá, agora, há muita técnica e pouca fanfarrice.

13 thoughts on “Com injustificável prejuízo, sucessivos governos investiram em fracassados projetos bilionários

  1. marcos lisboa, por quem delfin neto é só elogios. Fez parte do staff de política econômica do governo lulla, afinadíssimo com meireles… tornar-se-ia depois guru de haddad.
    .
    PS. Hoje, até os liberalóides descem o cacete em paulo guedes… contudo, ainda queridinho da Exquerda, marcos lisboa é um dos economistas brasileiros mais afinados com o pensamento do posto ypiranga Boçal.

    • Quanto à Transnordestina ser um “fracasso” – na sua cabeça as ferrovias jamais voltariam a ser prioridade. O velho lobby da indústria automobilística e das montadoras estrangeiras.
      .
      PS. E ainda tem gente que acha que “essa gente” da Exquerda é comunista…

  2. Perguntei a um auditor aposentado e um orçamentista: em qual dos dois sumidouros caiu mais dinheiro público:
    1- Nos PACs 01, 02 e 03 de Lula?
    2- Ou nos BOLSOS dos PAC itos: 01, 02, 03 e 04?

      • Não existem políticos santinhos, mas os do Norte e Nordeste, saravá!
        Tenho uma prima paraense, muito conhecida, no mundo acadêmico. Ela me falou: “Primo, eu só voto no Jader Barbalho!” Eu quis saber por quê. Ela: primo, pensa num garoto genial para roubar!
        PS: ela se refere ao velho, pai gov.

  3. Falar em trens é o assunto que mais me chama à atenção.

    Tenho sido um defensor incansável de ferrovias, empreendimento que o Brasil jamais se importou em melhorar, pois teríamos os preços das mercadorias menores, caso transportadas em grandes quantidades por trens.

    O link, abaixo, nos dá uma ideia a respeito, haja vista Batista Filho ter mencionado essa questão.

    Logo, antes de mais nada, quero dizer que apenas estou complementando o comentário do colega.

    https://exame.com/brasil/por-que-o-brasil-nao-investe-em-ferrovias-e-por-que-deveria-investir/

  4. No tocante ao trato ambiental, o Brasil vive um dilema difícil de dirimir: a Europa interfere porque usa o destrato brasileiro, para com a ecologia, como handicap, nas negociações comerciais ou doutra natureza, em nosso desfavor. Os Estados Unidos se omitem, mas tacitamente estimula a degradação, porque não consegue fazer omelete sem quebrar os ovos. Ou seja: isoladamente, os EUA são a nação que mais esbulham as nossas riquezas minerais e vegetais. E agora, com toda a autoridade e propriedade: já que o nosso presidente ofereceu a Amazônia para os estadunidenses explorarem em conjunto!
    RECORDAR É VIVER! O que significa SIVAM? Sistema de Vigilância da Amazônia. Era a era que já era FHC, na presidência da República, depois de uma licitação com veementes indícios de fraudes, constatados inclusive pelo Serviço de Inteligência Francês. Quem acabou abocanhando o direito de operar o Sistema foi a multinacional norte-americana, Raytheon Company – aquela mesma que produz o famoso míssil de cruzeiro – que tem faro assassino ou Thomahawk.
    À época, o mega corrupto senador amazonense pelo PFL, Gilberto Miranda, foi acusado de receber a bagatela de US$ 4.000.000,00 para fabricar o resultado à abóbora estadunidense. Ao tomar conhecimento da bandalheira, indignado, o também senador, Vilson Kleinübing dirigiu-se ao gabinete de Miranda, donde teria sido expulso sob a mira de um revólver empunhado pelo colega bandido.

    https://vermelho.org.br/2012/08/09/escandalos-nao-investigados-do-governo-fhc-1-o-caso-sivam/

  5. Seriam muitos os exemplos. As refinarias (projetos abandonados) do Maranhão (cuja terraplanagem teria consumido 1 bilhão) e a do Ceará, lugares onde não há petróleo, ao contrário, por exemplo, do Rio Grande do Norte, seriam cômicas se não fosse trágicas, além da escandalosa Abreu e Lima, em PE. A última aventura (no caso, do PT), se deixassem, provavelmente seria o trem bala, entre SP e RJ, inicialmente orçado em 33 bi. Falar nisso, o escritório dessa empreitada ainda funciona. Deve ser o melhor emprego do mundo, hein, Bendl?

  6. Bendl, o fim de muitas ferrovias brasileiras, inclusive de passageiros, é um dos maiores atestados que nunca deixamos de ser colônia.
    Taí um carimbo por demais difícil de ser retirado de nossas vidas: “colônia. miseravelmente continuamos a ser.”
    (E a depender do “irmão” do Norte, continuaremos a ser ‘ad aeternum’.

  7. Bom dia a todos,
    Ouvir é divino, mesmo que não concorde.
    Sugiro a todos verem o filme do Barão de Maua do que considero um dos maiores genios do Brasil.
    Maio patrimonio na época, saiu honestamente da vida com sua esposa em uma carroça.
    Traiçoes.
    Brasil seria potencia mundial se ele não fosse traido, se não me recordo pelos Ingleses.
    Estudem e confiram.

Deixe uma resposta para Armando Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *