Como o PT confirmou Dilma, agora não pode haver recuo


Pedro do Coutto

O encontro nacional que o PT realizou sexta-feira em São Paulo, com a presença do ex-presidente Lula, para reafirmar a candidatura à reeleição de Dilma Rousseff, sobretudo pela repercussão assinalada pelo Globo, Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo, os três principais jornais do país, tornou irreversível a presença da atual chefe do Exército nas urnas de outubro deste ano. Em artigo anterior, eu já havia focalizado a direção que o tema ia tomar, no momento reforçado pelo gestor e pelo pronunciamento de Luís Inácio da Silva. 

Aliás, os fatos políticos da semana passada foram bastante expressivos. Além da ênfase da Lula no apoio, a reportagem de Cleide Carvalho, O Globo 25de abril, derrubou de modo definitivo a candidatura do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ao governo paulista. Não bastasse o texto, uma foto provavelmente divulgada pela internet obriga o Partido dos Trabalhadores a escolher um nome que o substitua. Principalmente porque o desenrolar dos acontecimentos no primeiro colégio eleitoral do país (pesa 23 por cento) inevitavelmente reflete-se no rumo das eleições para o Planalto.

AÉCIO E CAMPOS

Outro fato que possivelmente influirá na pesquisa que o Datafolha divulgará esta semana, foi à aproximação entre os candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos. Ambos, claro, empenham-se para que haja segundo turno no pleito para presidente e um deles enfrente Dilma Rousseff, que, se não vencer no primeiro, tem presença assegurada no segundo.

É lógico, porém, estando na frente de Campos, as fotos publicadas nos jornais só podem favorecer Aécio e a conseqUência do erro tático foi logo traduzida na reação contrária de Marina Silva. Ela é vice do ex-governador de Pernambuco, e não base de apoio do senador por Minas Gerais, segundo maior reduto de votos do Brasil. Aécio Neves e Eduardo Campos cometeram um equívoco. Os políticos importantes também erram. Pois abalando o ex-governador de Pernambuco, Neves torna mais difícil uma segunda convocação do eleitorado.

PADILHA FORA

Mas e a questão de São Paulo? O PT precisa recorrer a outro nome para entrar em campo no lugar de Padilha. Quem poderá ser? Os ministros Aloísio Mercadante, da Casa Civil, e Marta Suplicy, tornaram-se inelegíveis, uma vez que não deixaram os cargos até 5 de abril, seis meses antes, como determina a legislação eleitoral. Paulo Skaf, presidente da Confederação Nacional da Indústria, é candidato pelo PMDB. Que fazer? Um dilema complicado.

A solução, sustenta meu amigo Sérgio Wilson, do quadro técnico de Furnas, é tentar convencer Lula a disputar o governo paulista. Não será tarefa fácil, claro, mas só a colocação da perspectiva forçará um recuo de Geraldo Alckmim no apoio a Aécio Neves, embora ambos sejam do PSDB. Por quê? Simplesmente porque Alckmin sabe que Lula só poderá aceitar se a vitória de Dilma correr algum risco. São Paulo, Minas e Rio de Janeiro representam a metade de todo eleitorado nacional. Se Aécio não constituir uma ameaça, a área paulista não se tornará tão importante para o PT. Principalmente na medida em que, indiretamente, por inação, o governador não se empenhar na campanha de seu correligionário. Minas é Minas; São Paulo é São Paulo.

10 thoughts on “Como o PT confirmou Dilma, agora não pode haver recuo

  1. Leiam uma analise muito boa do cientista político Antônio Lavareda sobre as ultimas pesquisas de intenções de voto para presidente:

    Do IG Brasil Economico

    “Dilma está perdendo a condição de ser candidata”, diz Antônio Lavareda
    Para o cientista político, a reeleição da presidenta está ameaçada pelo desgaste do PT, baixa popularidade e a percepção pessimista dos eleitores sobre os rumos da economia, além da forte rejeição do mercado financeiro”

    Veja mais detalhes em:

    http://brasileconomico.ig.com.br/brasil/politica/2014-05-05/dilma-esta-perdendo-a-condicao-de-ser-candidata-diz-antonio-lavareda.html

  2. Falta de água em São Paulo o cassete!

    Pois, em pleno quintal de São Paulo, passa o AQUÍFERO GUARANI. Que pode abastecer a população por até 100 anos. Em apenas 1.500 metros de profundidade.

    BURRICE, FALTA DE MEMÓRIA OU ANALFABETISMO FUNCINAL.

  3. Recuar ? A candidata do PT está prestes a ganhar no primeiro turno e alguém, que não seja contra, queria que o partido recuasse?
    Estes “cientistas” políticos são engraçados: “Dilma está perdendo a condição de ser candidata”, então tá, quem está ganhando é o Aécio e o Eduardo Campos, que juntos não têm a metade das intenções de votos dela,

  4. Com a devida vênia, não concordo com o articulista no que se refere quem é quem no lugar de quem…
    Acontece que até o dia 15 de setembro, o STE pode aceitar a troca de chapas tanto para presidente como governador. Se, não me engano só para esses dois cargos…
    Consultemos nossos juristas. Dr. Béja, é isso mesmo ?
    Daí, se for, tudo pode acontecer até essa data. Se o quadro mostrar que não vai dar para Dilma nem no segundo turno, com certeza, Lula irá fazer o “sacrifício” pelo PT, substituindo-a na chapa. Justificar não será um problema, ainda mais para políticos…
    O candidato para o governo de São Paulo, continuará no bule do “mistério” – algum nome sendo “aquecido” – para a última hora.
    Voluntários?.. Suplicy estará na primeira fileira, gritando: Eu! Eu!…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *