Dante Milano queria escrever versos sem pensar, mas que fossem puros e inocentes como o princípio do amor

Paulo Peres
Poemas & Canções

O poeta Dante Milano (1899-1991), que nasceu em Petrópolis (RJ), no poema “Descobrimento da Poesia”, deseja escrever versos sem pensar, mas que sejam puros e inocentes como o princípio do amor.

DESCOBRIMENTO DA POESIA
Dante Milano

Quero escrever sem pensar.
Que um verso consolador
Venha vindo impressentido
Como o princípio do amor.

Quero escrever sem saber,
sem saber o que dizer,
Quero escrever uma coisa
Que não se possa entender,

Mas que tenha um ar de graça,
De pureza, de inocência,
De doçura na desgraça,
De descanso na inconsciência.

Sinto que a arte já me cansa
E só me resta a esperança
De me esquecer do que sou
E tornar a ser criança.

2 thoughts on “Dante Milano queria escrever versos sem pensar, mas que fossem puros e inocentes como o princípio do amor

  1. Sina de pobre
    ———————–
    De pais pobres me criei nu,
    E com muita labuta eu vivo,
    Sempre me tratam de tu,
    Com ajuda de deus sobrevivo.

    Há aquele que nasce rico,
    Com a bunda voltada pra lua,
    Pensa que o pobre é pinico,
    Mira na nossa em vez da sua.

    Mas minha vez há de chegar
    De me tornar também rico
    Aí então vou me vingar:
    Fazer do rico penico.

    Ai que saudade da aurora
    Que me botou um baita chifre
    E com o Ricardo foi-se embora.
    ————————–

  2. “impressentido” seria o particípio passado de Impressentir. Mas esse verbo não existe, na língua portuguesa. Ou seja: o particípio de um infinitivo inexistente, com a função apenas de adjetivo. Português é coisa de doido: pela sua complexidade, Secret Code, na Segunda Guerra Mundial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *