Crivella só espera recuperar passaporte para ser indicado novo embaixador na África do Sul

Marcelo Crivella diz estar preparado para a nova missão

Lauriberto Pompeu
Estadão

Convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a embaixada do Brasil na África do Sul, o ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella (Republicanos) espera recuperar o passaporte apreendido em dezembro, quando foi preso. A defesa de Crivella aguarda uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) para que o ex-prefeito tenha de volta o documento que lhe permite sair do País.

“Uma vez declarada a incompetência da Justiça Comum, o acautelamento do passaporte perde efeito, exigindo sua restituição”, disse o advogado Alberto Sampaio Júnior, que defende Crivella. “É mera questão burocrática, cuja solução depende de ofício do Supremo à Justiça Eleitoral, para que se faça cumprir os efeitos da decisão.”

FORO PRIVILEGIADO – Se o ex-prefeito do Rio for nomeado embaixador, voltará a ter foro privilegiado de julgamento. Com isso, o processo ao qual responde é transferido para o Supremo.

Crivella foi preso em 22 de dezembro do ano passado, a nove dias de deixar o cargo, acusado de chefiar o “QG da Propina” instalado no Executivo carioca. Segundo a investigação, ao menos R$ 53 milhões foram arrecadados pelo esquema.

Bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella foi transferido do presídio de Benfica para a prisão domiciliar no mesmo dia após decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins. Em fevereiro, o ministro do Supremo Gilmar Mendes determinou a revogação da prisão domiciliar de Crivella, mas proibiu que ele deixasse o País. Foi nesse momento que houve a retenção do passaporte.

DEPENDE DE GILMAR – No dia 22 de abril, porém, Gilmar retirou a competência da Justiça Comum para analisar o caso e a transferiu para a Justiça Eleitoral, mas reteve o passaporte. Os advogados do ex-prefeito afirmam agora que as atuais medidas restritivas contra ele não valem mais.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou que Crivella não enfrentará dificuldades para ter seu nome aprovado pelo Senado. “Vou trabalhar a nomeação dele e não vejo ninguém com disposição de votar contra. Até agora não vi”, disse o senador ao Estadão.

A informação da escolha de Crivella para o posto foi revelada pelo jornal Correio Braziliense e confirmada pela reportagem. A decisão de Bolsonaro é uma forma de contemplar o Republicanos, partido aliado do governo no Congresso.

CRISE DA UNIVERSAL – O aceno ocorre na esteira de uma crise vivida entre a Igreja Universal do Reino de Deus, que no Congresso é representada pelo Republicanos, e o governo federal.

Integrantes da Universal em Angola se rebelaram contra a direção brasileira da igreja – fundada e liderada pelo bispo Edir Macedo, tio de Crivella – e divulgaram um manifesto que acusa o comando geral de lavagem de dinheiro, sonegação de impostos e racismo. Os bispos da Universal no Brasil chegaram a se queixar da falta de apoio do Ministério das Relações Exteriores nessa questão.

O presidente do Republicanos, deputado Marcos Pereira (SP), negou que tenha conversado sobre a embaixada com Bolsonaro e com Crivella. Pereira disse que só soube da indicação por meio da imprensa. O Itamaraty não respondeu aos questionamentos da reportagem sobre o assunto.

AUTORIZAÇÃO – O pedido de “agrément” para a indicação de Crivella  ainda precisa ser autorizado pelo governo da África do Sul. Caso o país dê aval, o ex-prefeito terá de passar por votações na Comissão de Relações Exteriores do Senado e no plenário da Casa Legislativa.

“A conversa dele já é uma conversa de diplomata. Acho que só ouvi a voz dele nas músicas, só ouvi falar bem baixinho. Tem uma educação danada. Ele tem um estilão diplomata mesmo”, definiu Eduardo Gomes, que também citou a experiência de Crivella como missionário no continente africano. Antes de ocupar a prefeitura do Rio, o bispo foi senador e ministro da Pesca no governo Dilma Rousseff.

A bancada evangélica do Congresso nega ter participado do processo que levou à indicação do ex-prefeito, mas o grupo recebeu a notícia com bons olhos. “Mesmo sem ter sido consultados nem conversado com o presidente a respeito do assunto, ficamos felizes porque o Marcelo Crivella é um homem preparadíssimo e um amigo querido. É crente”, afirmou o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP), coordenador da bancada evangélica.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
A que ponto chegamos. Um embaixador cujo passaporte está bloqueado, para evitar que não fuja do país… (C.N.)

9 thoughts on “Crivella só espera recuperar passaporte para ser indicado novo embaixador na África do Sul

  1. Gangster made in Brazil. O Brasil é também detentor do maior rebanho de “bodes expiatórios” do mundo: já pensou, quando esse produto começar a ser exportado?

  2. Calma, tudo sempre pode piorar.
    Fux pediu para Bolsonaro adiar a nomeação do novo ministro do STF para julho!
    Porque tal pedido? Ele só poderá assumir após a vacância do cargo.
    Minha apreensão é que no dia D e na hora H Bolsonaro nomeie o seu primogênito e dileto zero um!
    Gente, no quadro atual, desgraça pouca é bobagem!

  3. Segura essa Jumento Bozo:

    Clínica oferece transporte gratuito para cliente se vacinar:

    Vaccine Equity Clinic on Route 1 in Alexandria Offers Free Transportation.

  4. NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – A que ponto chegamos. Um embaixador cujo passaporte está bloqueado, para evitar que não fuja do país… (C.N.)

    Sr. Newton

    Desânimo total com este Páis, que alguns ainda dizem que é uma Democracia..
    Um “Embaixador” que nas horas vagas é ladrão….
    Coitado do Cabral….(o navegante.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *